Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-16T15:46:32-03:00
Carolina Gama
AJUSTE NO PLANO DE VOO

Com inflação no radar, BC deixa a porta aberta para mudança de rota; veja o que a ata indica para o futuro dos juros no Brasil

Após elevação de 1,50 ponto porcentual na semana passada, para 9,25% ao ano, autoridade monetária antevê outro ajuste da Selic na mesma magnitude

14 de dezembro de 2021
14:02 - atualizado às 15:46
Montagem de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC), com chapéu de aviador olhando sorrindo para o lado
O comandante do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto: a aeronave do Copom vai mudando a rota da Selic, apertando cada vez mais os juros - Imagem: Montagem Andrei Morais / Agência Brasil / Shutterstock/doomu

Há alguns meses, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmava ter um plano de voo para os juros que não seria alterado a cada novo vento contrário que comprometesse o desempenho da economia brasileira.

Mas o jogo virou, e o comandante desse voo pode ajustar a rota para evitar a turbulência provocada pela inflação. Pelo menos é isso que mostra a ata da última reunião do Copom divulgada nesta terça-feira (14). 

O que mostra a ata da Copom

O documento indicou que o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) deve promover um novo aumento da Selic, como a taxa básica de juros é conhecida no Brasil, em fevereiro. 

Após nova elevação de 1,50 ponto porcentual na semana passada, para 9,25% ao ano - maior patamar em quatro anos - o BC disse hoje que, para a próxima reunião, "antevê outro ajuste da mesma magnitude".

No entanto, a autoridade monetária deixou a porta aberta para mudanças, indicando que os passos futuros poderão ser ajustados de modo a garantir a convergência da inflação para as suas metas. 

A autoridade monetária voltou a dizer que as próximas decisões vão depender da "evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante".

Inflação e sua expectativas

Como no comunicado com a decisão, o Banco Central foi incisivo sobre a continuidade do aperto monetário até que se consolide o processo de desinflação e a ancoragem das expectativas em torno de suas metas. 

"O Copom considera que, diante do aumento de suas projeções e do risco de desancoragem das expectativas para prazos mais longos, é apropriado que o ciclo de aperto monetário avance significativamente em território contracionista", diz o comunicado. 

A ata mostra ainda que a alta de 1,50 ponto porcentual da Selic é uma decisão que "reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva".

O Banco Central ainda repetiu que a decisão "é compatível com a convergência da inflação para as metas ao longo do horizonte relevante", que inclui os anos de 2022 e 2023.

Além disso, o BC voltou a pontuar que o aumento do juro a 9,25% "também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego".

Expectativa para os juros

Com a alta de 1,50 ponto percentual decretada na semana passada, o BC cumpriu com o prometido na reunião de setembro e deu continuidade a um dos programas de aperto monetário mais intensos do mundo — ao todo, a taxa básica de juros brasileira deu um salto de 7,25 pontos apenas em 2021. 

David Becker, chefe de economia e estratégia do Bank of America Merrill Lynch (BofA), lembra que o comitê afirmou que pretende deixar a Selic mais alta do que o esperado no cenário básico, bem como que o ritmo de alta de 1,50 ponto percentual é adequado para conseguir a convergência da inflação para a meta e o re-ancoramento das expectativas. 

Além disso, segundo Becker, a ata sugere um cenário externo menos favorável, considerando a variante ômicron do coronavírus, o setor habitacional na China, os preços de commodities e as condições financeiras mais desafiadoras.

“Apesar do tom agressivo da ata, esperamos que o BC desacelere seu ritmo de alta na próxima reunião para 1 ponto percentual. A inflação surpreendeu para o lado negativo e a recuperação econômica tem sido mais lenta do que o esperado em meio a interrupções na cadeia de suprimentos e cenário doméstico adverso”, diz Becker. 

Segundo ele, a atividade econômica brasileira deve continuar se deteriorando, o que pode aumentar a pressão para que o Copom desacelere o ritmo de alta da Selic.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

SEM ESPAÇO NO ORÇAMENTO

Servidores iniciam manifestação e prometem greve para fevereiro, mas Mourão diz que não há espaço para reajustes

Na peça aprovada no Congresso em Dezembro foi incluída uma previsão de R$ 1,7 bilhão para reajustes de salários do funcionalismo, contudo, a a categoria que seria beneficiada não foi especificada

NA CORRIDA PELA MINERAÇÃO

Intel planeja entrar no lucrativo ramo de mineração de criptomoedas e competir com Nvidia, a próxima empresa de US$ 1 trilhão

A escassez de condutores e semicondutores pode atrapalhar os planos da empresa, que divulgará o novo chip em fevereiro deste ano

TECHS SOFREM

Por que a alta dos juros nos EUA derruba as ações de Locaweb (LWSA3) e Inter (BIDI11) na B3?

O movimento com as ações ligadas ao setor de tecnologia na B3 ocorre desde o início do ano. Os papéis da Locaweb, por exemplo, acumulam queda de 40% apenas nos primeiros dias de 2022

FOLLOW ON

BRF definirá dia 1º preço da ação no follow on, que pode girar cerca de R$ 8 bi

A operação pode abrir o caminho para a Marfrig assumir o controle da BRF

Fatia maior

Gestora Alaska aumenta participação na Cogna (COGN3) para mais de 15%, e ação dispara

Papel tem uma das maiores altas do Ibovespa depois que gestora de Henrique Bredda e Luiz Alves Paes de Barros informou ter adquirido mais ações na companhia de educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies