🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Carolina Gama
AJUSTE NO PLANO DE VOO

Com inflação no radar, BC deixa a porta aberta para mudança de rota; veja o que a ata indica para o futuro dos juros no Brasil

Após elevação de 1,50 ponto porcentual na semana passada, para 9,25% ao ano, autoridade monetária antevê outro ajuste da Selic na mesma magnitude

Carolina Gama
14 de dezembro de 2021
14:02 - atualizado às 15:46
Montagem de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (BC), com chapéu de aviador olhando sorrindo para o lado
O comandante do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto: a aeronave do Copom vai mudando a rota da Selic, apertando cada vez mais os juros - Imagem: Montagem Andrei Morais / Agência Brasil / Shutterstock/doomu

Há alguns meses, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmava ter um plano de voo para os juros que não seria alterado a cada novo vento contrário que comprometesse o desempenho da economia brasileira.

Mas o jogo virou, e o comandante desse voo pode ajustar a rota para evitar a turbulência provocada pela inflação. Pelo menos é isso que mostra a ata da última reunião do Copom divulgada nesta terça-feira (14). 

O que mostra a ata da Copom

O documento indicou que o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) deve promover um novo aumento da Selic, como a taxa básica de juros é conhecida no Brasil, em fevereiro. 

Após nova elevação de 1,50 ponto porcentual na semana passada, para 9,25% ao ano - maior patamar em quatro anos - o BC disse hoje que, para a próxima reunião, "antevê outro ajuste da mesma magnitude".

No entanto, a autoridade monetária deixou a porta aberta para mudanças, indicando que os passos futuros poderão ser ajustados de modo a garantir a convergência da inflação para as suas metas. 

A autoridade monetária voltou a dizer que as próximas decisões vão depender da "evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante".

Inflação e sua expectativas

Como no comunicado com a decisão, o Banco Central foi incisivo sobre a continuidade do aperto monetário até que se consolide o processo de desinflação e a ancoragem das expectativas em torno de suas metas. 

"O Copom considera que, diante do aumento de suas projeções e do risco de desancoragem das expectativas para prazos mais longos, é apropriado que o ciclo de aperto monetário avance significativamente em território contracionista", diz o comunicado. 

A ata mostra ainda que a alta de 1,50 ponto porcentual da Selic é uma decisão que "reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva".

O Banco Central ainda repetiu que a decisão "é compatível com a convergência da inflação para as metas ao longo do horizonte relevante", que inclui os anos de 2022 e 2023.

Além disso, o BC voltou a pontuar que o aumento do juro a 9,25% "também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego".

Expectativa para os juros

Com a alta de 1,50 ponto percentual decretada na semana passada, o BC cumpriu com o prometido na reunião de setembro e deu continuidade a um dos programas de aperto monetário mais intensos do mundo — ao todo, a taxa básica de juros brasileira deu um salto de 7,25 pontos apenas em 2021. 

David Becker, chefe de economia e estratégia do Bank of America Merrill Lynch (BofA), lembra que o comitê afirmou que pretende deixar a Selic mais alta do que o esperado no cenário básico, bem como que o ritmo de alta de 1,50 ponto percentual é adequado para conseguir a convergência da inflação para a meta e o re-ancoramento das expectativas. 

Além disso, segundo Becker, a ata sugere um cenário externo menos favorável, considerando a variante ômicron do coronavírus, o setor habitacional na China, os preços de commodities e as condições financeiras mais desafiadoras.

“Apesar do tom agressivo da ata, esperamos que o BC desacelere seu ritmo de alta na próxima reunião para 1 ponto percentual. A inflação surpreendeu para o lado negativo e a recuperação econômica tem sido mais lenta do que o esperado em meio a interrupções na cadeia de suprimentos e cenário doméstico adverso”, diz Becker. 

Segundo ele, a atividade econômica brasileira deve continuar se deteriorando, o que pode aumentar a pressão para que o Copom desacelere o ritmo de alta da Selic.

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies