Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-05T20:23:46-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

Ufa! Ibovespa avança quase 5% em semana de alta volatilidade, mas dólar vai a R$ 5,68

A PEC emergencial e a disparada dos títulos públicos norte-americanos monopolizaram o noticiário, pressionando o câmbio e a bolsa

5 de março de 2021
19:23 - atualizado às 20:23
Montanha-russa
Imagem: Shutterstock

Pode respirar aliviado! A semana, que foi marcada por um intenso movimento de altos e baixos e reviravoltas, finalmente chegou ao fim. 

A volatilidade reinou, mas, no final, o saldo foi positivo. Com a aprovação da PEC emergencial encaminhada e a leitura de que o cenário fiscal no país não deve se deteriorar de forma irreversível, os investidores recuperaram o fôlego e foram às compras. 

A alta do retorno dos títulos públicos americanos, que vem tirando dinheiro estrangeiro dos mercados emergentes, deu uma trégua hoje, o que permitiu às bolsas internacionais e brasileira uma tarde de ganhos expressivos. O principal índice da B3 fechou o dia em alta de 2,23%, aos 115.202 pontos.  Na semana, o ganho foi de 4,70%. 

O mercado de juros foi outro que teve um dia de alívio. Ainda repercutindo a aprovação da PEC e acompanhando o movimento do mercado de juros nos Estados Unidos, o dia foi de queda, após semanas sob intensa pressão. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/2022: de 3,83% para 3,82%
  • Janeiro/2023: de 5,53% para 5,44%
  • Janeiro/2025: de 7,15% para 7,00%
  • Janeiro/2027: de 7,83% para 7,64%

O câmbio, no entanto, conta uma outra história. A pressão da preocupação com a taxa inflacionária nos Estados Unidos falou mais alto. Na semana, a moeda americana avançou 1,39%, mesmo com diversas atuações do Banco Central para tentar conter a moeda. Hoje, mesmo em um dia extremamente positivo para a bolsa, o dólar à vista terminou em alta de 0,45%, a R$ 5,6835.

Soltando o fôlego

A aprovação da PEC emergencial nos dois turnos no Senado foi o fator que mais trouxe alívio aos negócios nesta semana. A pauta vinha sendo arrastada desde o início do ano e era a raiz das incertezas que pesavam sobre o mercado financeiro. 

Com a piora da situação da pandemia no país, uma nova variante ainda mais contagiosa e a adoção de medidas de lockdown em quase todos os estados, a liberação de uma nova rodada de pagamento do auxílio emergencial se tornou uma necessidade cada vez mais urgente para contornar os impactos do vírus na nossa já fraca economia. 

A economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, ressalta que o texto não tem contrapartidas fiscais que “de fato irão resolver a situação, mas traz alguma segurança na promoção” dos novos pagamentos, o que aliviou o mercado financeiro e permitiu que a semana fosse positiva. 

O texto final aprovado retirou os trechos que causaram polêmica na semana passada - o principal deles sendo o dispositivo que desobrigaria os entes da federação de cumprir um teto mínimo de recursos investidos em saúde e educação -, mas trouxe alguns gatilhos para impedir o governo de dar um passo maior que a perna e comprometer ainda mais as contas públicas, principalmente em um momento que o Executivo flerta com medidas populistas para melhorar a sua imagem. 

A PEC estabelece um limite de até R$ 44 bilhões acima do teto de gastos para o pagamento do benefício e também acabou deixando as despesas do Bolsa Família dentro do teto, outro ponto que vinha trazendo insegurança fiscal ao país.  

Agora o texto precisa ser aprovado na Câmara. A estimativa do presidente da casa, Arthur Lira, é que isso ocorra já na próxima quarta-feira (10). Regis Chinchila, analista da Terra Investimentos, ressalta que para a próxima semana a atenção dos investidores deve ficar com o avanço da pandemia e maiores restrições, a taxa de juros nos EUA, liberação do pacote Biden, inflação no Brasil e a expectativa para reunião do Copom, que deve trazer um aumento da taxa Selic.

Ancorando os ganhos

Se o Ibovespa não conseguiu alçar voos mais altos foi porque a apreensão com a taxa de juros americana acabou roubando parte do brilho e manteve o câmbio pressionado. 

Assim como tem sido frequente nas últimas semanas, o rendimento dos títulos do Tesouro americano continuaram subindo e sendo gatilho para uma migração de recursos para esses ativos considerados mais seguros que a renda variável. 

Vamos relembrar: isso ocorre porque o mercado passou a precificar que os estímulos fiscais e monetários abundantes devem resultar em um superaquecimento da economia americana, pressionando a inflação, o que obrigaria o Federal Reserve a mexer nos juros antes do esperado - o que não agrada Wall Street. 

Nesta semana, alguns dados voltaram a pressionar essa leitura e declarações recentes do presidente do Fed, Jerome Powell, azedou ainda mais o humor dos investidores. Ontem, em entrevista ao The Wall Street Journal, o comandante do Fed disse que a alta do rendimento dos títulos americanos chamam "notavelmente" a atenção, mas que o movimento reflete apenas uma melhora da perspectiva para a economia americana. 

O presidente garantiu que, embora a inflação deva de fato sofrer uma pressão no curto prazo, o índice não deve sair da meta perseguida de 2% ao ano. Chamou atenção a fala de Powell onde ele frisou ter consciência dos efeitos de uma possível disparada dos índices e disse que o Federal Reserve não deixará que isso ocorra. Em seguida, reforçou o discurso de que as políticas monetárias da instituição devem seguir firmes até que a economia americana esteja de fato recuperada.  

A fala de Powell aumentou a leitura de que, caso necessário, o Federal Reserve pode sim voltar a elevar os juros antes do esperado. Por isso os números do relatório de emprego, payroll, divulgado nesta manhã provocaram um período de incertezas. 

Segundo os dados divulgados, a maior economia do mundo criou 379 mil novas vagas em fevereiro, acima da expectativa do mercado, que era de 200 mil. O radar de superaquecimento da economia voltou a apitar. Foi preciso a declaração de diversos dirigentes do Fed, afirmando que o país ainda se encontra longe de atingir a meta do pleno emprego, para acalmar o mercado. O presidente americano Joe Biden também comentou os números, afirmando que o pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão se faz mais necessário do que nunca. 

Antes das bolsas americanas fecharem em alta firme - o S&P 500 avançou 1,95%, o Dow Jones teve alta de 1,85% e o Nasdaq, índice que mais tem sofrido com o avanço dos Treasuries avançou 1,55% - o dia foi de intensa volatilidade e muitos altos e baixos, acompanhando o movimento do mercado de juros, que no fim teve um dia de estabilidade. 

Ficou esquecido 

No meio do turbilhão de notícias e dados que movimentaram a semana, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre de 2020 ficou quase esquecido, ainda que tenha vindo melhor do que o esperado pelo mercado. 

O PIB de 2020 confirmou uma retração anual de 4,1%. No terceiro para o quarto trimestre a elevação foi de 3,2%. Confira aqui cinco pontos que você precisa entender sobre o número de hoje.

Sobe e desce

Os papéis da Cogna ficaram com a maior alta do dia, com os investidores repercutindo a aquisição recente da Sociedade Educacional da Lagoa (SEL), que, segundo os analistas, pode pode acelerar a digitalização da companhia. Marcio Lórega, analista técnico da Ativa Investimentos, indica que o dia foi marcado por um forte fluxo comprador estrangeiro para COGN3, com destaque para operações feitas pelo JPMorgan, UBS e Morgan Stanley.

 A Natura também foi um dos destaques do dia após a divulgação do resultado do quarto trimestre de 2020. A companhia reverteu o prejuízo do ano anterior e registrou um lucro de R$ 175,7 milhões no período. 

Acompanhando a alta do petróleo no mercado internacional - que foi impulsionado pela decisão da Opep+ em manter o corte na produção da commodity -  e repercutindo um acordo para aumentar a sua participação no campo de Wahoo, a PetroRio segue sendo um dos principais destaques positivos do Ibovespa. 

As commodities, principalmente aquelas ligadas ao minério de ferro, seguiram mostrando força e impulsionaram o Ibovespa. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
COGN3Cogna ON            R$ 4,0710,00%
PRIO3PetroRio ON       R$ 100,067,60%
NTCO3Natura ON         R$ 50,516,52%
BRAP4Bradespar PN         R$ 66,806,35%
USIM5Usiminas PNA         R$ 17,795,83%

As ações das Lojas Americanas e da B2W recuam em reação ao balanço do quarto trimestre, que mostrou um crescimento mais lento do que o esperado nas vendas online, refletindo o desaquecimento da economia brasileira. Confira as maiores quedas do dia: 

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
BTOW3B2W ON         R$ 71,49-4,27%
CPLE6Copel PN         R$ 61,11-2,77%
LAME4Lojas Americanas PN         R$ 23,92-2,61%
SBSP3Sabesp ON         R$ 37,50-2,06%
BPAC11BTG Pactual units         R$ 96,85-2,01%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

MANDOU BEM?

Mudanças no alto escalão da Ultrapar agradam — mas enquanto ações sobem 9%, analistas apontam que ainda é cedo para uma reclassificação

Analistas enxergam movimentação da Ultrapar como ‘ponto de virada’ e uma surpresa positiva, mas ainda é cedo para um diagnóstico mais preciso do futuro.

OCCUPY B3

B3 (B3SA3) recua quase 3% com ocupação do MTST; movimentos sociais protestam contra o governo e a desigualdade social na sede da Bolsa

Militantes do movimento por moradia entraram no saguão da bolsa de valores em ato contra as altas no desemprego e na inflação

Balança, mas (ainda) não cai

Qual o destino da Evergrande? Veja quatro possíveis cenários para a crise da gigante chinesa

As ações da Evergrande subiram mais de 17% na bolsa de valores de Hong Kong após um acordo com credores. A situação, porém, está longe de ser resolvida. Saiba o que esperar

mercado cripto

Bitcoin e criptomoedas: XP e Rico lançam dois fundos, com investimento a partir de R$ 100

Com gestão passiva, produtos são voltados ao público geral, com taxa de administração de 0,5% ao ano, sem proteção cambial ou taxa de performance

Destaques da bolsa

Cyrela (CYRE3): ‘Sem razões para ânimo’ com o setor, Credit Suisse rebaixa recomendação para construtora e ações têm queda firme

Banco suíço, que rebaixou recomendação de “compra” para “neutra”, vê um cenário difícil para as construtoras nos próximos meses por causa da alta da inflação e da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies