Menu
2021-01-07T08:12:39-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
esquenta dos mercados

Após confusão, mercados reagem com alívio à certificação de Biden como presidente eleito

Congresso americano utilizou a madrugada para finalmente ratificar a vitória do democrata; na Europa e em Wall Street, as bolsas reagem com leve viés de alta

7 de janeiro de 2021
8:02 - atualizado às 8:12
Joe Biden
Imagem: Shutterstock

Após as cenas de caos vistas na tarde de ontem em Washington, quando apoiadores de Donald Trump tentaram impedir a certificação de Joe Biden como presidente eleito, o Congresso americano terminou o serviço durante a madrugada e restabelece um pouco mais de calma nos mercados, que operam com um viés levemente positivo nesta manhã. 

No Brasil, a expectativa segue sendo de que o Ibovespa renove o seu recorde de fechamento, marca que foi frustrada pela atuação dos trumpistas na tarde de ontem. 

Com emoção (e frustração)

Parecia tudo certo para que o Ibovespa finalmente renovasse o seu recorde de fechamento — atualmente de 119.527,63 pontos. 

Ao longo do dia, o principal índice da bolsa brasileira voltou a renovar a sua máxima intraday em 120.924 pontos, mas não foi possível manter o ritmo até o fechamento. É que ninguém estava contando que apoiadores do presidente derrotado Donald Trump invadissem o Capitólio, sede do Congresso americano e onde acontecia a certificação do presidente eleito Joe Biden. 

O que se viu em Washington foram cenas de violência e caos, o que diminuiu o ímpeto de alta das bolsas globais. Com a tensão nos Estados Unidos, o Ibovespa terminou o dia em leve queda de 0,2%, aos 119.100 pontos. O dólar também foi pressionado, subindo 0,8%, a R$ 5,3024. 

Apesar de você...

O tumulto causado pelos apoiadores Trumpistas em Washington pode ter atrasado o resultado por algumas horas e exposto o fato de que o início de um governo Biden não deve ser nada fácil, mas não foi o suficiente para impedir a certificação do novo presidente. 

Em sessão conjunta durante a madrugada, o Congresso americano ratificou a vitória do democrata Joe Biden e de sua vice, Kamala Harris. O próprio vice-presidente do governo Trump, Mike Pence, presidiu e ratificou a decisão, criticando a invasão e rejeitando os pedidos de Trump para invalidar as contagens. 

Donald Trump teve, inclusive, suas contas pessoais bloqueadas em diversas redes sociais. Mesmo assim, emitiu um comunicado afirmando que 'discorda totalmente' do resultado, mas que fará uma 'transição ordeira' de poder no próximo dia 20 de janeiro. 

De olho no desenrolar da situação em Washington, as bolsas asiáticas fecharam mistas durante a madrugada. Biden ainda não havia sido certificado quando os negócios se encerraram no continente. 

Assim como acontece nos Estados Unidos, um governo Biden com controle nas duas casas legislativas americanas pressiona as ações das empresas de tecnologia asiáticas, já que a perspectiva é de uma regulação maior das 'big techs'. Além disso, a NYSE voltou a deslistar algumas companhias chinesas. Em Tóquio, no entanto, o dia foi de recorde. A bolsa local bateu sua máxima intraday após 30 anos.

Em Wall Street, os índices futuros operam em leve alta. 

Os números da segunda onda

Na Europa, questões locais também pressionam os negócios. Agora pela manhã, a Eurostat, agência oficial de estatísticas do continente, divulgou as leituras preliminares das vendas no varejo na zona do euro. O número mostrou uma queda de 6,1% em novembro ante outubro, muito pior do que a projeção dos analistas. 

No entanto, a perspectiva de que o governo Biden tenha maior facilidade em aprovar novos estímulos fiscais limitam as perdas. Nesta manhã, as principais bolsas do Velho Continente operam também no azul. 

Agenda

A agenda do dia tem como foco o exterior, com os indicadores europeus em destaque. Nos Estados Unidos, expectativa para a balança comercial de novembro (10h30) e os pedidos semanais de auxílio-desemprego (10h30). Às 12h, temos também o PMI de serviços local.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies