Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Segredos da bolsa: Trump com covid-19 e treta entre Guedes e Marinho mantêm investidores receosos | Seu Dinheiro
Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-10-04T20:03:42-03:00
Ricardo Gozzi
Vai começar de novo

Segredos da bolsa: Trump com covid-19 e treta entre Guedes e Marinho mantêm investidores receosos

Crise entre ministros e saúde de Trump devem garantir aquela volatilidadezinha básica nos mercados financeiros

4 de outubro de 2020
20:02 - atualizado às 20:03
Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Wilton Junir/Estadão Conteúdo

Mais de um quarto de século se passou desde o tetracampeonato mundial da Seleção Brasileira, no hoje longínquo ano de 1994. Não se trata só de um acontecimento de outro século, mas de outro milênio.

Ainda assim, o tempo parece incapaz de apagar uma imagem específica na minha cabeça. E não é a do capitão Dunga xingando sei lá quem enquanto ergue a taça. É a imagem de Galvão Bueno pendurado no pescoço de Pelé berrando: é téééééééétra! É téééééééétra!

Da mesma forma, quando observo um barraco de qualquer espécie, sinto-me incapaz de não imaginar Galvão trocar o erre de lugar e gritar: é trêêêêêêêêêta! É trêêêêêêêêêta!

É um pouco chulo, eu sei, mas é mais forte que eu. Essa imagem me voltou à mente na semana passada, quando rolou a treta entre os ministros Paulo Guedes, da Economia, e Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, por causa das fontes de financiamento do programa Renda Cidadã.

Em meio a muito disse-que-disse, a desavença pública entre dois integrantes do alto escalão do governo acentuou ainda a aversão ao risco entre os ativos locais. No acumulado da semana passada, o Ibovespa caiu mais de 3% e o dólar subiu mais de 2% em relação ao real.

Notemos ainda que desde o início do ano, a depreciação do real ante o dólar ultrapassa os 41%. Isto faz da moeda brasileira a maior perdedora dentre as divisas de mais liquidez nos mercados internacionais de câmbio, levando os analistas a revisarem suas projeções de curto e médio prazos.

O teto é de vidro

Não bastasse a lavação de roupa suja entre Marinho e Guedes, no fim de semana o general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), resolveu sair em defesa da possibilidade de o governo ‘flexionar instrumentos legais’ devido aos custos do combate à pandemia do novo coronavírus.

Nem é preciso dizer o quanto os investidores ficam contentes com os crescentes sinais de que o governo do presidente Jair Bolsonaro mais cedo ou mais tarde vai acabar voltando atrás de seu compromisso declarado com o teto de gastos e com a disciplina fiscal.

Portanto, cautela e volatilidade devem continuar dando as caras na B3.

E enquanto Brasília, a Amazônia e o Pantanal seguem em chamas e o País é atacado por uma onda de calor escaldante, a agenda de indicadores dá um refresco, mas trará dados importantes em relação à atividade econômica, como os de venda no varejo e inflação ao consumidor.

Veja a seguir quais indicadores devem agitar a semana no Brasil

Segunda-feira: para não perder o hábito, a semana começa com o boletim Focus e as expectativas dos participantes do mercado para o PIB, a taxa Selic, a inflação, a balança comercial, a taxa de câmbio, entre outros assuntos; ao longo do dia, o HSBC divulga seu índice de gerentes de compra referente ao setor de serviços em setembro.

Terça-feira: a Anfavea divulga os números da indústria automobilística em setembro e a CNI dá a conhecer seus indicadores industriais referentes a agosto.

Quarta-feira: o dia começa com os dados do IGP-DI de setembro, divulgados pela FGV; ainda pela manhã, o Banco Central do Brasil (BCB) dá a conhecer a medição da atividade econômica no mês passado contida no IBC-BR; pela tarde, o BCB divulga os números semanais de fluxo cambial.

Quinta-feira: às 9h, o IBGE divulga os dados referentes às vendas no varejo em agosto e à produção agrícola em setembro. às 11h30, o Tesouro promove leilão tradicional de LTN, LTF e NTN-F.

Sexta-feira: a semana de indicadores se encerra com os dados do IPCA em setembro com os investidores de olho no impacto dos preços dos alimentos sobre a inflação oficial.

Trump com covid reacende alerta entre os investidores

Como se não bastassem as motivações locais para a aversão ao risco, os investidores acompanham com atenção as notícias vindas do hospital militar Walter Reed, nos arredores de Washington, onde o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, precisou ser internado na última sexta-feira depois de ser diagnosticado com covid-19.

A notícia vem à tona em um momento no qual a campanha para a presidência dos EUA entra em suas últimas semanas e o candidato democrata Joe Biden amplia sua vantagem sobre Trump nas pesquisas de intenção de voto e comparecimento às urnas.

Na avaliação de Nannette Hechler-Fayd’herbe, diretora de investimento do banco Credit Suisse, o teste positivo de Trump tende a servir como um sinal de alerta para os agentes dos mercados financeiros com relação ao persistente avanço da pandemia. "Se aconteceu com o presidente, pode acontecer com qualquer um, com todo o potencial disruptivo que isso pode ter sobre a atividade econômica", adverte ela.

De acordo com os dados compilados pela Universidade Johns Hopkins, a pandemia já deixou mais de 1 milhão de mortos entre quase 35 milhões de infectados pelo mundo, com EUA e Brasil contabilizando juntos mais de um terço dos mortos e quase a mesma proporção de casos confirmados.

Com o presidente e candidato à reeleição fora de combate, as atenções no exterior voltam-se para o debate entre os vices marcado para a noite de quarta-feira: Kamala Harris, a companheira de chapa de Biden, e Mike Pence, que faz dupla com Trump.

Apesar da agenda fraca no exterior esta semana, a terça-feira reserva discursos dos presidentes do Federal Reserve Bank (Fed, o banco central norte-amerticano), Jerome Powell, e do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, além dos dados da balança comercial norte-americana.

Na quarta-feira, o Fed divulga a a ata da reunião de política monetária em setembro. Na quinta-feira, será a vez de os BCs da zona do euro (BCE) e da Inglaterra (BoE) divulgarem as atas de suas respectivas reuniões. Na sexta-feira será a vez de a bolsa de valores de Xangai voltar a operar depois de um feriado prolongado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Coluna do jojo

Mercados hoje: Em terra de Copom, quem sobe os juros é rei

Para hoje, além da continuidade da temporada de resultados com pesos pesados – por aqui, esperamos nomes como Gerdau, Banco do Brasil e Petrobras –, mais pesquisas de opinião sobre o sentimento empresarial estão por vir

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: bolão do Copom na bolsa, novo fundo da Inter, IPO da Raízen e mais

Bem, amigos do Seu Dinheiro. Hoje é dia de decisão! Com o desfalque do diretor Bruno Serra, que testou positivo para a covid-19, o Banco Central entra em campo nesta quarta-feira para definir a taxa básica de juros (Selic). Haja coração! As reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) são para a imprensa econômica o […]

Cliente difícil

Barrada na alfândega: Carne de unidade da BRF não é mais bem vinda na China

País asiático suspende compra de produtos suínos e de aves processados na unidade de Lucas do Rio Verde (MT), alegando problemas no transporte

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: cautela antes da decisão do Copom e risco fiscal devem dividir atenção com balanços do dia

Em meio ao exterior positivo, bolsa brasileira deve lidar com cenário interno de incertezas quanto ao teto de gastos

Preparar para decolagem

Renovação total: Gol faz acordo para adquirir aviões novos; veja os detahes

Presidente da companhia aérea afirma que movimento é uma antecipação à esperada retomada da demanda por viagens após a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies