Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-20T18:54:40-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Tempo feio não perdura e Ibovespa dribla ruídos políticos para fechar o dia acima dos 125 mil pontos; dólar cai a R$ 5,23

Com o mercado rebalanceando a mão após os exageros da véspera, o Ibovespa demorou para acompanhar Wall Street, mas acabou encerrando o pregão com alta de 0,81%

20 de julho de 2021
18:35 - atualizado às 18:54
Montagem com um campo em dia de sol e chuva
Imagem: Shutterstock

A tempestade anunciada pela nuvem negra que se formou no mercado acionário global na segunda-feira (19) parece ter se transformado em uma chuva de verão. Daquelas que assustam e fazem barulho, mas logo vão embora. 

Depois do tombo de ontem, o dia amanheceu com sol intenso. Bom, pelo menos foi isso que aconteceu em Nova York. Para Victor Benndorf, analista da Apollo Investimentos, o coronavírus é pauta superada e os temores expressos pelo mercado no pregão de ontem estão mais ligados à continuidade dos estímulos, o que traz dúvidas sobre a recuperação global.

Nas últimas semanas, a China reduziu o seu compulsório, levantando dúvidas sobre o estado da sua economia, e os Estados Unidos seguem registrando uma intensa compra de ativos do Tesouro. A variante delta e o risco que a nova cepa pode trazer para a economia global ainda pairam no ar, mas o Nasdaq avançou 1,57%, o S&P 500 teve alta de 1,52% e o Dow Jones subiu 1,62%.

O VIX, considerado o "índice do medo" e que mede a expectativa de volatilidade no mercado, recuou mais de 12%, após ter subido mais de 20% na véspera. Por aqui, foi preciso um pouco mais de paciência para que o mercado local acompanhasse o movimento visto no exterior e, ainda assim, a recuperação não foi tão firme, limitada pelo cenário político local. 

O Ibovespa conseguiu fechar o dia bem longe das mínimas e retomar o patamar técnico dos 125 mil pontos, em alta de 0,81%, aos 125.401 pontos. Além do referencial de Nova York, as perspectivas menos catastróficas para a economia global levaram a uma recuperação do petróleo - que fechou o dia em alta de menos de 1%, após o tombo de 7% de ontem - , o que ajudou a Petrobras a reverter parte das perdas do dia anterior e sustentar o índice. 

O dólar à vista também chegou a operar em alta no começo da manhã, mas se firmou em patamares mais baixos ao longo da tarde, quando os negócios locais ganharam tração. A moeda americana encerrou o dia em queda de 0,37%, a R$ 5,2311. 

Com o cenário externo favorável, o mercado de juros seguiu a mesma tendência dos últimos dias e operou em queda. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/22: de 5,77% para 5,76%
  • Janeiro/23: de 7,19% para 7,12%
  • Janeiro/25: de 8,17% para 8,09%
  • Janeiro/27: de 8,60% para 8,56%

Vazio não é paz

Brasília pode estar vazia, mas a preocupação do mercado com as idas e vindas políticas não cessaram com o início do recesso parlamentar. Os parlamentares estão de férias, mas os ruídos políticos não. 

Primeiro, temos o presidente Jair Bolsonaro desgastando a já debilitada relação dos Três Poderes com novas acusações de fraudes no sistema de urnas eletrônicas. Outro ponto de tensão é a espera pelo veto do presidente ao fundo eleitoral de quase R$ 6 bilhões e que foi incluído na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2022. Bolsonaro já deixou claro que irá vetar o trecho, o que deve gerar insatisfação no Congresso. 

Para Benndorf, da Apollo Investimentos, a bolsa brasileira perde parte da correlação com os seus pares internacionais justamente pelo cenário mais complexo e pesado que observamos na capital federal — e o embate de Bolsonaro com o fundo eleitoral deve piorar a situação da base de apoio do governo no Congresso. Para o analista, as probabilidades de aprovação se esgotam com a proximidade das eleições em 2022 e as chances de desidratação dos textos das reformas são altas.

Quer saber quais são as grandes apostas da bolsa para o segundo trimestre? Confira no vídeo abaixo:

Sobe e desce

O principal destaque do dia foram as ações dos frigoríficos. A China tem encontrado dificuldades em controlar a peste suína que ataca os seus rebanhos, o que leva as empresas brasileiras a manterem por mais algum tempo o fluxo de exportações para o continente asiático. A JBS, líder no processamento de suínos, se isolou com o melhor desempenho durante todo o pregão. Confira as maiores altas da bolsa nesta terça-feira:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
JBSS3JBS ONR$ 30,616,69%
EMBR3Embraer ONR$ 18,325,90%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 8,335,44%
MRFG3Marfrig ONR$ 19,674,24%
GOLL4Gol PNR$ 21,533,51%

Confira também as maiores baixas:

CÓDIGONOMEVARIAÇÃOVAR
HAPV3Hapvida ONR$ 14,75-3,02%
GNDI3Intermédica ONR$ 81,95-2,32%
MRVE3MRV ONR$ 15,76-1,99%
EZTC3EZTEC ONR$ 29,13-1,99%
AMER3Americanas S.A. ONR$ 61,24-1,10%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fechamento Hoje

Tensão entre Rússia e Ucrânia e expectativa com reunião do Fed derrubam bolsas pelo mundo, e Ibovespa cai quase 1%, mas NY vira para o azul na reta final

Wall Street consegue uma virada impressionante e fechar em alta, depois de índices terem chegado a cair mais de 3%; Ibovespa reduziu perdas, mas ainda fechou com queda significativa, enquanto dólar subiu

NOVOS NEGÓCIOS

Google está de olho nas criptomoedas e vai criar unidade de negócio dedicada ao blockchain; entenda o que está por trás da decisão

Antes de se aventurar, gigante de tecnologia assistiu com cautela as movimentações das concorrentes para entrar no mercado de criptomoedas

MELHORA ARTIFICIAL

Pedidos de recuperação judicial caem em 2021 ao menor nível desde 2014

Para os especialistas os números do ano passado não representam uma recuperação econômica, mas uma melhora artificial no ambiente de negócios promovida por políticas públicas pontuais

APOSTA NA SIDERURGIA

A vez da Usiminas: BTG estima alta de mais de 55% para USIM5 nos próximos meses; saiba o que pode impulsionar as ações

Segundo os analistas, a empresa negocia nos múltiplos mais baixos da década e deve surfar na recuperação dos preços do aço

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies