Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-11T19:46:15-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Sem tempo ruim! PEC Emergencial aprovada e economia americana aquecida levam Ibovespa a subir 2%; dólar tem queda firme

Tanto a bolsa como o dólar aproveitaram os ventos favoráveis para realizar correções positivas. A bolsa subiu quase 2%, enquanto o dólar recuou a R$ 5,54

11 de março de 2021
19:32 - atualizado às 19:46
otimismo
Imagem: Shutterstock

Depois de dias de muita volatilidade, os mercados globais não só tiveram uma sessão sem drama como também finalizaram o pregão com uma performance de gala nesta terça-feira (11) em que tudo conspirou para a retomada do apetite por risco. 

No Brasil, tivemos a finalização da aprovação da PEC Emergencial, que mesmo desidratada ainda preservou os gastos abaixo do teto, agradando o mercado. Além disso, o governo federal voltou a acenar positivamente para a compra de vacinas em um momento crítico - pelo segundo dia consecutivo, o país registrou mais de duas mil mortes em 24 horas.

No exterior, dados da economia americana seguem indicando uma recuperação vigorosa, que deve ser acelerada com o pacote de estímulos fiscais de US$ 1,9 trilhão, sancionado hoje pelo presidente Joe Biden. Já na Europa, o destaque do dia ficou por conta da decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que manteve os juros inalterados, mas indicou que irá acelerar o seu programa de compra de bônus. 

Esse otimismo todo levou o Ibovespa a encerrar o dia com uma alta de 1,96%, aos 114.983 pontos. Um resultado que deixa a bolsa brasileira perto de zerar a perda brusca do começo da semana. Em Wall Street, os ganhos também foram vigorosos. O Dow Jones encerrou o dia em alta de 0,58%, o S&P 500 avançou 1,04% e o Nasdaq teve alta de 2,52%. 

O dólar à vista, que vinha escalando fortemente nos últimos dias, também teve um alívio e tanto, recuando 1,94%, a R$ 5,5428 - nível de fechamento mais baixo desde o dia 25 de fevereiro. O movimento, embora tenha sido sentido em escala global, ganhou um empurrãozinho do Banco Central que mais uma vez injetou US$ 2 bilhões no sistema em leilão extra. 

A volatilidade intensa ficou por conta dos títulos americanos, que vêm causando pressão nos mercados acionários globais nas últimas semanas. Enquanto os títulos mais curtos tiveram um dia de queda, o T-Note de 10 anos e o T-Bond de 30 anos avançaram, mesmo diante de novos leilões feitos pelo Tesouro americano. 

No Brasil, o mercado de juros teve um comportamento inverso. A ponta mais curta da curva sentiu mais a pressão dos dados da inflação divulgados hoje, enquanto na ponta mais longa as taxas passaram por alívio. Confira:

  • Janeiro/2022: de 4,05% para 4,13%
  • Janeiro/2023: de 5,84% para 5,91%
  • Janeiro/2025: de 7,39% para 7,37%
  • Janeiro/2027: de 7,98% para 7,90%

Correndo atrás

Enquanto a pandemia não mostra sinais de arrefecimento, muito pelo contrário, o mercado preferiu apostar as suas fichas nos sinais de que, no médio prazo, a situação deve ser resolvida. 

O principal fator que apoia esse otimismo é a aprovação da PEC Emergencial em segundo turno na Câmara, finalizado nesta tarde. Agora a casa vota novos destaques apresentados. Você pode conferir a cobertura completa nesta matéria. 

A leitura dos analistas e investidores é de que, mesmo desidratado, o texto conseguiu preservar a sua “espinha dorsal”, o que destrava o pagamento de uma nova rodada do auxílio emergencial de forma a não sobrecarregar ainda mais o quadro fiscal. Vale lembrar que a ampliação de medidas cada vez mais restritivas, como as anunciadas hoje no estado de São Paulo, trazem ainda mais urgência para a aprovação do benefício para a população mais carente. 

Mesmo que o processo de vacinação no país ainda caminhe a passos lentos, o mercado também está mais otimista nesta frente. Ontem o presidente Jair Bolsonaro assinou projetos que aceleram a aquisição de imunizantes pelo governo federal e também pelo setor privado e hoje voltou a reforçar a importância da vacinação para conter a crise.

Na cola do dragão 

Com a proximidade da decisão de política monetária do Banco Central, o resultado da inflação foi observado de perto. Os números acabaram não fazendo preço na bolsa nesta tarde porque, segundo operadores, o avanço do IPCA já era esperado e precificado.

O IPCA acelerou 0,86%, maior nível para o mês desde fevereiro de 2016, e deve pressionar ainda mais o Banco Central (BC) a elevar a taxa Selic já nesta próxima reunião. 

Na cola do dragão - versão gringa

O mercado está acompanhando com lupa a recuperação econômica dos Estados Unidos - e esse foi o maior driver positivo de hoje. 

