Menu
2021-01-06T21:05:00-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
fechamento dos mercados

Invasão ao Capitólio gera tensão, estressa dólar e frustra recorde do Ibovespa, que fecha em queda

Índice local desacelerou no fim da sessão após bolsas em Nova York apararem ganhos; mais cedo, Ibovespa havia renovado recorde histórico intraday, mas máxima de fechamento de novo foi impedida

6 de janeiro de 2021
19:24 - atualizado às 21:05
EUA queda
Imagem: Shutterstock

Não foi desta vez que o Ibovespa renovou o seu recorde de fechamento, embora tenha marcado uma nova máxima histórica intradiária durante a sessão desta quarta-feira (6).

A invasão ao Capitólio — o prédio em que fica localizado o Congresso dos Estados Unidos, na capital Washington —, sem dúvida a grande notícia do dia, pegou os políticos americanos e os mercados financeiros globais de surpresa, melando, ainda por cima, o novo topo de encerramento de sessão do índice local.

Um grupo de apoiadores do presidente Donald Trump invadiu o complexo na hora em que se realizava a contagem dos congressistas para reconhecer a vitória de Joe Biden, eleito presidente nas eleições de novembro, pelos votos do Colégio Eleitoral do país.

Após a entrada de manifestantes no local, os legisladores, por volta das 14h do horário de Washington (16h do horário de Brasília), interromperam o rito e tiveram de se abrigar no Capitólio em meio ao protesto.

As imagens na internet sobre o ocorrido abundam: manifestantes com bonés de apoio ao atual presidente do país e com bandeiras dos Estados Unidos, seguranças do Congresso apontando as armas para uma das portas de acesso ao local em que se realizava a ratificação, um manifestante escalando uma tribuna do local e outros quebrando janelas do prédio.

Do lado de fora, há imagens mostrando a polícia tentando conter o ímpeto dos membros do protesto e vídeos de bombas disparadas no pátio que dá acesso ao complexo. Há notícia de que uma mulher foi baleada dentro do Capitólio e que, seriamente ferida, foi levada às pressas ao hospital.

No Twitter, Biden escreveu que a manifestação não é discordância, "é desordem". Em outro post, exigiu ao presidente Trump que vá à cadeia nacional de televisão dos EUA para cumprir o seu juramento e defender a Constituição do país pedindo o fim do sítio ao Capitólio.

Antes, na mesma rede social, Trump havia pedido a todos no Capitólio que permanecessem "em paz". "Sem violência! Lembre-se, NÓS somos o Partido da Lei e da Ordem", escreveu o republicano.

A notícia surge para limar certo otimismo das bolsas americanas com o governo Biden, que, mediante o controle de democratas em ambas as casas do Congresso — as eleições na Geórgia para duas cadeiras no Senado foram vencidas pelos "azuis" —, teria mais facilidade para aprovar sua agenda econômica (o que significaria mais estímulos fiscais).

No entanto, o evento trouxe incertezas ao radar e fez com que os índices acionários à vista em Nova York aparassem os seus ganhos no decorrer da sessão — ainda que o Dow Jones tenha fechado em recorde. Enquanto isso, o Nasdaq caiu, em face de perspectivas maiores de regulamentação sobre as "big techs" com a "onda azul".

Por aqui, o Ibovespa, que exatamente às 16h10 (por volta do horário da invasão ao Capitólio) atingiu a sua máxima histórica (120.924 pontos, em alta de 1,3%), não conseguiu manter a toada a partir de então, reduzindo a alta, até fechar em queda de 0,2%, aos 119.100 pontos.

Com isso, o Ibovespa novamente não conseguiu renovar o seu recorde de fechamento, registrado em 23 de janeiro, quando encerrou o dia aos 119.527,63 pontos.

O que é bom dura pouco: após recorde histórico no intraday, próximo dos 121 mil, Ibovespa desacelerou e acabou com perdas em meio à tensão nos EUA

"O ambiente hostil nos EUA mostrou que o cenário não é tão fácil para o início do governo Biden", diz Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, citando ainda que a tensão política americana se somou ao estresse local para puxar a alta do dólar e dos juros.

Quem sobe, quem desce

Faça chuva ou faça sol — ou trumpistas invadam o Capitólio —, as commodities continuam firmes e fortes.

As matérias-primas novamente foram destaque na sessão do Ibovespa, com o minério de ferro negociado na China, por exemplo, subindo 0,5% hoje, puxando as ações de siderúrgicas e Vale.

As ações da Petrobras chegaram a ser destaque hoje, avançando no máximo 0,9%, adicionando aos ganhos da véspera, quando subiram embaladas pelo corte surpresa na produção de petróleo pela Arábia Saudita.

Papéis dos bancos também avançaram, tentando se recuperar do ritmo lento com o qual iniciaram 2021 — Itaú PN subiu 2,8% e Bradesco PN avançou 3,1%, liderando as altas do segmento — e foram importante pressão de alta no índice.

Weg ON foi outra ação que subiu forte, 2,95%, com a sua presença no mercado externo.

Veja as maiores altas do Ibovespa:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)VARIAÇÃO
GGBR4Gerdau PN           27,99 4,95%
USIM5Usiminas PNA           15,72 4,11%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PN           12,55 4,06%
CSNA3CSN ON           36,20 4,05%
BRAP4Bradespar PN           70,54 4,04%

Na ponta negativa, ações do varejo se destacaram, com B2W ON liderando a baixa do Ibovespa e puxando sua controladora, Lojas Americanas.

Além disso, foi dia de tombo de Magazine Luiza ON (-5,33%), bem como de Via Varejo ON (-4,4%). Todos esses papéis guardam correlação com o Nasdaq, que fechou em queda em NY repercutindo o cenário de "onda azul" nos EUA que pode prejudicar as gigantes de tecnologia.

O analista da Toro Investimentos, Lucas Carvalho, diz que o movimento também significa uma punição dos investidores em meio à rotação de carteiras. "Papéis como Magalu subiram bastante e investidores embolsam lucros, optando por commodities", diz ele.

Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGOEMPRESAPREÇO (R$)VARIAÇÃO
BTOW3B2W ON           68,41 -6,93%
LAME4Lojas Americanas PN           23,50 -5,74%
ENEV3Eneva ON           59,40 -5,67%
RENT3Localiza ON           63,71 -5,45%
NTCO3Natura ON           48,90 -5,40%

Dólar e juros sobem com estresse doméstico

No mercado de câmbio, o dólar zerou a alta no meio da tarde e operava estável por volta das 16h, mas o alívio não se prolongou o suficiente: no fim do dia, os riscos locais — e a tensão política nos EUA — suplantaram a atuação do Banco Central, que havia pesado no câmbio antes, e a moeda fechou subindo 0,8%, para R$ 5,3024.

O BC ofereceu, por volta das 15h, US$ 500 milhões em operação de swap cambial (venda de dólar no mercado futuro), fator que reduziu o ímpeto da divisa.

Ainda assim, agentes financeiros acompanham com especial atenção os desdobramentos e a resolução vindos da reunião ministerial convocada pelo Palácio do Planalto para 8h de hoje, que fez o ministro Paulo Guedes interromper as suas férias e que não constava da agenda oficial do presidente Jair Bolsonaro ontem à noite.

A assessoria de imprensa do ministério da Economia informou, no entanto, que "oficialmente o ministro continua de férias" e que, "até o momento", não há informações sobre suspensão ou detalhes sobre a reunião. O assunto do encontro foi a vacinação contra o coronavírus, segundo a TV Globo.

Na terça (5), Bolsonaro disse a um grupo de apoiadores que "o Brasil está quebrado" e que ele "não pode fazer nada". Pela manhã de hoje, antes da primeira reunião ministerial do ano, o presidente disse que o "Brasil está uma maravilha".

Contra moedas de países emergentes pares do real, como peso mexicano e rublo russo, o dólar cai, indicando que fatores domésticos ainda pesam no comportamento da divisa americana contra o real hoje.

O lançamento do candidato Baleia Rossi, do MDB, à presidência da Câmara dos Deputados também é monitorado pelo mercado financeiro, depois que o PT, a maior sigla de oposição na casa, resolveu dar apoio ao deputado. Os apoiadores de Rossi somam 261 parlamentares.

Para além disso, os protestos de apoiadores de Trump, que invadiram o capitólio, pesaram no sentimento de risco e deram algum fôlego a mais à moeda.

Os juros futuros dos depósitos interfinanceiros, por sua vez, marcaram um forte avanço, seguindo a tendência de alta dos juros dos títulos do Tesouro americano.

No caso dos títulos públicos dos EUA, com a propensão de democratas a proverem mais estímulos fiscais, o perfil da dívida americana se torna mais arriscada, o que estimula um avanço nessas taxas para atrair credores.

Os juros futuros locais se mantêm perto de suas máximas refletindo um maior risco fiscal e incertezas políticas. Neste momento, juros curtos, como os para janeiro/2023, avançam 8 pontos-base (quase 0,1 ponto percentual), se aproximando do pico de 10 pontos-base de antes.

Juros mais longos dispararam com as incertezas no cenário político, que reacendem questões fiscais, caso das taxas de janeiro/2025 e janeiro/2027.

Veja os juros dos principais vencimentos:

  • Janeiro/2022: de 2,91% para 2,945%
  • Janeiro/2023: de 4,32% para 4,42%
  • Janeiro/2025: de 5,80% para 5,98%
  • Janeiro/2027: de 6,51% para 6,70%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Pandemia

Governo proíbe entrada de estrangeiros em voos provenientes da Índia

Restrição vale também para Reino Unido, Irlanda do Norte e África do Sul

Imposto de renda

Cerca de 12 milhões de pessoas ainda não enviaram declaração

Balanço foi divulgado pela Receita Federal na sexta-feira; prazo termina em 31 de maio

COLUNA DO JOJO

Como Jojo Wachsmann investiria o prêmio de R$ 1,5 milhão de Juliette, campeã do BBB21

CIO da Vitreo conta como alocaria uma carteira diversificada, segura e rentável com o prêmio do maior reality show do Brasil

Vai e vém

Demanda por crédito no Brasil cai 11% em abril, mas sobe 231% em 12 meses

Oscilação do índice medido pela Neurotech é atribuída a sazonalidade

Rapidinhas da semana

BLINK: Magalu ou ViaVarejo? Quem mandou melhor no 1º trimestre?

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Magalu, ViaVarejo e muito mais no Blink

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies