Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-01T19:11:41-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
RECEITAS EM ALTA

Acredite se quiser! Governo pode ter primeiro superávit primário desde 2013 ainda neste ano

A notícia surpreende num momento em que um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente o descontrole das contas públicas

1 de dezembro de 2021
18:23 - atualizado às 19:11
Moeda de 1 real colocada sobre uma pilha de moedas de 50 reais
Imagem: Shutterstock

Com uma ajudinha dos impostos, dividendos e dos governos locais, as contas públicas brasileiras podem estar prestes a registrar seu primeiro superávit primário em oito anos. É o que prevê o JP Morgan, que atualizou as projeções para 2021.

O resultado primário do governo é fruto das receitas com arrecadação de impostos e outras, como os dividendos pagos pelas estatais, menos as despesas, e não considera os gastos com o pagamento dos juros da dívida. 

A notícia surpreende porque neste momento um dos maiores temores do mercado financeiro é justamente um descontrole das contas públicas. A preocupação surgiu após o governo enviar ao Congresso a PEC dos precatórios, que modifica o cálculo do teto de gastos de modo a permitir o pagamento de despesas como o Auxílio Brasil de R$ 400, o substituto do programa Bolsa Família.

Na linha de receitas, os analistas do JP Morgan revisaram o cenário para o país e acrescentaram uma estimativa mais generosa para o valor dos dividendos que devem ser pagos à União ainda neste ano.

A mudança no cálculo foi necessária após o BNDES reportar fortes resultados no terceiro trimestre, acompanhados pelo anúncio de R$ 8,6 bilhões em proventos para o Tesouro Nacional.

O JP Morgan considerou também a revisão bimestral de receitas e despesas feita pelo próprio Tesouro. O órgão aumentou em R$ 17,8 bilhões os dividendos projetados para este ano.

“Junto com o sólido superávit dos governos regionais e estaduais, os dividendos devem levar o saldo primário consolidado do governo a um ligeiro superávit de 0,1% do PIB neste ano, o primeiro desde 2013”, escrevem os analistas no relatório divulgado na terça-feira (30).

Vale destacar que a projeção do JP Morgan para o resultado das contas públicas em 2021 está longe de ser consenso. De acordo com o último boletim Focus do Banco Central, o mercado projeta um déficit primário de 0,70% do PIB para o país neste ano.

Impostos em alta

O montante maior com dividendos é uma grata surpresa, mas, para os governos, as maiores fontes de receita são os impostos federais, estaduais e municipais. E, no Brasil, a primeira esfera é quem mais tem engordado o caixa com tributos neste ano.

Em outubro, o setor público registrou um superávit primário consolidado de R$ 35,4 bilhões, de acordo com o Banco Central.

Estados e municípios contribuíram com R$ 6,6 bilhões para o resultado, enquanto o governo central somou R$ 29 bilhões ao superávit.

Despesas estáveis

Com as receitas devidamente justificadas pelos dividendos e impostos, resta analisar as despesas para entender de onde vem o superávit.

O JP Morgan esclarece que o enfraquecimento do real, que já se desvalorizou 9,29% neste ano, provocou a perda de R$ 12,9 bilhões das contas públicas com swaps cambiais no mês passado.

Com o resultado melhor que o esperado das contas do governo, a dívida bruta do governo ficou estável em 82,9% do PIB e deve encerrar o ano em 82,1% do PIB, pelas projeções do JP Morgan.

Embora alto, o percentual é muito menor que os 100% do PIB estimados pelos analistas no início da pandemia da covid-19, quando o governo ampliou fortemente os gastos públicos para conter os efeitos da crise na economia.

PEC dos precatórios impacta anos seguintes

Além das projeções para 2021, o JP Morgan também comenta suas estimativas para os próximos dois anos. E elas já incluem algumas das alterações propostas pela PEC dos Precatórios.

“Em 2022 e 2023, adicionamos R$ 6,8 bilhões e R$ 5,1 bilhões, respectivamente, às despesas, conforme o acordo para para limitar o pagamento de ordens judiciais e recalcular o teto de gastos”, cita o documento.

Os analistas destacam, porém, que, apesar de já ter sido aprovado na Câmara, o texto ainda deve voltar à Casa antes de entrar em vigor, o que pode alterar novamente as projeções.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PRECAUÇÃO EXTRA

Cautela demais atrapalha os negócios? Não para o Bradesco (BBDC4): banco cria nova vice-presidência focada na gestão de riscos

A nova vertical abrangerá as áreas de compliance, conduta, ética e demais setores ligados à gestão de ameaças corporativas

FECHAMENTO DOS MERCADOS

Ibovespa ignora tensão pré-Fed e sobe mais de 2%, fechando no melhor nível desde outubro; dólar volta aos R$ 5,43

O dia tinha tudo para ser como ontem, mas o Ibovespa encontrou forças para voltar aos 110 mil pontos e recuperar as perdas da semana

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) sobe forte e apaga parte da queda brusca na semana; veja como operam as principais criptomoedas do mercado

Como outros ativos do risco, a moeda digital também foi afetada pelas tensões entre entre Ucrânia e Rússia nos últimos dias, mas encontrou fôlego para avançar hoje

INTERRUPÇÃO TEMPORÁRIA

Banco Central suspende sistema para consulta de dinheiro ‘esquecido’ em bancos; veja o que está por trás do bloqueio

O BC precisou interromper o funcionamento do sistema lançado ontem após enfrentar instabilidades geradas pelo grande volume de acessos

NOVA DEBANDADA?

Mais um técnico da área de Orçamento da Economia deixa cargo e expõe novo desgaste na equipe de Paulo Guedes

O movimento de saída é comum no último ano de governo, mas agora tem ocorrido mais cedo, ainda no primeiro mês de 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies