Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-23T19:43:53-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Bom humor global ajuda e Ibovespa recupera os 114 mil pontos após nova Selic; dólar sobe a R$ 5,30

Na ressaca da Super quarta, os investidores seguiram atentos aos desdobramentos dos problemas financeiros da Evergrande; Ibovespa acompanhou NY

23 de setembro de 2021
17:21 - atualizado às 19:43
Gráfico de alta
Imagem: Shutterstock

Os monstros que assombravam o mercado financeiro no começo da semana foram ficando mais dóceis e domesticados com o passar dos dias. E isso graças à atuação dos bancos centrais ao redor do mundo.

O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) segue injetando bilhões de dólares na economia para minimizar os impactos negativos da crise enfrentada pela incorporadora Evergrande, afastando o receio de que as coisas possam espelhar a crise de 2008. No Brasil, o BC divulgou ontem a elevação da taxa Selic para 6,25% ao ano.

Já o Federal Reserve, o banco central americano, finalmente deixou mais claro para os investidores quando a retirada dos estímulos irá começar, ainda que dados mais fracos da economia tenham balançado os mercados por alguns instantes.

O Ibovespa seguiu renovando máximas ao longo de todo o dia, e nem mesmo a ocupação da B3 por movimentos sociais que protestam contra o governo minou o apetite por risco dos investidores, que devem voltar enfrentar uma sexta-feira de agenda cheia.

O principal índice da bolsa fechou o dia em alta de 1,59%, aos 114.064 pontos. Em Nova York, o dia também foi positivo, com Nasdaq, S&P 500 e Dow Jones fechando o dia com ganhos acima de 1%.

Se na bolsa o dia foi de otimismo generalizado, o câmbio e o mercado de juros repercutiram a proximidade da retirada dos estímulos nos EUA e o cenário fiscal brasileiro com mais força. O dólar à vista teve dia de grande volatilidade, mas encerrou a sessão em leve alta de 0,10%, a R$ 5,3096.

O mercado de juros local passou por ajustes após o Copom de ontem indicar que a Selic pode chegar a 8,50% já em 2022. No exterior, os investidores repercutiram as projeções dos dirigentes do Fed de que o aumento de juros seja retomado já no próximo ano. Confira as taxas de fechamento dos principais vencimentos:

  • Janeiro de 2022: de 7,13% para 7,10%.
  • Janeiro de 2023: de 8,82% para 8,93%
  • Janeiro de 2025: de 9,78% para 9,98%
  • Janeiro de 2027: de 10,16% para 10,38%

Ecos da véspera

Ontem, o Banco Central brasileiro confirmou as expectativas do mercado e decidiu elevar a taxa básica de juros em 1,00 ponto percentual, a 6,25% ao ano. O comunicado já indicou também uma elevação de mesma magnitude no próximo encontro e que, no cenário-base, a Selic deve terminar o ano em 8,25%, chegando a 8,50% em 2022.

Já nos Estados Unidos, o Federal Reserve optou pela manutenção da taxa básica de juros na faixa dos 0% a 0,25% ao ano, mas indicou que a redução do programa de recompra de títulos pode começar em breve. Jerome Powell, presidente do Fed, chegou a falar sobre novidades já na próxima reunião. 

E pode ser que os indicadores de curtíssimo prazo, como os números de pedidos de auxílio-desemprego divulgados hoje, não façam muita diferença. Segundo o comandante do Fed, um relatório de emprego (payroll) que mostre uma recuperação mediana já é suficiente para que a instituição siga com os seus planos. 

Novos dados da economia americana adicionaram alguma incerteza nesta manhã, ao mostrarem números mais fracos do que o esperado. 

Os novos pedidos de auxílio-desemprego tiveram alta de 16 mil solicitações na semana passada e o índice de atividade nacional do Fed de Chicago foi de 0,75 em julho para 0,29 em agosto. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) também veio abaixo do esperado pelos analistas. Enquanto o índice industrial recuou a 60,5, o do setor de serviços foi a 54,4.

Nervos de aço

Embora o temor de uma reação em cadeia devido ao possível calote de dívidas da incorporadora chinesa Evergrande tenha sido minimizado, os investidores seguem monitorando o caso. Há relatos de que os governos locais já foram orientados a se preparar para a falência da companhia.

Para tranquilizar os investidores, o Banco Central chinês (PBoC) continua injetando dinheiro no sistema financeiro como forma de garantir liquidez e atenuar as preocupações com as dificuldades enfrentadas pela Evergrande. Nesta madrugada, foram US$ 18,6 bilhões, mesmo volume injetado no dia anterior. 

Com a notícia de que uma subsidiária da companhia deve honrar o pagamento dos juros das dívidas, as ações da Evergrande saltaram mais de 30% em Hong Kong.

Sobe e desce do Ibovespa

O noticiário corporativo movimentou os negócios hoje. Indo cada vez mais longe com a sua subsidiária de mobilidade urbana, Eve, a Embraer liderou as altas do dia ao avançar mais de 12% após anunciar um novo acordo de parceria com a Bristow para desenvolver mais de 100 eVTOLS, o veículo elétrico voador que é a sua aposta sustentável para o futuro.

A Ultrapar foi outro destaque. Na noite de ontem, a companhia anunciou mudanças em sua diretoria e no comando de sua principal subsidiária, a rede de postos Ipiranga. 

Na sequência, Usiminas e Gerdau seguiram o movimento de recuperação após uma leitura mais positiva sobre os possíveis impactos do ‘caso Evergrande’ na economia, o que também levou a uma recuperação de 16% do minério de ferro na madrugada de ontem. Hoje, devido a um feriado, não tivemos negociações na China. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVAR
EMBR3Embraer ONR$ 23,8912,16%
UGPA3Ultrapar ONR$ 16,009,51%
USIM5Usiminas PNAR$ 16,659,25%
CVCB3CVC ONR$ 23,516,91%
GGBR4Gerdau PNR$ 27,005,63%

Com a elevação da taxa de juros, as empresas do setor imobiliário tendem a enfrentar uma desaceleração. Por isso, as construtoras lideraram as maiores quedas do dia. 

No caso da Cyrela (CYRE3), também tivemos um relatório do Credit Suisse rebaixando os papéis, o que adicionou pressão negativa aos negócios. Confira as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVAR
EZTC3EZTEC ONR$ 25,10-5,18%
CYRE3Cyrela ONR$ 19,43-4,33%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 15,87-2,88%
MRVE3MRV ONR$ 13,53-2,66%
AMER3Americanas S.AR$ 35,50-2,63%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Clube do livro

Um passeio entre chás, sementes e cerveja: como “Uma Senhora Toma Chá…” conta a história da estatística moderna de maneira descomplicada

O livro de David Salsburg te convida a conhecer o pouco mais de um dos campos mais necessários para o melhor entendimento do mundo das finanças, e claro, da ciência

A bolsa como ela é

Onde as fake techs não têm vez: mercado não tem mais espaço para empresa que não gera valor de verdade

Com alta dos juros, quem não gerar caixa suficiente para remunerar o investidor em 16% ao ano está, em bom português, no sal

Ora, pois

Bradesco deve abrir base em Portugal para ‘seguir’ milionários brasileiros

Movimento de migração de famílias clientes do segmento private do banco após a pandemia levou à retomada dos estudos para entrar no mercado lusitano

De volta aos dois dígitos

Mercado já vê juros de até 11% em 2022

Drible no teto de gastos gerou movimento generalizado nas instituições financeiras para revisar para cima suas projeções para a taxa de juros

Óleo e gás

3R Petroleum (RRRP3) certifica reservas provadas de 185,1 milhões de barris

Companhia divulgou resultado da certificação de reservas do Campo de Papa-Terra, na Bacia de Campos, cuja participação foi adquirida da Petrobras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies