Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-03T10:02:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
apesar de pandemia

PIB vem melhor que o esperado pelos economistas, subindo 3,2% no 4º tri e caindo 4,1% em 2020

Apesar de ter vindo acima do projetado, PIB de 2020 representa o pior desempenho da série histórica, iniciada em 1996

3 de março de 2021
9:21 - atualizado às 10:02
Três pilhas de moedas com blocos de madeira formando a sigla PIB
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A economia brasileira perdeu folego no quarto trimestre, na comparação com o terceiro trimestre, mas ainda assim registrou um resultado melhor que o esperado pelos economistas, fechando 2020 com uma retração menos intensa do que chegou a ser estimada nos primeiros momentos da pandemia de covid-19.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 3,2% nos últimos três meses do ano passado, na comparação com o terceiro trimestre, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (3) pelo IBGE.

O resultado superou a mediana de expectativas coletadas pelo Projeções Broadcast com economistas, que indicava uma alta de 2,80%, com as previsões indo de 2,30% a 3,40%.

Em relação ao mesmo período de 2019, o PIB caiu 1,1% nos últimos três meses do ano passado, um recuo menos intenso do que apontava a mediana das projeções dos economistas (-1,55%).

Em 2020, a economia brasileira registrou queda de 4,1% frente a 2019, com o PIB totalizando R$ 7,4 trilhões. A mediana das estimativas indicava um recuo de 4,2%.

Ainda que tenha vindo melhor que o esperado, a leitura do PIB em 2020 foi a pior da série histórica, iniciada em 1996 e interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%.

“O resultado é efeito da pandemia de covid-19, quando diversas atividades econômicas foram parcial ou totalmente paralisadas para controle da disseminação do vírus. Mesmo quando começou a flexibilização do distanciamento social, muitas pessoas permaneceram receosas de consumir, principalmente os serviços que podem provocar aglomeração”, diz, em nota, a coordenadora de Contas Nacionais, Rebeca Palis.

Já a desaceleração entre o terceiro e o quarto trimestre não surpreendeu, considerando a base de comparação. “Essa desaceleração é esperada porque crescemos sobre uma base muito alta, no terceiro trimestre (7,7%), após um recuo muito profundo no auge da pandemia, o segundo trimestre (-9,2%)”, afirma Palis.

Serviços e indústria sofrem...

No ano passado, o setor de serviços registrou queda de 4,5% e a indústria, 3,5%. Somados, esses dois segmentos representam 95% da economia brasileira.

A coordenadora de Contas Nacionais do IBGE explica que, por conta da pandemia, os serviços prestados às famílias registraram queda intensa, como mostra a contração de 12,1% do item "outros serviços", que engloba atividades como restaurantes, academias e hotéis.

"A segunda maior queda ocorreu nos transportes, armazenagem e correio (-9,2%), principalmente o transporte de passageiros, atividade econômica também muito afetada pela pandemia”, disse.

Na indústria, o destaque negativo foi a parte de construção, com queda de 7%, voltando a cair após a alta de 1,5% em 2019. Também apresentaram retração as indústrias de transformação (-4,3%), influenciadas pelo recuo na fabricação de veículos automotores, outros equipamentos de transporte, confecção de vestuário e metalurgia. 

O IBGE citou que as indústrias extrativas tiveram avanço de 1,3%, devido à alta na produção de petróleo e gás, que compensou a queda da extração de minério de ferro.

Já no quarto trimestre, em relação ao terceiro, os serviços e a indústria tiveram crescimento de 2,7% e 1,9%, respectivamente.

... enquanto agro se destaca

Quem conseguiu superar os efeitos da pandemia em 2020 foi a agropecuária, cuja atividade fechou o ano com alta de 2,0%.

“Isso decorreu do crescimento da produção e do ganho de produtividade da agricultura, que suplantou o fraco desempenho da pecuária e da pesca”, afirmou Palis.

Segundo o IBGE, o resultado foi alcançado graças à soja (7,1%) e o café (24,4%), que tiveram produções recordes no ano passado. Por outro lado, algumas atividades registraram queda de produção, como, por exemplo, laranja (-10,6%) e fumo (-8,4%).

Entre o terceiro e o quarto trimestre, a agropecuária recuou 0,5%, por conta de "um ajuste da safra", segundo o IBGE.

Menor consumo das famílias em 24 anos

Pelo lado da demanda, todos os itens recuaram em 2020, sendo que o consumo das famílias teve o pior resultado da série histórica (-5,5%) em meio à deterioração do mercado de trabalho e a necessidade de distanciamento social, segundo o IBGE.

Os investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) caíram 0,8%, encerrando uma sequência de dois anos positivos. A balança de bens e serviços registrou queda de 10,0% nas importações e 1,8% nas exportações.

No quarto trimestre, o consumo das famílias cresceu 3,4%, enquanto os investimentos subiram 20%.

O PIB per capita alcançou R$ 35.172 em 2020, queda de 4,8%, a menor taxa da série histórica.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

seu dinheiro na sua noite

Ibovespa recupera mais um degrau – e outros destaques do dia

Os monstros que assombravam o mercado financeiro no começo da semana foram ficando mais dóceis e domesticados com o passar dos dias. E isso graças à atuação dos bancos centrais ao redor do mundo. O Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) segue injetando bilhões de dólares na economia para minimizar os impactos […]

RH do governo

Reforma administrativa deslanchou? Confira destaques do texto-base aprovado em comissão da Câmara

A proposta traz alguns pontos polêmicos, como a possibilidade de parcerias entre governo e iniciativa privada para a execução de serviços públicos

fique de olho

Dividendos: Equatorial Pará (EQPA3) define data e Marfrig (MRFG3) altera valor

Além disso, Equatorial Maranhão definiu data do pagamento dos proventos e Banco Modal definiu valores para juros sobre capital próprio; confira

Eletrobras, Correios e mais

Ativos na mesa: nova proposta para precatórios pode incluir ações de estatais em acordos de pagamento

Além das estatais, na lista de ativos que poderiam entrar na negociação estão imóveis, barris de petróleo do pré-sal e concessões de rodovias e ferrovias, por exemplo

fala, vale

Vale (VALE3): a receita para a queda das ações, segundo a própria empresa

Empresa teve de emitir um comunicado em resposta a um ofício da B3 que solicitava justificativas para a oscilação das ações da mineradora entre os dias 6 e 20 de setembro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies