O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-12-06T19:42:09-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Temor reduzido com ômicron e alta das commodities levam recuperação ao Ibovespa, mas dólar sobe de olho nos riscos inalterados

Em semana de decisão de política monetária, o Ibovespa aproveitou o dia de agenda esvaziada para se recuperar das quedas recentes

6 de dezembro de 2021
18:59 - atualizado às 19:42
vacina bolsa coronavírus
Imagem: Shutterstock

Há menos de duas semanas o mundo enfrentava mais uma vez o caos do desconhecido. Uma nova variante do coronavírus — mais tarde batizada de ômicron pela Organização Mundial da Saúde (OMS) — assustou governos, médicos e investidores, e trouxe de volta as lembranças das piores consequências da pandemia.

É bem verdade que muito ainda é desconhecido, mas os especialistas parecem caminhar para um consenso de que o monstro é menos assustador do que o imaginado.

Anthony Fauci, infectologista e conselheiro da Casa Branca, ajudou a aliviar o humor dos investidores ao afirmar que, até o momento, a nova variante mostra casos predominantemente leves e pouco fatais.

A disseminação do coronavírus entre não vacinados em diversas regiões da Europa preocupa, mas a necessidade de lockdown nos mesmos modelos vistos no passado parece cada vez menos provável.

O apetite por risco no exterior levou as bolsas americanas a fecharem o dia em alta firme e o petróleo a se recuperar da queda recente.

O minério de ferro também teve uma madrugada de recuperação, o que fez com que a forte alta das empresas produtoras de commodities levasse o Ibovespa a avançar 1,70%, aos 106.859 pontos. O noticiário favorável também mexeu com as companhias aéreas, que subiram mais de 10%.

Dessa vez o combustível veio de fora, mas o pano de fundo ainda é complicado para os negócios brasileiros. Por um lado, os analistas apostam em um acordo para que o fatiamento da PEC dos precatórios seja aprovado na Câmara, o que seria positivo para a bolsa.

Por outro, o Federal Reserve, o banco central americano, continua apontando para uma retirada dos estímulos monetários talvez mais rápida que o esperado. Já a inflação brasileira não mostra sinais de arrefecimento e deve cobrar um tom mais duro do Banco Central na decisão de juros da próxima quarta-feira.

Sem mudanças nos principais riscos domésticos, o dólar à vista encerrou o dia em alta de 0,18%, a R$ 5,6903. Já em compasso de espera pela decisão do Copom da próxima quarta-feira, os juros futuros mais curtos avançaram.

  • Janeiro 2022: de 8,94% para 8,96%
  • Janeiro 2023: de 11,30% para 11,40%
  • Janeiro 2025: de 10,89% para 10,95%
  • Janeiro 2027: de 10,94% para 10,99%

Petrobras em foco

A Petrobras chegou a avançar cerca de 2%, mas a empresa segue envolta em questões que desagradam o investidor. 

No último domingo, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que até o fim de dezembro a companhia deve anunciar uma queda nos preços dos combustíveis.

A estatal divulgou que o ajuste de preços segue o curso normal e as políticas comerciais vigentes, mas a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu novo processo pedindo esclarecimentos sobre o episódio. 

Semana de Copom

A inflação brasileira ultrapassou com folga o teto da meta estipulada pelo Banco Central, o que coloca ainda mais expectativa na decisão da Selic na última reunião do ano do Copom. 

O Comitê já contratou uma alta de 150 pontos-base para a próxima reunião, o que faria a Selic subir de 7,75% para 9,25% em 2021. A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, que mostrou uma retração de 0,1% na economia, segurou as projeções de uma alta mais brusca da taxa básica de juros, já que a retração da atividade econômica, por si só,  já é um indicativo de redução do consumo. 

O Copom deve divulgar a decisão de política monetária após o fechamento do mercado na quarta-feira (08), e a expectativa dos analistas é de que a instituição endureça o tom em seu comunicado. 

Sobe e desce do Ibovespa

Com o clima favorável para uma recuperação, diversas notícias do cenário corporativo encontraram espaço para brilhar. 

O ambiente favorável para viagens e bons números operacionais impulsionaram as companhias aéreas, enquanto a possibilidade de uma oferta de ações por parte da Novonor para vender sua fatia na Braskem e também a alta do petróleo fizeram com que a petroquímica tivesse alta firme. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
GOLL4Gol PNR$ 16,8911,34%
AZUL4Azul PNR$ 24,8010,57%
BRKM5Braskem PNAR$ 66,409,75%
AMER3Americanas S.AR$ 29,837,26%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 5,456,24%

A Méliuz liderou os piores desempenhos do dia após ter subido mais de 30% na última sexta-feira, repercutindo números da Black Friday. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVAR
CASH3Méliuz ONR$ 3,02-11,70%
RDOR3Rede D'Or ONR$ 47,73-3,22%
RAIL3Rumo ONR$ 17,60-2,76%
CSAN3Cosan ONR$ 21,89-2,15%
HAPV3Hapvida ONR$ 11,23-1,75%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies