🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cenário doméstico foca nos desdobramentos da PEC dos precatórios, enquanto inflação global e petróleo pressionam bolsas

O panorama local não é dos melhores, com a piora das projeções para a economia nacional e exterior sem tração por mais um dia

Renan Sousa
Renan Sousa
18 de novembro de 2021
7:51 - atualizado às 7:53
Paulo Guedes com um gráfico no fundo
O ex-ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A bolsa brasileira registrou mais um dia de perdas e acumula três pregões seguidos de queda. Ontem (17), o Ibovespa recuou 1,39%, aos 102.948 pontos, o menor nível desde 12 de novembro de 2020. O dólar à vista, usado como proteção em momentos de crise, avançou 0,45%, a R$ 5,5242. O mercado de juros futuros também foi pressionado. 

O cenário doméstico conturbado é um velho conhecido dos brasileiros. A PEC dos precatórios foi aprovada na Câmara, com uma margem pequena de votos, e as perspectivas não são das melhores para um aval do Senado, que encaminha uma alternativa à proposta de emenda. 

O uso político desse espaço de cerca de R$ 91 bilhões no Orçamento para 2022 também é mal visto pelos investidores, que esperavam uma maior responsabilidade fiscal do ministério da Economia, encabeçado por Paulo Guedes

Saindo do Brasil e partindo diretamente para os Estados Unidos, voltam os temores envolvendo um shutdown do governo americano, momento em que a máquina pública é paralisada por falta de recursos. Os democratas precisam costurar um acordo com a oposição nas Casas Legislativas em pouco menos de um mês, o que não deve ser uma tarefa fácil depois da aprovação de um pacote de estímulos de US$ 1 trilhão

Confira o que deve ser destaque no pregão desta quinta-feira (18):

PEC dos precatórios

Senadores do PSDB, Podemos e Cidadania apresentaram para o governo na última quarta-feira (17) uma alternativa à PEC dos Precatórios. O texto mantém a correção do teto de gastos com o modelo atual, mas retira os R$ 89 bilhões em dívidas judiciais de seu alcance no ano de 2022. 

Entretanto, do total, cerca de R$ 64 bilhões seriam “carimbados” para turbinar o Auxílio Brasil até o final de 2022

Hoje, a PEC dos precatórios abre cerca de R$ 91,6 bilhões no Orçamento de 2022, dos quais R$ 83,6 bilhões são efetivamente livres para o Executivo destinar a suas ações. Desse valor, cerca de R$ 24 bilhões irão para a correção de benefícios atrelados ao salário mínimo, devido à inflação maior, e R$ 51 bilhões para o Auxílio Brasil.

O ponto mais importante da proposta se refere às emendas de relator, que seriam extintas e benefícios como reajuste de servidores, aumento do fundo eleitoral e desoneração da folha teriam de ser financiadas por meio de cortes de despesas, o que deve desagradar a ala política do governo e reduzir o apoio de parlamentares. 

A nova proposta será enviada à equipe econômica e precisa ser aprovada em dois turnos no Senado Federal ainda este ano para poder valer em 2022.

Doméstico

A FGV deve divulgar a segunda leitura do IGP-M de novembro agora pela manhã, enquanto as falas de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, e do ministro da Economia, Paulo Guedes, em eventos separados, movimentam o dia. 

De olho nos Estados Unidos

A temporada de balanços acabou por lá há quase um mês, mas os resultados acima do esperado pelo mercado surpreenderam os analistas e impulsionaram os índices para as máximas históricas. Entretanto, os investidores permanecem de olho na inflação crescente do país, ainda mais após a aprovação do pacote de US$ 1 trilhão para infraestrutura do presidente americano Joe Biden

O plano BBB (Build Back Better, “construir de novo e melhor”, em tradução livre), inclui recursos para assistência da covid-19, serviços sociais, assistência social e infraestrutura. Os analistas afirmam que o montante destinado para essas áreas não deve afetar a inflação, que já ronda as máximas em 30 anos, mas a cautela prevalece.

E o possível shutdown do governo dos EUA continua no radar. A nova data limite para que os Estados Unidos não consigam manter o funcionamento da máquina pública ficou para 15 de dezembro, pouco menos de um mês, e deve pressionar os índices pelo mundo.

Exterior

O investidor internacional deve permanecer de olho nas falas de dirigentes do Federal Reserve hoje, que podem dar maiores detalhes sobre a retirada dos estímulos da economia americana, o chamado tapering. Além disso, os números de novos pedidos de auxílio desemprego devem movimentar os negócios hoje. 

E uma medida do governo americano deve pressionar as empresas ligadas à commodities hoje. Um pedido de uso dos estoques de petróleo para baixar o preço internacional da mais utilizada matéria-prima energética do mundo pressiona as ações do setor na Europa, Estados Unidos e pode refletir no pregão brasileiro.

Bolsas pelo mundo

O mercado de ações da Ásia encerrou a sessão desta quinta-feira no campo negativo, com as ações de incorporadoras chinesas no radar. Os dados do setor em outubro vieram abaixo do esperado pelos analistas.

Já os índices da Europa amanheceram sem sinal único, com o setor de commodities sendo pressionado pela notícia de que os Estados Unidos articulam o uso dos estoques de petróleo para conter a alta nos preços da commodity

Por fim, os futuros de Nova York buscam uma recuperação hoje, após as quedas recentes. Vale lembrar que as bolsas europeias e americanas rondam as máximas históricas e movimentos de ajustes são comuns nesse período. 

Agenda do dia

  • FGV: Segunda prévia do IGP-M de novembro (8h)
  • França: PIB da OCDE no terceiro trimestre (8h)
  • Caixa: Entrevista do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, sobre dados do 3º trimestre (10h)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (10h30)
  • Ministério da Economia: Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa da comemoração dos 29 anos da Secretaria de Política Econômica (SPE) (17h30)
  • Banco Central: Presidente do BC, Roberto Campos Neto, e diretores participam da reunião do Comitê de Estabilidade Financeira, o Comef (sem horário)
  • Estados Unidos: Presidente dos EUA, Joe Biden, se encontra com presidente do México, Andrés Obrador, primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau (sem horário)

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies