2021-03-22T16:50:30-03:00
Tensão nos emergentes

Queda da lira turca pode ser um mau sinal para o Brasil; entenda o porquê

O risco dos países emergentes pode desagradar grandes investidores estrangeiros e chegar até o Brasil

22 de março de 2021
9:53 - atualizado às 16:50
Imagem: Shutterstock

O que os turcos e brasileiros têm em comum? Pode não parecer para nós, mas para o investidor estrangeiro as distinções são bem poucas, pelo menos em termos de investimento, por mais que os dois países estejam a 10,7 mil quilômetros de distância.

Brasil e Turquia, junto com outros países como África do Sul. México e Rússia, são empacotados dentro do chamado grupo dos emergentes, economias que não apresentam um nível de desenvolvimento alto, mas que tem potencial de crescimento elevado.

Por mais diferentes que possam ser, são vistos como mercados com potencial de alto retorno financeiro, mas cujos riscos são considerados bem elevados.

Quando olham para o mundo em busca de oportunidades, os investidores estrangeiros muitas vezes acabam olhando os emergentes como um bloco, e não como países individuais.

Então quando ocorre alguma coisa ruim em um, os outros acabam sentindo. E hoje devemos sentir as consequências de eventos que nada têm a ver conosco, mas justamente com a Turquia.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Problema turco

A lira turca recuou perto dos 17% ante o dólar na abertura do mercado local, reagindo à notícia de que o presidente do Banco Central foi removido pelo presidente do país, Recep Tayyip Erdogan. O ato foi comunicado no sábado (20) e ocorreu dois dias após uma alta dos juros no país acima do esperado por analistas.

O dólar operava próximo às 8,40 liras, e há um debate sobre a possibilidade de o movimento atingir outros mercados emergentes, incluindo o Brasil.

O economista-chefe do Instituto de Finanças Internacional (IIF, na sigla em inglês), Robin Brooks, afirmou que algo semelhante ocorreu em 2018, quando a Turquia "era vista como idiossincrática, mas tivemos muito contágio". Segundo ele, os sinais iniciais são semelhantes hoje.

Segundo ele, "o Brasil está sendo citado nos mercados como o mais vulnerável, já que o Banco Central também subiu (juros) esta semana".

Vendo o que aconteceu na Turquia, os estrangeiros temem que um movimento semelhante possa ocorrer por aqui, por mais que o presidente Jair Bolsonaro tenha sancionado, em fevereiro, uma lei garantindo a autonomia do BC, afastando a possibilidade de interferência política.

Atitudes de Bolsonaro como a interferência no comando da Petrobras não ajudam na percepção dos investidores internacionais.

A alta dos Treasuries dos Estados Unidos tem atuado como mais um fator para afastar investidores de ativos de maior risco, como a bolsa e países emergentes.

Motivação

O movimento na Turquia veio após um aumento de 200 pontos-base na mais recente decisão de política monetária do país, superior ao consenso de elevação em 1,00 ponto percentual (p.p.), e elevou as taxas de juros do país em 19%.

Erdogan destituiu o então presidente do Banco Central, Naci Agbal. Sahap Kavcioglu foi nomeado como o novo chefe da autoridade monetária local. Desde 2019, é a terceira vez que o titular do cargo é destituído por Erdogan.

Kavcioglu se apresenta nas redes sociais como deputado pelo Partido da Justiça de Desenvolvimento (AKP, na sigla em turco), o mesmo do presidente Erdogan. Além disso, mantém uma coluna de economia no jornal Yeni Safak.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária

COMPRA PROGRAMADA

‘Vale Gás’: Ultragaz cria cartão que permite ‘congelar’ o preço e parcelar a compra do gás de cozinha

O GLP é um dos derivados de petróleo afetado pela alta do dólar frente ao real e pela valorização da commodity no mercado internacional

SALTO COM FINANÇAS

Itaú (ITUB4) escala 53 posições em ranking e se torna único brasileiro entre 500 marcas globais mais valiosas; veja lista completa

Além de figurar entre as marcas mais valiosas, o Itaú conquistou uma posição na lista dos 250 principais CEOs ou “guardiões de marca”