Menu
2020-01-07T16:59:08-03:00
Estadão Conteúdo
Caderneta mais gorda

Poupança tem captação líquida de R$ 13,327 bilhões em 2019

O resultado divulgado pelo Banco Central é menor que os valores registrados em 2018 (R$ 38,260 bilhões) e 2017 (R$ 17,127 bilhões)

7 de janeiro de 2020
16:33 - atualizado às 16:59
poupança no cofre de porquinho
Imagem: Shutterstock

Apesar da rentabilidade menor em relação a outras aplicações financeiras, a caderneta de poupança registrou captação líquida positiva pelo terceiro ano consecutivo.

Dados divulgados nesta terça-feira, 7, pelo Banco Central mostram que, em 2019, os brasileiros depositaram R$ 13,327 bilhões líquidos na poupança. O valor já leva em consideração os saques promovidos no período.

O montante é menor que os valores registrados em 2018 (R$ 38,260 bilhões) e 2017 (R$ 17,127 bilhões), mas consolida o período de recuperação da caderneta, após os saques líquidos registrados nos anos de crise. Somente em 2015 e 2016, com muitas famílias recorrendo à poupança para fechar as contas, R$ 94,270 bilhões líquidos haviam deixado a caderneta.

Em 2019, apesar de a poupança alternar meses de saques e depósitos, os aportes prevaleceram, na esteira da relativa recuperação da economia e da diminuição do desemprego.

Em dezembro, mês de pagamento do 13º salário, a poupança registrou captação líquida positiva de R$ 17,211 bilhões. O montante foi resultado de aportes de R$ 260,544 bilhões e retiradas de R$ 243,333 bilhões.

Considerando o rendimento de R$ 2,534 bilhões no período, a poupança fechou 2019 com saldo total de R$ 845,465 bilhões. Em valores nominais (sem considerar a inflação), este é o maior saldo da história da poupança. A série histórica do BC leva em conta valores desde janeiro de 1995.

O desempenho da poupança em 2019 ocorre a despeito de a aplicação não ser mais tão atrativa. Com a baixa da Selic (a taxa básica de juros da economia), o retorno da poupança também caiu nos últimos anos. Isso porque, pelas regras atuais, a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), que está em zero, mais 70% da Selic. A Selic, por sua vez, está em 4,50% ao ano, no menor patamar da história.

Na prática, o retorno atual da poupança é de 3,15% ao ano - um porcentual que, em 2020, pode perder para a inflação, já que o mercado financeiro projeta alta de 3,60% para os preços no ano.

Em 2019, conforme cálculos da consultoria Economatica, a poupança ainda gerou um retorno real (já descontada a inflação) de 2,96%. O desempenho ficou bem abaixo do registrado por outras aplicações. O Ibovespa - índice de referência da bolsa brasileira -, por exemplo, teve ganho real de 27,60% em 2019.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Outlet aberto

Privalia é mais uma na lista de empresas que devem abrir capital em breve

Depois de fazer uma primeira tentativa em abril, companhia agora tenta aproveitar melhor momento tanto da economia quanto do mercado de ações

Exile on Wall Street

O fim do superciclo que mal começou?

“O senhor sabe: eu careço de que o bom seja bom e o rúim ruim, que dum lado esteja o preto e do outro o branco, que o feio fique bem apartado do bonito e a alegria longe da tristeza! Quero os todos pastos demarcados… Como é que posso com este mundo? A vida é […]

MERCADOS HOJE

De olho na MP da Eletrobras, Ibovespa começa a semana instável; dólar recua

Enquanto o exterior busca uma recuperação, por aqui os investidores estão de olho na Eletrobras e no recuo das commodities metálicas

Boletim focus semanal

Mercado eleva projeção para Selic em 2021

A taxa de juros que estava projetada em 6,25% agora vai para 6,50% até o final do ano. Para 2022, 2023 e 2024 a Selic permaneceu em 6,50%

O melhor do seu dinheiro

A B3 terá uma rival? Oportunidades no segmento de tecnologia, energia solar ganhando força e outras notícias do dia

Todo grande herói precisa de um antagonista à altura, nem que seja apenas para realçar seus feitos. Podemos até admitir que Gotham City seria uma cidade muito mais segura sem o Coringa, mas o que o Batman faria se não tivesse o grande inimigo? O mesmo acontece nos esportes. Michael Schumacher venceu sete campeonatos da […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies