2021-10-19T14:48:19-03:00
Às vésperas do Copom

Fiscal é assunto do dia, mas Banco Central não se move no ritmo do mercado, reforça diretor; dirigentes se reúnem na próxima semana para debater nova alta nos juros

Para Kanczuk, a possibilidade de mudanças no regime fiscal já é considerada pelo BC em cenários alternativos desde o ano passado

19 de outubro de 2021
14:46 - atualizado às 14:48
Fachada da sede do Banco Central do Brasil, em Brasília - Imagem: Shutterstock

Com o lançamento do Auxílio Brasil marcado para a tarde desta terça-feira (19), o diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, reconheceu que a questão fiscal é o assunto do dia, mas reforçou que o BC não se move na velocidade do mercado.

"O BC tem o seu ritmo, vai avaliar todas as informações e aí avaliar os impactos do fiscal sobre a dinâmica de inflação. O fiscal é sempre um componente exógeno. Não devemos seguir tudo que o mercado e diz e precisamos ter a nossa própria opinião", afirmou, em participação no JP Morgan Investor Seminar.

A partir da próxima quarta-feira (20) a diretoria colegiada do órgão entra em período de silêncio prévio à reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) da próxima semana.

Prêmio de risco

Para Kanczuk, a possibilidade de mudanças no regime fiscal já é considerada pelo BC em cenários alternativos desde o ano passado, que incluem a alta do prêmio de risco. Em caso extremo, a política monetária precisa se adaptar para lidar com prêmios de risco maiores.

Como mostrou o Broadcast na segunda-feira (18) o Auxílio Brasil deverá pagar em média R$ 400 em 2022, ano em que o presidente Jair Bolsonaro buscará a reeleição. Parte desse valor, estimado em R$ 30 bilhões, seria contabilizado fora do teto de gastos, em uma vitória da ala política do governo sobre a equipe econômica.

Aumento no ritmo da alta de juros?

O diretor do BC repetiu que, na última reunião do Copom, os dirigentes debateram se manteria no ritmo de aumento de 1 ponto porcentual Selic ou se o aumentaria para 1,25 ponto. O colegiado chegou à conclusão que manter o ritmo seria suficiente para entregar o centro da meta de inflação em 2022.

Segundo ele, a discussão fiscal para reunião da próxima semana deve ser semelhante. "Se eu acredito que a questão fiscal ficará pior, aumentamos o ritmo ou o tamanho do ciclo? O nosso procedimento foi olhar para a inflação em 2022, embora o horizonte relevante considere parte de 2023", reforçou Kanczuk.

Inércia inflacionária

Fabio Kanczuk repetiu também que o BC vê muito pouca inércia inflacionária para 2022. Ainda assim, ele reconheceu que a inflação de serviços vai subir no próximo ano, rodando acima da alta geral dos preços.

"Há um hiato, mas escolas e serviços têm que colocar custos em novos preços. Mas a parte de alimentos deve abaixar de preço. O difícil é calcular os preços de bens industriais, onde temos cometido erros sistemáticos", admitiu. "Inflação de bens está alta nos Estados Unidos, e há questão se é problema de oferta ou demanda. Na nossa visão, parece um problema de oferta. Em algum momento, os preços de bens industriais vão cair muito e rápido", argumentou Kanczuk.

Para ele, se essa reversão de preços demorar a ocorrer em 2022, a inflação do próximo ano continuará muito alta. "É possível alcançar números muito mais baixos de inflação, a questão é quando. Por isso, encarando esse problema, o BC decidiu elevar os juros para colocar a inflação na meta ainda em 2022. Se eu não entregar 2022 corretamente, não vou entregar 2023", repetiu. "Não é um dilema entre 2022 e 2023, mas foco em 2022", acrescentou.

Tempo de convergência

O diretor de Política Econômica do Banco Central também reconheceu que o BC precisará analisar o tempo para convergência da inflação para a meta ainda em 2022, assim como deve continuar a necessidade de elevar o ritmo do ciclo de aperto monetária.

"Pode-se argumentar que, se aumentarmos muito os juros agora, a inflação vai para baixo em 2022 e 2023 e, em algum momento, a inflação de 2023 virá para baixo da meta. É uma avaliação válida, pode haver esse dilema, mas isso não é consistente com a maioria das projeções do mercado", respondeu.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

OFERTA ADIADA

Por que Petrobras (PETR4) e Novonor decidiram suspender a venda bilionária de participação na Braskem (BRKM5)

As duas empresas adiaram a oferta que poderia movimentar mais de R$ 8 bilhões com a venda de até 154,9 milhões de ações da petroquímica

FIM DA SUSPENSÃO

Volta do sistema do Banco Central para consulta de dinheiro ‘esquecido’ em bancos já tem data marcada; veja quando o SVR estará novamente no ar

Quem tiver valores a receber também será informado sobre a data em que poderá solicitar a transferência dos recursos para sua conta

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa resiste em alta, as ofertas de ações da Arezzo e da Equatorial e uma pedra no sapato dos FIIs: veja as principais notícias desta quinta

Após o discurso duro do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na tarde de ontem, o que desencadeou uma forte queda nas bolsas americanas, hoje foi dia de ajuste nas bolsas globais. O Ibovespa começou o dia novamente com uma alta substancial, ainda movido pela entrada de recursos estrangeiros na bolsa brasileira, aproveitando-se dos descontos […]

OLÉ!

Apple dribla crise de chips e justifica protagonismo entre big techs com trimestre histórico; confira desempenho da maçã e a reação do mercado

Os últimos três meses do ano são de extrema importância para a empresa, pois fornece a Wall Street uma visão de como seus produtos podem se comportar no ano seguinte

Fechamento Hoje

Em dia de ajuste pós-Fed, Ibovespa fecha em alta de mais de 1% e testa os 113 mil pontos; dólar cai

Piora em NY chegou a desacelerar as altas na bolsa brasileira, que conseguiu se recuperar na reta final do pregão