Hoje o presidente Joe Biden sancionou o pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão, que deve despejar ainda mais recursos no sistema financeiro e aumentar a liquidez do mercado. 

Com o temor de que os estímulos superaqueçam a economia e levem a uma pressão inflacionária, os juros futuros americanos apresentaram mais um dia de instabilidade. Relembrando: o temor é que o excesso de estímulos acabe levando a uma pressão inflacionária que obrigue o Federal Reserve a aumentar os juros antes do tempo. 

Nas últimas semanas o Fed tem tentado afastar essa ideia da cabeça do mercado, mas mesmo com a inflação medida pelo CPI vindo abaixo do esperado, os investidores seguem cautelosos. Os pedidos semanais de auxílio desemprego também vieram abaixo do esperado, reforçando a leitura de recuperação econômica. 

Na Europa, os mercados reagiram positivamente à decisão do Banco Central Europeu de manter a sua política monetária inalterada. O BCE também prometeu elevar a compra de bônus para garantir condições financeiras favoráveis.

Surpresa!!

O dólar, que chegou a disparar para a casa dos R$ 5,80 nesta semana parece ter encontrado um caminho de volta a patamares mais “cômodos”. A queda expressiva dos últimos dias é uma reação à expectativa de grande injeção de liquidez que será feita pelo governo americano, mas também tem uma mãozinha do Banco Central brasileiro. 

"O Banco Central está bastante incomodado com o patamar em que o dólar se encontra e, com isso, temos visto diversas atuações”, destaca a analista da Toro Investimentos, Stefany Oliveira. A analista também destaca que, com as apostas de uma Selic mais alta já na semana que vem, o câmbio acaba também passando por uma despressurização. 

Mas o que chama atenção mesmo são as atuações do Banco Central, que têm sido frequentes nas últimas semanas, às vezes até mesmo com dois leilões extras por dia. Para Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora, a tendência é que a moeda volte confortavelmente para a casa dos R$ 5,50 para depois buscar o seu ponto de equilíbrio próximo dos R$ 5,30. 

Para amanhã, teremos mais BC na área. O Banco Central anunciou no fim da tarde que fará um leilão de US$ 750 milhões de swap cambial. 

Destaques do dia

Com a perspectiva de mais vacinas chegando ao país e uma menor pressão no dólar - após seguidas atuações do Banco Central -, as empresas administradoras de shoppings centers e ligadas ao turismo, setores fortemente atingidos pelo coronavírus e as restrições, tiveram grande destaque no pregão de hoje. 

Destaque também para CCR e EcoRodovias, que subiram após bons resultados, indicando uma retomada do tráfego nas estradas. 

Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
CVCB3CVC ON         R$ 18,1210,96%
CSNA3CSN ON         R$ 37,289,17%
ECOR3Ecorodovias ON         R$ 11,578,64%
CCRO3CCR ON         R$ 12,548,10%
GOLL4Gol PN         R$ 23,037,17%

As empresas exportadoras, que se beneficiaram da esticada do câmbio nos últimos dias, seguem acompanhando o movimento da moeda americana. Com a desvalorização recente, essas companhias devolveram parte dos ganhos. 

Entre os destaques negativos, a empresa que mais recuou hoje foi a Totvs, ainda em um movimento de correção após altas recentes. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
TOTS3Totvs ON         R$ 27,56-1,99%
PRIO3PetroRio ON         R$ 92,85-1,64%
JBSS3JBS ON         R$ 26,48-1,38%
KLBN11Klabin units         R$ 28,93-1,20%
RADL3Raia Drogasil ON         24,06-1,19%

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Podcast Mesa Pra Quatro

De corretor de investimentos a árbitro e comentarista de futebol: conheça a trajetória de Arnaldo Cézar Coelho

O ex-árbitro e ex-comentarista de futebol é o convidado do podcast Mesa Pra Quatro. Ele conta como sua mãe influenciou a investir em imóveis e fala sobre a sua trajetória no mercado financeiro, um lado que poucos conhecem – confira agora

nome limpo na praça

Boa Vista (BOAS3): Itaú BBA inicia cobertura com ‘compra’ e potencial de alta de 27%

Preço-alvo para 2022 foi estabelecido em R$ 15,50, apoiado na tese de crescimento da companhia e do mercado de serviço de informações de crédito

de olho na inovação

Bitcoin é ineficiente como moeda e bom apenas para especulação, diz ‘Papa’ do valuation

Damodaran disse que a importância que tem sido dada ao bitcoin é desproporcional em relação ao seu papel na economia e minimizou a adoção da criptomoeda por El Salvador

entrevista

Para economista-chefe do Santander Brasil, flexibilização do teto de gastos já é uma realidade

É preciso entender a dinâmica do momento para não entrar em escaladas “otimistas” ou “pessimistas”, diz Ana Paula Vescovi

pós-fusão

Ações da Hering (HGTX3) deixam de ser negociadas na B3 a partir desta segunda (20)

Transferência de papéis faz parte do acordo de fusão entre as companhias; Soma comprou a Hering em abril

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies