Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-11-16T13:24:08-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ONDE ISSO VAI PARAR?

Banco Central está disposto a ‘ir até onde for preciso’ com os juros

Enquanto economistas chamam a atenção para impactos da alta do juro sobre a atividade, diretores do BC mostram-se confiantes com o controle da inflação

16 de novembro de 2021
13:24
Placa do Banco Central do Brasil (BC), autoridade monetária que conduz as reuniões do Copom para a decisão da Selic
Bolsa deve reagir ao ajuste forte de juros - Imagem: Shutterstock

O prosseguimento do aperto monetário pelo Banco Central ao longo de 2022 é dado como certo pelos agentes do mercado financeiro.

A taxa Selic encontra-se em 7,75% e deve chegar ao fim de 2021 pelo menos a 9,25% ao ano, conforme sinalização da autoridade monetária.

Para o fim do ano que vem, o mercado já vê a taxa básica de juro a 11% ao ano. É o que mostra a mais recente edição da pesquisa semanal Focus, divulgada hoje pelo BC.

Mas...

Enquanto economistas chamam a atenção para os riscos da alta do juro sobre a atividade econômica, diretores da autoridade têm indicado que a elevação da Selic em 1,5 ponto porcentual na reunião de dezembro “ainda parece apropriado” e mostram-se confiantes na empreitada de trazer a inflação de 2022 para o “mais próximo possível” do centro da meta.

Seja como for, a autoridade monetária está disposta a colocar os juros “onde for preciso” para atingir tal objetivo.

É o que afirma a diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos do Banco Central, Fernanda Guardado.

“Acho muito difícil dizer que BC está passivo acomodando política fiscal. O BC vai colocar a taxa de juros onde precisar. Não aumentar juros por preocupação com dívida não é condizente com nossas ações e independência”, argumenta ela.

Fernanda Guardado afirmou que a autarquia não trabalha com um cenário de estagflação no Brasil, muito menos no mundo. “Temos muita dificuldade em ver números negativos para o PIB em 2022”, disse.

Trabalho sério

Ainda segundo ela, a autoridade monetária leva “muito a sério seu mandato” e tem agido da maneira que acha correta para conter piora de expectativas de inflação e impactos de segunda ordem dos choques sobre os preços. “O que a política monetária pode fazer é o que estamos fazendo, estamos reagindo.”

Os comentários da diretora do BC foram feitos durante o webinar “O Brasil frente à conjuntura Internacional no pós pandemia”, promovido pela Associação e Sindicato dos Bancos do Estado do Rio de Janeiro (Aberj).

*Com informações do Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies