Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-02-10T16:54:53-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Mercados hoje

Ibovespa cai 1% com piora em NY e preocupação fiscal; dólar tem instabilidade

Enquanto os dados do varejo frustraram as expectativas dos investidores, lá fora dados da economia americana impulsionaram os negócios

10 de fevereiro de 2021
10:52 - atualizado às 16:54
Selo Mercados Touro e Urso Baixa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O cenário doméstico tem uma série de fatores locais que impedem o Ibovespa de seguir o otimismo visto no exterior nesta quarta-feira (10). Por volta das 16h30, o índice recuava 1,05%, aos 118.219,44 pontos.

O Ibovespa chegou a ensaiar uma alta, mas não conseguiu manter o ritmo por muito tempo: a preocupação com a questão fiscal e os dados do varejo piores do que o esperado pesam para os investidores.

Mais cedo, uma melhora das bolsas americanas chegou a animar o Ibovespa, após o índice de preços ao consumidor do país avançar 0,3%, conforme o previsto pelos analistas do mercado.

A queda do principal índice da bolsa superou 1% pela manhã. O movimento foi amenizado com a notícia de que o ministro Paulo Guedes teria descartado a possibilidade de um novo imposto para bancar o auxílio emergencial. Mas por volta das 16h, o Ibovespa voltou a perder mais de 1%.

Nesta quarta, o dólar acentuou a queda em escala global, o que fez com que a moeda americana diminuísse o ritmo de alta no Brasil e no início da tarde passasse a operar em baixa, também após as falas de Guedes.

Na mínima, a divisa recuou 0,60%, para R$ 5,3506, mas por volta das 16h30, a moeda americana operava de maneira instável, a R$ 5,3765.

Pacote em discussão

No exterior, o clima positivo também não se manteve por muito tempo. Depois do abrir o dia em alta e bater novos recordes intraday, as bolsas americanas reverteram os ganhos e operam próximos da estabilidade, mas em leve queda, levando junto as bolsas europeias - que fecharam em queda.

Existe uma expectativa para o pronunciamento do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que deve falar no meio da tarde, e novidades sobre o pacote fiscal trilionário que deve ajudar a economia americana.

No Brasil, a preocupação com o cenário fiscal é o principal foco de atenção. O mercado teme que uma nova rodada do auxílio emergencial ocorra sem uma contrapartida fiscal, o que pode prejudicar ainda mais as contas públicas. Nos últimos dias, ruídos chegam de toda parte, mas o que o mercado realmente quer saber é como essas novas parcelas devem ser financiadas.

Os números do varejo divulgados agora pela manhã também pendem o índice para o lado negativo. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o varejo restrito acumulou uma alta de 1,2% no ano, mas a mediana das projeções apontavam uma alta de 1,65%. Em dezembro, a queda foi de 6,1%, a maior para o mês na série histórica. A estimativa dos analistas era um recuo de 3,20%.

Do lado positivo, temos a expectativa pela aprovação da autonomia do Banco Central (BC), o que pode trazer algum alívio para os negócios. Mas, segundo Alvaro Bandeira, sócio e economista-chefe do banco digital modalmais, para que o Ibovespa de fato engate uma recuperação, além da situação política, também será preciso maior definição sobre possível ingerência na Petrobras na formulação de preços de derivados, que assustou os mercados na semana passada.

As bolsas asiáticas, que ficarão fechadas pelos próximos dias para a celebração do ano novo chinês fecharam em alta durante a madrugada, mas os mercados europeu e americano ficaram com fôlego limitado.

No mercado de juros, os contratos com vencimentos mais curtos e longos apresentam um ritmo de queda. Confira as taxas de hoje:

  • Janeiro/2022: de 3,40% para 3,36%
  • Janeiro/2023: de 5,00% para 4,86%
  • Janeiro/2025: de 6,48% para 6,41%
  • Janeiro/2027: de 7,12% para 7,08%

Sobe e desce

Em dia de poucos destaques positivos no índice, confira os principais desempenhos desta tarde:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
TOTS3Totvs ONR$ 31,441,98%
SUZB3Suzano ONR$ 68,112,11%
WEGE3Weg ONR$ 86,371,60%
PETR3Petrobras ONR$ 28,031,15%
KLBN11Klabin unitsR$ 28,181,15%

Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
RAIL3Rumo ONR$ 19,97-4,22%
JHSF3JHSF ONR$ 7,06-3,95%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 109,45-3,75%
BPCA11BTG Pactual unitsR$ 109,45-3,75%
COGN3Cogna ONR$ 4,26-3,62%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Palavra do CEO

Eduardo Ragasol, da Neogrid: Como o sucesso do cliente pode ajudar no desenvolvimento do seu negócio

Conhecimento é poder. Entenda a fundo seu cliente. Utilize toda a tecnologia e informações que estão à disposição. Alinhe expectativas. E meça o desempenho dos envolvidos

Se cuida, bitcoin!

Atualização EIP-1559 concluída: confira as mudanças do Ethereum (ETH) com o ‘London Fork’

Batizada de “hard fork London”, a Proposta de Melhoria do Ethereum 1559 (EIP-1559) deve reduzir taxas e tornar a moeda deflacionária

olho lá fora

Petrobras dispara 14% em NY, após balanço e antecipação de dividendos

Por volta das 21h (horário de Brasília), PBR subia 14%; empresa reportou forte fluxo de caixa e lucro surpreendeu analistas

Sem surpresas, mas depende...

Fim do ciclo de alta da Selic? Tudo depende da manutenção do teto de gastos e da política fiscal — e as próximas semanas devem ser decisivas

Para Marcelo Fonseca,chama a atenção o posicionamento do Copom de elevar a taxa até um patamar restritivo, mas o BC está no caminho certo. O economista vê o fim do ciclo de alta no patamar dos 7,5%, mas tudo depende do destino do teto de gastos

seu dinheiro na sua noite

Ibovespa em dia de nova taxa Selic expõe tensão; veja os destaques desta quarta

O Banco Central divulgou há pouco a elevação da taxa básica de juros, a Selic, de 4,25% para 5,25%. Essa alta de 1,00 ponto percentual já vinha sendo antecipada e esperada pelo mercado financeiro, mas isso não impediu que o pregão pré-Copom desta quarta-feira fosse marcado pela cautela. E o Ibovespa que o diga. Receios sobre […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies