Menu
2021-06-09T09:54:39-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Alta nos preços

Inflação salgada: IPCA sobe 0,83% em maio e fica acima de todas as projeções do mercado

O IPCA, índice oficial da inflação no país, subiu 0,81% em maio e superou as expectativas do mercado, pressionado pela energia elétrica

9 de junho de 2021
9:54
Nota 100 Reais Rasgada Inflação IPCA
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O dragão inflacionário está despertando mais rápido que o esperado — e já começa a soltar fogo pela boca. Há pouco, o IBGE divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em maio, mostrando uma inflação mais forte que as previsões dos economistas.

O principal índice de evolução dos preços no país subiu 0,83% em maio em relação a abril, quando o aumento foi de 0,31%. O resultado superou até mesmo as estimativas mais pessimistas: segundo a Broadcast, o mercado trabalhava com um IPCA entre 0,65% e 0,76% no mês passado.

Com os dados de maio, a inflação acumulada em 12 meses já chega a 8,06%, bem acima da faixa perseguida pelo Banco Central para 2021, que vai de 2,25% a 5,25% — o centro da meta para o ano é de 3,75%.

E o que explica esse novo salto na inflação? Bem, todos os nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE tiveram alta em maio, mas um deles se destacou: o setor de habitação, cujos preços avançaram 1,78% — e, aqui, um fantasma bastante temido começa a dar as caras.

Inflação e energia elétrica

Dentro do segmento de habitação, chama a atenção o avanço expressivo de 5,37% dos preços da energia elétrica, em meio à implantação da bandeira tarifária vermelha — entre janeiro e abril, estava em vigor a bandeira amarela.

A pressão vinda do setor elétrico para os índices de inflação é apontada como um potencial fator de risco para a economia brasileira em 2021. Com a crise hídrica vista em diversos estados, já se projeta um encarecimento da conta de luz dos brasileiros ao longo do ano, uma vez que a matriz hidroelétrica pode ser insuficiente para garantir o abastecimento.

E, nesse cenário, o acionamento de usinas termoelétricas — que são mais caras — parece inevitável; há quem levante o alerta para um possível novo apagão, embora o governo federal seja enfático ao descartar essa possibilidade.

A energia elétrica, no entanto, não foi a única componente do setor de habitação cujos preços subiram em maio. Os serviços de água e esgoto ficaram mais caros, avançando 1,61% no mês; o gás de botijão (+1,24%) e o gás encanado (+4,58%) também aumentaram.

Outros grupos do IPCA

Veja abaixo como ficaram os demais grupos que compõem o IPCA em maio:

IPCA maio

IPCA e o Banco Central

Com a inflação ganhando força, o mercado agora volta os olhos ao Banco Central e às próximas decisões da taxa Selic, atualmente em 3,5% ao ano. Em linhas gerais, o aumento dos juros é a ferramenta clássica para conter o avanço dos preços.

Por mais que a autoridade monetária já tenha sinalizado que vem por aí mais um aumento de 0,75 ponto na reunião dos dias 15 e 16 de junho, imaginava-se no passado que, a partir do segundo semestre, o ritmo das elevações na Selic seria diminuído.

No entanto, com a inflação acelerando e a perspectiva de pressão vinda do setor elétrico, as sinalizações do BC na semana que vem ganham importância: será que a Selic continuará subindo na mesma intensidade no curto prazo?

Na dúvida, o mercado já promove ajustes nas curvas de juros futuros, especialmente nas de vencimento mais curto, que sobem com intensidade relativamente alta nesta manhã:

  • Janeiro/22: de 5,12% para 5,17%;
  • Janeiro/23: de 6,70% para 6,77%;
  • Janeiro/24: de 7,36% para 7,42%;
  • Janeiro/25: de 7,76% para 7,78%.
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

O melhor do Seu Dinheiro

A rima das commodities, último capítulo da novela da MP da Eletrobras e outros destaques

A história não se repete, mas rima. Se Mark Twain fosse um analista do mercado financeiro, provavelmente seria um grande especialista em ciclos econômicos. Logo no começo da crise da covid-19, quem ousasse falar em investir em commodities ou ações de empresas produtoras de matérias-primas seria taxado de louco. As cotações de todas elas — […]

SINAIS DO BC

COMPARATIVO: Veja o que mudou na ata da reunião do Copom

Veja o que mudou e o que permanece igual na ata da última reunião do Copom — o BC elevou a Selic em 0,75 ponto percentual, para 4,25% ao ano

Outro escorregão

Bitcoin perde os US$ 30 mil, menor patamar desde janeiro; Confira como anda o mercado cripto

Isso motivou a queda das dez principais criptomoedas do mercado, em especial do Dogecoin, que cai quase 25%

Percepção positiva

Abegás defende contratar térmicas e diz que MP da Eletrobras é ‘alavanca’ para mercado de gás

A associação afirma que a MP irá contribuir para geração de renda, com distribuição de royalties e fundo de participação, impulsionando a economia e gerando empregos

Cabo de guerra

Cresce movimento contrário à divisão da Oi Móvel entre Vivo, TIM e Claro

Empresas concorrentes e associações reforçam tese de que o mercado e a infraestrutura de serviços de telecomunicações ficarão com alta concentração

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies