Menu
Ruy Hungria
Sextou com o Ruy
Ruy Hungria
É formado em Física e especialista em bolsa e opções na Empiricus
2021-02-19T07:41:09-03:00
Sextou com o Ruy

Dividendo, pra que te quero? Por que as empresas que pagam mais aos acionistas podem não ser as melhores para se investir

Muita gente só investe em companhias que distribuem quase a totalidade dos lucros para os acionistas. Mas será mesmo que isso é um bom sinal?

19 de fevereiro de 2021
5:53 - atualizado às 7:41
dólar dinheiro dividendos
O dividendo não é o indicador mais apropriado para avaliar a atratividade de uma ação Imagem: Shutterstock

Se você já pesquisou na internet "como encontrar boas ações para investir", tenho certeza que um dos itens mais mencionados pelos especialistas de investimentos no YouTube é o alto volume de dividendos pagos pela companhia, não é mesmo?

“Se a companhia paga um caminhão de dividendos, pode investir que é lucro na certa”, eles costumam dizer. 

Na verdade, muita gente só investe em companhias que distribuem quase a totalidade dos lucros para os acionistas. 

Mas será mesmo que isso é um bom sinal? Será que distribuir uma enorme quantidade de dividendos torna uma companhia um melhor investimento do que outra que prefere não distribuir nada?

Hoje nós vamos ver por que o dividendo não é o indicador mais apropriado para avaliar a atratividade de uma ação.

Aliás, algumas vezes, dividendos elevados soam mais como um sinal de alerta do que de oportunidade.

O que são dividendos

Para começar, é bom esclarecer que o dividendo é a parcela do lucro anual de uma companhia que é distribuído para os acionistas ao final do ano. 

Se uma companhia lucrou R$ 100 milhões e optou por manter R$ 40 milhões no caixa (ou reinvestir essa grana), os outros R$ 60 milhões serão distribuídos aos acionistas na forma de dividendos. 

A regulamentação das companhias abertas brasileiras estabelece que pelo menos 25% do lucro líquido anual seja distribuído em forma de dividendos para os acionistas. 

Esse montante pode, inclusive, ultrapassar os 100% em casos em que a companhia esteja com muito caixa sobrando, por exemplo.

É óbvio que dividendos têm valor para o acionista. Eles funcionam como uma fonte de renda extra para complementar o salário ou a aposentadoria, por exemplo. 

Mas é importante entender que toda vez que uma empresa decide pagar um dividendo, ela está abrindo mão de reinvestir esse dinheiro a taxas normalmente muito mais atrativas, o que poderia trazer retornos muito, muito maiores para os seus acionistas no longo prazo.

Alocação de capital

Talvez a tarefa mais difícil na vida do presidente de uma companhia seja a alocação eficiente de capital. 

A expressão é estranha, mas o conceito é simples. A alocação eficiente de capital  indica onde a companhia pode colocar dinheiro e obter o maior retorno possível para o acionista. 

AlternativaPotencial de retornoRisco
Projeto A30%alto
Projeto B15%baixo
Pagar dividendos2% (Tesouro Selic)nenhum

Muitas das companhias em estágio inicial de vida ou que estão inseridas em um setor que cresce bastante encontram oportunidades de investir parte dos lucros em projetos com bom potencial de retorno. 

Essas companhias normalmente vão ter à sua disposição projetos do tipo A e B, nos quais elas poderão investir boa parte do lucro anual e obter um potencial interessante de retorno – pelo menos 15% neste caso.

É aqui que surge uma pergunta importante: por que você preferiria receber dividendos que poderiam ser investidos em Tesouro Selic a uma taxa de, no máximo, 2% ao ano, se essa mesma grana poderia ser reinvestida pela própria empresa em projetos com uma taxa de retorno de pelo menos 15% ao ano com baixo risco?

Essa diferença de 15% para 2% pode não parecer muita coisa em um ano. Mas se a companhia conseguir reinvestir os lucros todos os anos a uma taxa de 15%, no longo prazo isso faz uma baita diferença. 

No gráfico abaixo, mostramos a diferença dos investidores de três empresas diferentes. 

Points scored

O primeiro (linha cinza) é acionista de uma companhia que distribui os R$ 100 de lucro em dividendos todos os anos e não reinveste nenhuma parcela desse dinheiro.

O segundo (linha preta) é acionista de uma companhia que reinveste todos os anos os mesmos R$ 100 em projetos com retorno de 15% ao ano. 

O terceiro (linha verde) é acionista de outra companhia, que também reinveste todos os anos os R$ 100, mas em projetos com retorno de 30% ao ano.

Ao fim de dez anos, o retorno do último investidor (por meio da valorização das ações) é quase quatro vezes maior do que aquele que recebia 100% dos dividendos todos os anos.

Pagou uma enorme quantidade de dividendos, logo é uma ótima empresa? Errado

Então, se uma empresa paga muitos, mas muitos dividendos, isso normalmente significa que ela não está encontrando projetos com retornos minimamente satisfatórios para investir.

Nesse caso, ela prefere devolver o dinheiro para você poder reinvestir a grana em títulos sem risco ou em outras empresas com maior potencial de crescimento.

Pode até ser que em um ou dois anos, as oportunidades sejam realmente escassas e devolver o lucro aos acionistas acabe sendo a melhor decisão. 

Mas se distribuir praticamente todo o lucro se torna uma prática recorrente, isso pode mostrar que o caminho do crescimento para a companhia está perto do fim e, pior, que um declínio de resultados pode estar próximo de começar. 

Lembre-se daquele ditado: quando a esmola é demais, até santo desconfia.

O grande desafio

Portanto, muitos dividendos não são o suficiente para configurar uma companhia como um ótimo investimento.

É preciso entender os motivos pelos quais os dividendos estão elevados. 

É por que faltam oportunidades de investimento?

É por que o negócio está piorando mas a companhia quer manter o preço de suas ações inflado?

É por que os controladores, donos de boa parte das ações, gostam de trocar suas Ferraris no fim do ano e preferem deixar passar boas oportunidades de reinvestir os lucros em troca de um benefício próprio? 

Como investidor, o grande desafio é encontrar empresas que tenham um fluxo de caixa formidável que as permitam pagar ótimos dividendos, mas que, ao mesmo tempo, ainda consigam encontrar boas oportunidades para reinvestir pelo menos parte desse excesso em projetos com bom potencial de retorno.

Essas são companhias que não apenas conseguem oferecer aos seus acionistas uma ótima fonte de renda extra, mas que também possuem avenidas interessantes para continuarem crescendo no futuro.

Seus acionistas tendem a ganhar tanto com a distribuição de lucros anuais como também com o desenvolvimento de novos projetos e consequente valorização das ações. 

Encontrar esse tipo de empresa é muito mais difícil, mas as recompensas também são muito maiores para quem consegue. 

É por isso que Sergio Oba está todos os dias vasculhando o mercado para encontrar oportunidades com esse perfil. A sua carteira de Vacas Leiteiras é recheada de empresas que são mais do que meras boas pagadoras de dividendos. São companhias geradoras de caixa e que estão inseridas em setores com ótimas perspectivas de crescimento.

Se quiser conferir a lista, deixo aqui o convite para conhecer a série.

Um grande abraço e até a próxima!

Leia também:

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Vêm proventos por aí

B3 anuncia quase R$ 2 bi em dividendos, além de recompra e desdobramento de ações

Conselho de administração da companhia aprovou pagamento de dividendos do quarto trimestre e dividendos extraordinários referentes a 2020

Cenário pandêmico

B3 lucra R$ 4,2 bilhões em 2020, alta de 53%, com volatilidade dos mercados, ofertas de ações e juros baixos no Brasil

Cenário pandêmico acabou beneficiando os resultados da companhia, resultando em volatilidade e juros baixos que impulsionaram investidores e empresas a recorrerem ao mercado de capitais

O melhor do seu dinheiro

A semana que vem, enfim, chegou

Depois de uma série de adiamentos, a PEC Emergencial enfim foi aprovada em dois turnos pelo Senado. A medida permitirá o retorno do auxílio emergencial, que ficará limitado ao teto de R$ 44 bilhões, que quase foi derrubado, mas acabou ficando. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados. O avanço foi comemorado pelo […]

FECHAMENTO

Aprovação da PEC emergencial garante recuperação do Ibovespa enquanto NY amarga perdas

A fala de Powell fez o Ibovespa reduzir os ganhos, mas ainda assim o principal índice da bolsa avançou 1,35%; dólar teve queda de 0,11%, a R$ 5,6582

Petróleo

Evitar volatilidade nos preços serve a consumidores e produtores, afirma ministro árabe na Opep+

Quanto aos elementos que vêm sendo observados na demanda para as decisões do grupo, o saudita apontou o retorno da mobilidade como uma prioridade.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies