A AÇÃO QUE ESTÁ REVOLUCIONANDO A INFRAESTRUTURA DO BRASIL E PODE SUBIR 50%. BAIXE UM MATERIAL GRATUITO

2021-01-21T18:23:28-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
eu vejo uma alta

Sem forward guidance, pergunta agora é: quando a Selic vai subir?

Aceleração da inflação e riscos do lado fiscal levam analistas a estimarem que primeira alta virá antes que o esperado

21 de janeiro de 2021
15:34 - atualizado às 18:23
Teste de Rorschach
Imagem: Shuttertstock

Com o fim do forward guidance, a pergunta que está na cabeça de todos no mercado é quando que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) vai começar a elevar os juros.

A resposta para esta pergunta varia de economista para economista. Como um Teste de Rorschach, aquele em que psicólogos e psicanalistas mostram uma série de borrões e pedem para que a gente diga o que vê, cada um lê de uma certa forma o comunicado que é divulgado após as reuniões.

Mas, depois do encontro de ontem, parece estar se criando um consenso entre aqueles que acompanham cada movimento da autoridade monetária de que a elevação da Selic pode vir mais cedo que o esperado.

Como chegamos até aqui?

Toda reunião do Copom traz consigo uma série de especulações a respeito da taxa básica de juros. Mas o encontro de ontem, o primeiro de 2021, era particularmente aguardado, dadas as circunstâncias especiais que estamos vivendo.

Num país acostumado a viver com juros na casa de dois dígitos, é até estranho (não estou reclamando, só para deixar claro) ver a Selic em 2% ao ano, o menor patamar que ela já atingiu, estabelecido em agosto.

Mais do que isso, o BC importou para o Brasil o tal do forward guidance, mecanismo em que a autoridade monetária indica que manterá a política acomodatícia por um determinado período.

Em épocas normais, os bancos centrais não fazem isso, não se comprometem com decisões por tanto tempo. Só que a situação da economia, duramente afetada pela crise de covid-19, fez com que os diretores do Copom entendessem ser necessário sinalizar que os juros ficariam muito baixos por um longo período, como uma forma de ajudar na retomada das atividades.

O que a reunião de ontem trouxe?

Ontem, o Copom deu o primeiro passou para reverter a política monetária altamente acomodatícia que praticou até o momento, ainda que não completamente.

Apesar de ter mantido a Selic em 2% ao ano, o colegiado decidiu deixar de utilizar o forward guidance, algo que ele já tinha sinalizado em 15 de dezembro.

Na decisão, o Copom alegou que as expectativas de inflação e as projeções de seu cenário básico estão "suficientemente próximas da meta para o horizonte relevante de política monetária".

E informou que a retirada do instrumento não implica mecanicamente uma elevação da taxa de juros. Para o Comitê, a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo "extraordinariamente elevado frente às incertezas quanto à evolução da atividade".

E agora?

Apesar de ressaltar que a alta dos juros não será automática, os economistas são unânimes em dizer que a Selic subirá em 2021. A mais recente edição do Relatório Focus aponta que a taxa fechará o ano em 3,25% – há quatro semanas a mediana apontava para 3% ao ano.

Então, fica a dúvida: quando essa alta começará?

Bom, depois do encontro de ontem, muitos economistas passaram a acreditar que o primeiro reajuste ocorrerá ainda no primeiro semestre, por conta de surpresas negativas vindas pelo lado da inflação.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o indicador oficial de inflação do Brasil, fechou 2020 com a maior taxa acumulada desde 2016, e os mais recentes indicadores apontam para uma continuidade de alta dos preços, pressionados pela valorização das commodities no mercado internacional, o crescimento das expectativas de inflação e a volatilidade do real, provocada pelas incertezas vindas da política.

“Para o Copom, o recente choque inflacionário ainda deve ser transitório, mas ele está mais persistente que o imaginado, e continua exigindo monitoramento intenso, particularmente os itens do núcleo da inflação”, diz trecho do relatório do Goldman Sachs, assinado por Alberto Ramos, diretor de pesquisa econômica para América Latina do banco.

Ele espera que a primeira alta venha entre maio e junho, ao invés de agosto, como esperava anteriormente, e que a Selic feche 2021 em 3,5% ao ano, acima da mediana de projeções do mercado.

Rafaela Vitória, economista-chefe do Banco Inter, é mais taxativa, projetando que a alta começará em maio, e não mais em junho. Para ela, o fim do forward guidance depois de seis meses de sua introdução, e a inflação próxima ao centro da meta, significam que o cenário não exige mais uma taxa de juros baixa por um prazo tão prolongado. Ela destacou ainda que o risco fiscal segue criando uma assimetria de riscos para o cenário de inflação.

“Com a evolução do cenário de recuperação econômica mais consolidada a partir do segundo semestre, após a ampliação da vacinação no Brasil, o Copom pode iniciar o processo de elevação da Selic a partir de maio e estimamos que a taxa deva terminar o ano em 3,5%”, diz trecho do relatório dela.

Já para o BTG Pactual, como as projeções do BC para inflação permanecem abaixo do centro da meta, não parece que o Copom está sinalizando o início do ciclo de normalização “em breve”. “Em outras palavras, com base no tempo que levou para o forward guidance ser retirado, nenhuma ação é esperada para a próxima reunião”, diz trecho do relatório assinado por Claudio Ferraz, Lilian Ferro e Bruno Balassiano.

Contudo, eles reconhecem que a inflação demonstra sinais de aceleração neste começo de ano, aumentando as chances de que a Selic será elevada “antes de agosto”, sem se comprometerem em informar em qual reunião isto começará.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) sente pressão do Fed e recua na semana, enquanto ethereum (ETH) sustenta alta impulsionada pela “The Merge”; entenda

18 de agosto de 2022 - 20:25

O ethereum (ETH) vence a letargia do mercado hoje ainda impulsionado pela The Merge, atualização que, segundo analista, foi enfim “descoberta” pelo mercado

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro aparece no retrovisor de Lula, mas petista ainda pode levar no primeiro turno, segundo Datafolha

18 de agosto de 2022 - 20:00

Essa é a primeira pesquisa de intenção de voto divulgada após o início oficial da campanha presidencial, que começou há dois dias

REBATEU FAKE NEWS

“Estou meio acostumada a tomar paulada”: Luiza Trajano fala sobre política, empreendedorismo e os desafios do Magalu (MGLU3)

18 de agosto de 2022 - 19:13

A empresária rebateu alguns dos principais boatos que envolvem o seu nome e comentou as perspectivas do varejo no TAG Summit 2022

MAIS UM PASSO

Unindo os jalecos: acionistas do Fleury (FLRY3) e Hermes Pardini (PARD3) aprovam a fusão entre as companhias

18 de agosto de 2022 - 19:12

Os acionistas de Fleury (FLRY3) e Hermes Pardini (PARD3) deram aval para a junção dos negócios das companhias; veja os detalhes

o melhor do seu dinheiro

Ibovespa faz o dever de casa, o futuro das petroleiras e quem vai ficar com Congonhas; confira os destaques do dia

18 de agosto de 2022 - 18:40

Passado o grande evento da semana — a divulgação de ontem (17) da ata da última reunião do Federal Reserve — os investidores tiveram pouco com o que trabalhar nesta quinta-feira (18), levando as bolsas globais a mais um dia de muita volatilidade.  A cautela inicial em Nova York e a subida dos juros futuros […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies