🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
Esquenta dos Mercados

De olho nos bancos e nas commodities, bolsa deve sentir cautela internacional antes da fala de Janet Yellen

Apesar da última fala do presidente do Fed, Jerome Powell, ter acalmado os ânimos sobre o momento inflacionário, qualquer sinal vindo do BC americano será analisado

relógio Ibovespa
O famoso compasso de espera dos mercados - Imagem: Shutterstok

Esperar nunca foi o ponto forte dos investidores, mas nos últimos dias, é o que tem acontecido. Enquanto as preocupações envolvendo a inflação americana permanecerem no radar, as falas dos dirigentes do Federal Reserve e do Tesouro americano devem movimentar os negócios. 

E o fuso horário não ajuda os brasileiros. O testemunho de Janet Yellen, Secretária do Tesouro americano, ao Senado deve acontecer por volta das 15h. Até lá, os índices internacionais devem operar em compasso de espera, sem maiores indicadores pela frente. 

Apesar da última fala do presidente do Fed, Jerome Powell, ter acalmado os ânimos sobre o momento inflacionário que o país vive, qualquer sinal vindo do BC americano será analisado. Powell afirmou que a alta nos preços é temporária, o que deve acalmar os ânimos por mais algum tempo.

Enquanto isso, a bolsa brasileira deve ficar de olho em dois setores que pesam no índice brasileiro. As ações dos grandes bancos devem reagir ao aumento da CSLL e os papéis de empresas relacionadas à commodities, como Petrobras, Vale e outras, também devem sentir a alta nos preços.

No radar do investidor deve ficar a fala do ministro de Minas e Energias, Bento Albuquerque, sobre a crise hídrica a caminho. Tanto o setor de distribuição de água quanto o elétrico devem ser afetados pela seca nos reservatórios, o que pode acabar influenciando os papéis de empresas como a própria Eletrobras, que teve a MP que facilita sua privatização aprovada há pouco. 

Por fim, com o dólar fechando abaixo dos R$ 5 pela primeira vez em um ano, os  investidores devem calibrar suas expectativas, de olho nos Bancos Centrais.

Confira outros destaques para o pregão desta quarta-feira (23):

De olho nos bancos

O Senado Federal aprovou, na noite de ontem (22), uma medida provisória (MP) que aumenta a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) do setor financeiro. De acordo com o texto, a contribuição deverá passar de 20% para 25% entre 1º de julho até 31 de dezembro. 

Esse aumento foi a contrapartida para bancar a decisão que zerou as alíquotas de PIS/Cofins sobre o diesel por dois meses e sobre o gás de cozinha de forma permanente. Isso abriu um rombo nas contas de cerca de R$ 3,7 bilhões em arrecadação.

Commodities

A manhã começa com uma forte valorização do petróleo, com perspectivas de retomada da economia pelo mundo e aumento da demanda. Depois de um pregão de queda, os futuros do Brent operam em alta de 0,76%, cotado a US$ 75,38.

Da mesma forma, os futuros do minério de ferro também estão em alta de 0,63%, aos US$ 214,30, por volta das 7h30, antes do encerramento do pregão na China. 

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão majoritariamente em alta na manhã desta quarta-feira (23). Os investidores tiveram seus ânimos acalmados depois que o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, voltou a avaliar que o momento inflacionário é temporário, e que a retirada de estímulos antes do esperado ainda não é realidade.

Já as bolsas europeias operam em baixa, apesar de os dados da atividade econômica e a fala de Powell animarem os negócios em um primeiro momento. Durante o pregão, os investidores do Velho Continente devem ficar de olho no índice do gerente de compras (PMI, em inglês) dos EUA e do discurso da presidente do BCE, Christine Lagarde. 

Por fim, os futuros de Nova York se recuperam, motivados também pela fala de Powell e à espera do discurso da Secretária do Tesouro, Janet Yellen. 

Agenda do dia

  • Minas e Energia: O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, participa de audiência sobre a crise hídrica no país na Comissão de Minas e Energia da Câmara (10h)
  • Estados Unidos: Dirigente do Fed, Michelle Bowman, participa de evento distrital do Fed (10h10)
  • Estados Unidos: PMI industrial e de serviços (10h45)
  • Estados Unidos: Presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, participa de webnar do Centro de Inovação Russell (12h)
  • Estados Unidos: Secretária do Tesouro, Janett Yellen, testemunha em comitê de orçamento do Senado (15h)

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies