Menu
2021-05-14T19:00:36-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Fechamento da semana

Inflação americana e minério de ferro vivem ‘dias de luta e dias de glória’, monopolizando a semana; dólar avança e bolsa recua no período

O minério de ferro puxou Vale e siderúrgicas para cima – mas depois derrubou. A inflação americana também assustou, mas conseguiu acalmar o ânimo dos investidores. Confira tudo o que movimentou a semana

14 de maio de 2021
18:27 - atualizado às 19:00
Estátua da Liberdade Assustada Cifrão Foguete v4 inflação
Imagem: Montagem Andrei Morais/Shutterstock

O mercado foi movimentado, mas sem muitos temas para variar o noticiário: começamos a segunda-feira falando de minério de ferro e inflação e terminamos a sexta-feira da mesma forma. Até a bolsa ficou quase estável.

Se no começo da semana o bom desempenho do minério de ferro impediu a bolsa brasileira de acompanhar a queda em Nova York, hoje o tombo da commodity segurou um pouco o fôlego do Ibovespa e fez com que o índice brasileiro fechasse em uma alta um pouco mais moderada que os seus pares americanos nesta sexta-feira (14). 

Em Wall Street, novos dados da economia americana voltaram a atenuar o perigo de um superaquecimento da atividade, ajudando os ativos na recuperação do baque da última quarta-feira (12), quando o temor de uma pressão inflacionária que obrigue o Federal Reserve a aumentar os juros apavorou os mercados após a divulgação dos números do CPI (índice de preços ao consumidor. Hoje o Dow Jones avançou 1,09%, o S&P 500 teve alta de 1,48% e o Nasdaq, índice que mais sofreu nos últimos dias, registrou um ganho de 2,32%. 

O cenário doméstico deu uma folga nos últimos dias, com a CPI da Covid - que tanto causou cautela antes de sua instauração - sendo apenas pano de fundo, sem realmente movimentar o mercado. O que movimentou mesmo os negócios na B3 foi a temporada de balanços e a cotação do minério de ferro. 

Revertendo a cotação recorde do início da semana - quando puxou para cima empresas como Vale e siderúrgicas -, o minério de ferro passou por um dia de ajuste, tombando mais de 12%. Por tabela, as companhias com exposição às commodities metálicas também recuaram. 

Para compensar o movimento, a alta do petróleo e o bom desempenho da Petrobras pós-balanço equilibraram um pouco as coisas. O Ibovespa avançou 0,97%, aos 121.880 pontos, mas o saldo na semana foi negativo - um leve recuo de 0,13%. 

Acompanhando o movimento de enfraquecimento visto no exterior, o dólar à vista fechou em queda de 0,80%, a R$ 5,2710. O movimento foi insuficiente para reverter o saldo da semana e a moeda avançou 0,81% no período. 

Mesmo com uma tarde cheia de declarações dos diretores do Banco Central, o mercado de juros não pareceu reagir, ainda que tenha revertido o movimento que predominou na parte da manhã. Confira as taxas de fechamento:

  • Janeiro/2022: de 4,88% para 4,95%
  • Janeiro/2023: de 6,71% para 6,77%
  • Janeiro/2025: de 8,24% para 8,27%
  • Janeiro/2027: de 8,83% para 8,85%

O conto da águia e do dragão

Os últimos dias foram de realização de profecias. Digo isso porque nos últimos meses o retorno dos títulos do Tesouro americano indicavam uma leitura de que a inflação começaria a acelerar e, agora, os índices de preço do país começam a mostrar que a meta de 2% do Federal Reserve está ameaçada. 

Mesmo que a disparada seja discreta para os padrões brasileiros, o Fed pode sentir a necessidade de aumentar os juros antes do tempo, o que não agrada. Na quarta-feira (12), a divulgação do CPI nos Estados Unidos deixou os ativos globais em alerta. Dólar e juros futuros dispararam enquanto as bolsas globais registraram perdas significativas. 

Na ocasião, o índice teve um avanço de 0,8%, contra a estimativa de 0,2%. No dia seguinte, o PPI, índice de preços ao produtor, também acelerou - alta de 0,6% em abril ante março. Agora o mercado aguarda o PCE, que mede Despesas com Consumo Pessoal, e é o índice “favorito” do Federal Reserve para guiar suas decisões de política monetária. 

Mais do que somente os trilhões em estímulos injetados na economia, os preços também disparam por conta de alterações e dificuldades trazidas pelo coronavírus ao processo produtivo e a falta de insumos. Aqui eu trago os principais pontos para você entender como funciona a inflação americana. 

Hoje, o que movimentou a agenda de indicadores não foram os índices de preço, mas sim de vendas. De acordo com o departamento do comércio dos Estados Unidos, as vendas ficaram estagnadas em abril, um fato que surpreendeu os economistas, que esperavam alta de 1,0%. A produção industrial também decepcionou. 

Se lembrarmos que na semana passada o payroll, com dados do mercado de trabalho, também decepcionou, é provável que se pense em uma reação negativa. Mas o que aconteceu foi justamente o contrário. 

Esses dados “divergentes”, que ora mostram superaquecimento e ora mostram dificuldades de reação, são bem-vindos. Para os investidores, isso indica que a economia não corre perigo e o Fed não deve correr para apagar o fogo com um aumento de juros que faria o capital migrar da renda variável para ativos mais seguros e que retiraria recursos dos países emergentes, obrigando os BCs locais a também ajustarem suas posições.  

Segundo Carla Argenta, economista-chefe da CM Capital, a disparidade dos indicadores ocorre porque estamos saindo de uma crise e a economia não costuma funcionar de forma “redondinha”. “As variáveis econômicas representam uma evolução errática. Algumas se recuperam antes, outras depois. Acaba sendo um processo natural”.

Estamos longe de ver um fim para a saga da Águia e do Dragão…

Morde e assopra

Ao longo de toda a semana - e nos últimos meses - as commodities, principalmente as metálicas, salvam o Ibovespa de um destino pior. É só lembrar que mesmo com o cenário político-fiscal ainda muito desgastado e a pandemia ainda fora do controle, o Ibovespa segue acima dos 120 mil pontos. 

Um dos principais responsáveis por isso é o minério de ferro. Desde 2020 a commodity vem em um rali alucinante e que renovou níveis recordes nesta semana - no patamar dos US$ 230 por tonelada. 

A Vale e as siderúrgicas, com grande exposição ao ativo e peso significativo na carteira teórica do Ibovespa agradecem. Muitos dias elas foram a salvação da bolsa brasileira. 

Hoje, no entanto, o minério de ferro despencou mais de 12%. na China. O país estaria se esforçando para conter o avanço do preço e a commodity também passou por um ajuste após deixar de ser negociado um dia para um ajuste. O resultado disso é que Vale, Usiminas, Gerdau e Metalúrgica Gerdau tiveram alguns dos piores desempenhos do dia. 

Ao longo da semana, o repórter Victor Aguiar acompanhou toda a movimentação do minério e te conta porque a commodity virou pedra preciosa e o que levou a essa forte correção hoje

Sobe e desce

Com a temporada de balanços em ritmo alucinante, as maiores altas da semana ficaram com companhias que apresentaram resultados sólidos e que agradaram o mercado. Confira:

CÓDIGONOME VALORVARSEMANA
YDUQ3Yduqs ONR$ 31,7310,91%
PETR4Petrobras PNR$ 26,167,30%
PETR3Petrobras ONR$ 25,556,77%
ENEV3Eneva ONR$ 16,416,49%
ABEV3Ambev ONR$ 17,236,29%

Confira também as maiores quedas dos últimos dias:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
BIDI11Banco Inter unitR$ 181,86-13,39%
USIM5Usiminas PNAR$ 20,41-11,80%
TOTS3Totvs ONR$ 30,95-8,92%
LWSA3Locaweb ONR$ 22,83-7,98%
RENT3Localiza ONR$ 58,60-7,29%
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

IPO da Smart Fit: vai sair da jaula o monstro!

Eu nunca fui muito de academia, confesso. Já tive meus tempos de malhar regularmente, mas nunca consegui tomar gosto pela coisa. Exercícios repetitivos não me cativam, meu negócio sempre foi dançar, de preferência em turma, com professor e horário, se não eu falto. Como você deve imaginar, entre meus colegas jornalistas não é muito diferente. […]

atenção, acionista

Vale eleva valor de dividendo a ser em pago em 30 de junho para R$ 2,189 por ação

No dia 17 de junho, a empresa tinha informado o pagamento de R$ 2,177 de dividendo por ação; demais condições da distribuição não serão alteradas

de olho na inovação

Moeda digital é nova forma de representação da moeda já emitida, diz Campos Neto

Segundo ele, ela não se confunde com os criptoativos, como o bitcoin, que não têm característica de moeda, mas sim de ativos

em audiência

Yellen diz esperar apoio do G-20 para proposta de imposto corporativo global

Grupo das 20 maiores economias do mundo se reúne em julho e deve debater o assunto

retomada

PIB da Argentina sobe 2,6% no 1º trimestre

Na comparação com igual período do ano passado, o avanço foi de 2,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies