Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-10-22T22:33:15-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

‘Fico’ de Guedes não apaga mau humor do mercado com furo no teto de gastos e Ibovespa despenca na semana; dólar volta a R$ 5,70

O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,34%, aos 106.296 pontos — longe das mínimas, mas no menor nível desde novembro de 2020. Na semana, a queda foi feia, e o Ibovespa recuou mais de 7%.

22 de outubro de 2021
19:32 - atualizado às 22:33
Montagem de Bolsonaro sorrindo e jogando dinheiro e gráficos vermelhos em queda ao fundo
Os gastos além-teto azedaram o humor dos investidores e devem seguir causando desconforto - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Isac Nóbrega/PR

Pelo menos um dos temores do mercado teve um desfecho nesta sexta-feira (22) — Paulo Guedes segue sendo o ministro da Economia, e o país não vai passar o fim de semana na incerteza.

Após as baixas recentes na equipe econômica, o capitão do navio continua firme. Diante de tantas incertezas e a confirmação da elevação dos gastos, ter alguma estabilidade é importante.

Hoje, Paulo Guedes e Jair Bolsonaro apareceram lado a lado. Não só para confirmar que o ministro da Economia segue no cargo, mas também para explicar os motivos que fizeram a ala econômica ceder aos pedidos da ala política e autorizar um aumento nas despesas públicas, desrespeitando o teto de gastos.

O pronunciamento foi seguido de uma entrevista coletiva, e o evento durou pouco mais de uma hora. O Ibovespa chegou a flertar com o campo positivo, mas o “fico” de Guedes foi insuficiente para mudar totalmente o rumo dos negócios.

O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,34%, aos 106.296 pontos — longe das mínimas, mas no menor nível desde novembro de 2020. Na semana, a queda foi feia, e o Ibovespa recuou mais de 7%.

Porto seguro em mares turbulentos, o dólar avançou 3,16% nos últimos dias e chegou a voltar ao patamar dos R$ 5,70, mesmo com forte atuação do Banco Central para segurar a cotação da moeda. Hoje, Guedes serviu de bálsamo e a divisa recuou 0,71%, a R$ 5,6273. Quem se favoreceu com esse cenário foram as empresas exportadoras com receita em dólar, que avançaram mesmo com a queda do Ibovespa.

O mercado financeiro sai desta semana machucado — e não estamos falando só da queda da bolsa aqui. Guedes, antes visto como grande defensor da agenda liberal, permitiu que fosse construído um “puxadinho” para o teto de gastos. Na prática, a âncora fiscal que tem mantido os gastos públicos na linha desde 2016 perdeu a credibilidade.

Paulo Guedes fica, mas o clima ainda é de luto no mercado. O tempo para aprovar as tão prometidas reformas está acabando e, mesmo que passem, os recursos já estão comprometidos. O foco agora se volta para a decisão de política monetária do Copom, na próxima quarta-feira.

Depois da pesada deterioração do cenário fiscal dos últimos dias, os investidores acreditam que será preciso agir com mais rapidez. Ainda que tenha reduzido a inclinação, a curva de juros já mostra projeção de Selic em dois dígitos no começo do ano que vem.

Mais cedo, alguns contratos de DI chegaram a ter as negociações paralisadas após oscilação máxima permitida. As opções de Copom negociadas na B3 mostram que a maior parte do mercado já espera uma elevação de no mínimo 1,25% na próxima reunião do Copom. Confira os fechamentos dos principais contratos de DI hoje:

  • Janeiro de 2022: de 7,89% para 8,24%
  • Janeiro de 2023: de 10,58% para 10,93%
  • Janeiro de 2025: de 11,50% para 11,60%
  • Janeiro de 2027: de 11,78% para 11,86%

Qual investimento mais foi impactado?

Depois de saber como o mercado fechou essa semana, que tal entender como seus investimentos reagiram? Confere aqui como o Real Valor pode te ajudar!

Os sobreviventes

Na noite de ontem, Bruno Funchal, secretário especial do Tesouro e Orçamento; Gildenora Dantas, sua adjunta; Jeferson Bittencourt, secretário do Tesouro Nacional; e seu adjunto, Rafael Araujo, pediram exoneração do Ministério da Economia. 

A gota d’água teria sido a aprovação do furo no teto de gastos e as manobras feitas via PEC dos precatórios para encaixar mais de R$ 80 bilhões em novas despesas - o que incluiu os R$ 400 do Auxílio Brasil e do auxílio aos caminhoneiros anunciado por Bolsonaro. 

Funchal é visto pelo mercado como um dos principais responsáveis pela defesa da saúde fiscal do país e sua saída da equipe demonstra a fragilidade em que se encontra o ministro Paulo Guedes. O ministro da Economia, em sua declaração nesta tarde, justificou que os secretários que olham para a parte econômica tiveram alguma dificuldade para entender as demandas da população e da ala política. 

Guedes também aproveitou para dizer que os dois lados cederam, afinal, o auxílio de R$ 400 está longe dos R$ 600 inicialmente pretendidos pelo Executivo. 

Depois de algumas semanas de enrosco, a PEC dos precatórios, responsável pela construção do puxadinho, parece avançar rapidamente. Depois do texto aprovado, a pauta deve seguir para votação no plenário da Câmara. Os principais pontos do texto são a mudança do indexador do teto de gastos e o prazo para o reajuste, medidas responsáveis por abrir espaço para financiar os novos gastos. 

Nicolas Borsoi, economista da Nova Futura Investimentos, é um dos muitos que mostram descontentamento com o caminho aberto pelo texto, já que agora existe uma incerteza sobre qual será a âncora fiscal daqui pra frente. 

“O mercado vai continuar estressado na próxima semana. Os investidores estão machucados pelas promessas não cumpridas, e a agenda de reformas e privatizações não avança. O que é apresentado é muito mais populista do que se esperava de um ministro liberal”. 

Em Wall Street

Com o conturbado cenário doméstico, Wall Street ficou em segundo plano nesta semana, mas não foi esquecida. As empresas americanas seguem apresentando bons números, o que dá fôlego para que as bolsas americanas voltem a buscar suas máximas. 

Hoje, no entanto, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, deu uma azedada no humor internacional ao falar sobre a elevação da inflação "bem acima da meta". Para a maior parte do mercado, a fala confirma que a redução dos estímulos monetários deve mesmo começar na reunião de novembro. Os índices em Nova York fecharam mistos. 

  • Nasdaq: -0,82% - 15.090 pontos
  • S&P 500: -0,11% - 4.544 pontos 
  • Dow Jones: 0,21% - 35.677 pontos

Sobe e desce do Ibovespa

Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOMEVARIAÇÃO
KLBN11Klabin units3,67%
SUZB3Suzano ON2,85%
LAME4Lojas Americanas PN2,26%
BBSE3BB Seguridade ON0,18%
ENBR3Energias do Brasil ON-0,26%

Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVARIAÇÃO
BIDI4Banco Inter PN-21,45%
CASH3Méliuz ON-21,21%
BIDI11Banco Inter unit-20,41%
EZTC3EZTEC ON-18,29%
PETZ3Petz ON-17,88%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os investidores agora viraram virologistas: os impactos da Ômicron sobre os mercados

Ainda não sabemos o bastante para decidir se esta é uma oportunidade de compra, mas parecemos estar mais preparados como sociedade para enfrentar o problema

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Fechamento do dia

Mercado supera susto com ômicron, e bolsas globais engatam recuperação; Ibovespa sobe com menos força, de olho na PEC dos precatórios

Pesando os desafios fiscais brasileiros, o Ibovespa fechou longe das máximas, mas se recuperou parcialmente do tombo de sexta-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies