Menu
2021-04-19T11:32:00-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Boletim Focus semanal

Mercado projeta alta da inflação e do dólar, com Selic no mesmo patamar

Além disso, as projeções para o PIB, déficit primário e balança comercial também foram revisadas

19 de abril de 2021
11:31 - atualizado às 11:32
Miniatura Homem de Negócios Moedas
Imagem: Shutterstock

Foi divulgado na manhã desta segunda-feira (19) o Boletim Focus semanal, que traz as expectativas do mercado para a economia brasileira. Confira os principais destaques da edição de hoje:

IPCA deve encerrar 2021 em 4,92%

Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA - o índice oficial de preços - em 2021. O relatório mostra que a mediana para o IPCA este ano foi de alta de 4,85% para 4,92%. Há um mês, estava em 4,71%.

A projeção para o índice em 2022 foi de 3,53% para 3,60%. Quatro semanas atrás, estava em 3,51%.

O relatório Focus trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2023, que seguiu em 3,25%. No caso de 2024, a expectativa permaneceu em 3,25%. Há quatro semanas, essas projeções eram de 3,25% para ambos os casos.

A projeção dos economistas para a inflação está acima do centro da meta de 2021, de 3,75%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%). A meta de 2022 é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (de 2,00% a 5,00%), enquanto o parâmetro para 2023 é de inflação de 3,25%, com margem de 1,5 ponto (de 1,75% a 4,75%).

O BC deixou de publicar, no documento do Focus, as projeções sobre o Top 5. Estes dados podem ser consultados no Sistema de Expectativas de Mercado.

Últimos 5 dias úteis

A projeção mediana para o IPCA de 2021 atualizada com base nos últimos 5 dias úteis passou de 4,92% para 4,98%, conforme o Relatório de Mercado Focus. Houve 52 respostas para esta projeção no período. Há um mês, o percentual calculado estava em 4,75%.

No caso de 2022, a projeção do IPCA dos últimos 5 dias úteis foi de 3,51% para 3,67%. Há um mês, estava em 3,50%. A atualização no Focus foi feita por 48 instituições.

Outros meses

Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o IPCA em abril de 2021, de alta de 0,45% para 0,40%. Um mês antes, o percentual projetado era de 0,45%.

Para maio, a projeção no Focus foi de alta de 0,29% para 0,31% e, para junho, passou de alta de 0,26% para 0,27%. Há um mês, os porcentuais indicavam elevações de 0,26% e 0,25%, nesta ordem.

A inflação suavizada para os próximos 12 meses seguiu em alta de 3,89% de uma semana para outra há um mês, estava em 4,17%.

Selic em 5,25% para 2021

Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2021. A mediana das previsões para a Selic neste ano seguiu em 5,25%. Há um mês, estava em 5,00%.

No caso de 2022, a projeção permaneceu em 6,00% ao ano, valor igual a um mês antes. Para 2023, seguiu em 6,50%, ante 6,00% de quatro semanas atrás. Para 2024, foi de 6,25% para 6,13%, ante 6,00% de um mês atrás.

Câmbio sobe para para R$ 5,40

A mediana das expectativas para o câmbio no fim de 2021 foi de R$ 5,37 para R$ 5,40, ante R$ 5,30 de um mês atrás.

Para 2022, a projeção para o câmbio passou de R$ 5,25 para R$ 5,26, ante R$ 5,25 de quatro pesquisas atrás. A projeção anual de câmbio publicada no Focus passou a ser calculada com base na média para a taxa no mês de dezembro, e não mais no valor projetado para o último dia útil de cada ano. A mudança foi anunciada em janeiro passado pelo Banco Central. Com isso, a autarquia espera trazer maior precisão para as projeções cambiais do mercado financeiro.

Projeção do PIB recua para 3,04%

A expectativa para a economia este ano passou de alta de 3,08% para elevação de 3,04%. Há quatro semanas, a estimativa era de 3,22%.

Para 2022, o mercado financeiro alterou a previsão do PIB de alta de 2,33% para 2,34%. Quatro semanas atrás, estava em 2,39%.

Já a projeção para a produção industrial de 2021 foi de crescimento de 5,39% para 5,06%. Há um mês, estava em elevação de 5,10%. No caso de 2022, a estimativa de incremento da produção industrial desacelerou de 2,49% para 2,15%, ante 2,48% de quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a expectativa para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2021 seguiu em 64,60%. Há um mês, estava em 64,69%. Para 2022, a estimativa foi de 66,40% para 66,20%, ante 66,00% de um mês atrás.

Déficit primário

Além disso, houve a manutenção da projeção para o resultado primário do governo em 2021. A relação entre o déficit primário e o PIB este ano seguiu em 3,05%

No caso de 2022, passou de 2,10% para 2,15%. Há um mês, os porcentuais estavam em 3,00% e 2,09%, respectivamente.

Já a relação entre déficit nominal e PIB em 2021 seguiu em 7,50%, conforme as projeções dos economistas do mercado financeiro. Para 2022, foi de 6,80% para 6,70%. Há quatro semanas, estas relações estavam em 7,10% e 6,75%, nesta ordem.

O resultado primário reflete o saldo entre receitas e despesas do governo, antes do pagamento dos juros da dívida pública. Já o resultado nominal reflete o saldo já após as despesas com juros.

Balança comercial

Os economistas do mercado financeiro alteraram a projeção para a balança comercial em 2021 na pesquisa Focus, de superávit comercial de US$ 55,30 bilhões para US$ 57,65 bilhões. Um mês atrás, a previsão era de US$ 55,00 bilhões.

Para 2022, a estimativa de superávit foi de US$ 54,00 bilhões para US$ 54,05 bilhões. Há um mês, estava em US$ 50,00 bilhões.

No caso da conta corrente do balanço de pagamentos, a previsão contida no Focus para 2021 seguiu com déficit de US$ 10,00 bilhões, ante US$ 11,50 bilhões de um mês antes.

Para 2022, a projeção de rombo passou de US$ 15,80 bilhões para US$ 20,60 bilhões. Um mês atrás, o rombo projetado era de US$ 19,70 bilhões.

Para os analistas consultados semanalmente pelo BC, o ingresso de Investimento Direto no País (IDP) será suficiente para cobrir o resultado deficitário nestes anos. A mediana das previsões para o IDP em 2021 seguiu em US$ 55,00 bilhões. Há um mês, estava no mesmo patamar. Para 2022, a expectativa foi de US$ 64,40 bilhões para US$ 65,00 bilhões, ante US$ 60,00 bilhões de um mês antes.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

cardápio dos balanços

Balanços de Copel, Braskem, Azul e outros mexem com o mercado nesta quinta; veja os destaques

Só no Ibovespa, foram ao menos cinco companhias que revelaram os resultados do primeiro trimestre entre esta quarta e quinta; desempenho mexe com os papéis das companhias

Exile on Wall Street

Investir de maneira inteligente ajuda (mas não garante) retorno

Quero voltar aqui rapidamente ao Day One de terça, quando o Felipe citou o Soros em sua melhor forma, o arquétipo do investidor autocrítico: “Toda posição tem uma ou mais vulnerabilidades.” “Se você acha sua exposição perfeita, cuidado; você apenas não entendeu direito.”  “Sempre existe algo escondido ali, alguma armadilha não percebida a priori. Suas chances de […]

Dentro do balanço

Mercado Livre adere ao bitcoin e coloca R$ 40 milhões da criptomoeda em caixa

O documento foi publicado na página da SEC, a CVM americana, porque a empresa de entregas é listada na Nasdaq

Briga na Casa

Tensão no Congresso: Senado busca reforma tributária ampla, mas Câmara quer fatiar

A divisão da proposta em quatro partes é defendida pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), com aval do ministro da Economia, Paulo Guedes, mas enfrenta resistências

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies