Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-26T07:42:03-03:00
Insights Assimétricos

Os ventos de um novo Copom: o que esperar da decisão do BC sobre a Selic com o teto rompido

A Selic deveria caminhar para mais uma alta de 1 ponto percentual. Mas com os eventos recentes, as coisas mudaram um pouco de tom

26 de outubro de 2021
6:03 - atualizado às 7:42
Placa do Banco Central do Brasil (BC), autoridade monetária que conduz as reuniões do Copom para a decisão da Selic
Bolsa deve reagir ao ajuste forte de juros - Imagem: Shutterstock

Começa hoje a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB), que apresentará amanhã, depois do mercado, a nova taxa de juros básica de curto prazo da economia brasileira.

A Selic, hoje em 6,25% ao ano, deveria caminhar para mais uma alta de 100 pontos base (ou 1 ponto percentual), como aconteceu nas últimas reuniões, para 7,25% ao ano. Mas com os eventos recentes, em especial da última semana, as coisas mudaram um pouco de tom.

O panorama de deterioração fiscal verificado desde o último encontro da autoridade monetária, que culminou no estouro do teto de gastos proposto pela PEC dos precatórios, desencadeou um descontrole do dólar.

Nem mesmo a atuação por parte do BC, que torrou em duas semanas mais de US$ 4 bilhões em leilões extraordinários de swaps cambiais, conseguiu estabilizar a moeda. Ao final do dia, a tentativa era como enxugar gelo.

Hoje, terça-feira (26), deveremos assistir à votação em plenário do texto que ultrapassa em R$ 83 bilhões o teto de gastos públicos. Isso segundo o governo. A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal tem uma leitura diferente, na qual o rombo é de mais de R$ 95 bilhões.

Inevitavelmente, o desmantelo da principal âncora fiscal dos últimos anos levaria a um movimento de aversão ao risco por parte do mercado financeiro.

A consequente debandada do Ministério da Economia, que viu secretários importantes pedindo exoneração após perderem o cabo de guerra com o Congresso, só ajudou a piorar a situação, diante do entendimento que a manobra para burlar o teto teria cunho populista à medida em que financia o Auxílio Brasil (o novo Bolsa Família) em ano de eleição.

A falta de responsabilidade fiscal joga o dólar para cima e, na sequência, a expectativa de inflação.

Juros e PIB sob pressão

Mais inflação e menor credibilidade fiscal pressionam a curva de juros, o que piora as perspectivas para 2022 e 2023.

Depois de crescer algo entre 4% e 5% neste ano, deveremos crescer apenas algo entre 0,5% e 1,5% no ano que vem. E com possibilidade de a deterioração fiscal ser tamanha que até o crescimento para 2023 pode ser impactado, a depender da resposta monetária que veremos nos próximos meses.

Não somente isso, mas a inflação não tem parado de nos assustar. Em 2021, o indicador oficial de inflação, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumula alta de 6,90% e, nos últimos 12 meses, alcançou a marca de dois dígitos em 10,25%.

Há previsão de certa acomodação até dezembro, de modo a fecharmos o ano em algo como 8,96% em 2021, um patamar ainda elevado.

A alta dos combustíveis, da energia elétrica, do petróleo e do dólar em nada ajudam no processo. Abaixo, podemos ver a escalada da inflação desde setembro de 2017 até hoje, com a queda de algumas das categorias no interior do indicador.

Note como há um esgarçamento inflacionário no país, o qual precisará ser respondido com política monetária à altura, justificando uma precificação neutra de alta de 1,25 ponto percentual para a reunião desta semana.

Se antes havia um entendimento de que o Banco Central não reagiria aos dados de alta frequência, agora resta a noção de que a autoridade monetária buscará tornar mais agressivo seu tom, dada a volatilidade com a mudança recente de cenário.

Os três caminhos do Copom 

Por isso, três são as possibilidades para a reunião do Copom, entre as quais consideramos o contexto intermediário como sendo o mais provável e, portanto, o de base para as movimentações.

  • Desfecho mais expansionista: o Banco Central segue o que havia contratado e aumenta a Selic em 1 ponto percentual, de 6,25% para 7,25%. É o cenário contratado anteriormente, antes de toda a degradação fiscal recentemente exposta pelo desmantelo do teto de gastos;
  • Desfecho base/neutro: alta de 1,25 ponto percentual, o que colocaria a Selic em 7,5% no encontro de outubro, indicando uma preocupação adicional com o panorama fiscal apresentado por parte da autoridade monetária;
  • Desfecho mais contracionista: cenário mais agressivo no qual a alta da taxa de juros será de 1,5 ponto, colocando a Selic em 7,75% e elevando a possibilidade de uma Selic de dois dígitos ao final do ciclo de aperto monetário ganhem espaço.

Entendo que a alta de 1,25 p.p. seja a mais provável, não invalidando a possibilidade de nos defrontarmos com os dois outros cenários.

Um ajuste maior do que o contratado anteriormente (100 pontos-base) mostrará comprometimentos por parte de Bacen, elevando a credibilidade da instituição e aprimorando as chances de ancoragem da inflação para o ano que vem, tendo como objetivo a convergência para a meta em 2023.

Adicionalmente, uma Selic mais próxima de 9% ainda neste ano, ainda que por volta de 8,5% a.a., poderá servir para sedimentar uma conjuntura na qual não precisemos flertar com mais de 10% de juros no primeiro semestre do ano que vem.

Ainda assim, mais juros significam potencialmente menor crescimento, o que em um país com mais de 13% de desemprego é bem prejudicial estruturalmente.

A saída monetária para o Brasil não será fácil, principalmente em meio a uma crise hídrica e um ano eleitoral. Ainda assim, não é porque não enxergamos saída que ela não existe. Ausência de evidência não é evidência de ausência.

Há caminhos para navegarmos, principalmente em títulos do tesouro nacional indexados à inflação com vencimento curto. Um juro real maior que 5% em risco soberano não é uma má pedida.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NOVATA NA FINAL

Não estranhe: patrocinadora da final entre Palmeiras e Flamengo é a nova corretora de criptomoedas do Brasil; conheça Crypto.bom

A exchange resolveu investir no segmento de esportes e patrocina Fórmula 1, NBA e até o campeonato europeu

Raio-X

Análise: Por que a alta da inflação pode ameaçar o pacote de infraestrutura de Joe Biden?

O presidente americano tem ambiciosos planos pela frente, mas a alta da inflação e gargalos estruturais da economia podem alterar o rumo

A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

O MELHOR DA SEMANA

Piora da covid no mundo e criptomoedas além do bitcoin (BTC): 5 assuntos mais lidos no Seu Dinheiro esta semana

O mercado já trabalhava amplamente com a visão do verdadeiro normal. Mas os mercados globais voltaram a entrar em pânico com a covid-19

PAPO CRIPTO #007

Tecnologia que criou o bitcoin (BTC) pode reduzir custo de captação de recursos em quase 70%, diz chefe de ativos digitais do BTG

“Empresas pequenas e médias têm menor possibilidade de acesso ao mercado de capitais, muito por causa dos custos envolvidos”, comenta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies