🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
Segredos da Bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas encaram proximidade da recessão e caem hoje; Ibovespa acompanha possível CPI da Petrobras (PETR4)

Sem Nova York hoje, os investidores devem sentir a falta de liquidez na sessão desta segunda-feira

Renan Sousa
Renan Sousa
20 de junho de 2022
7:57
Bolsas começam dia com freio de mão puxado com cautela nas alturas
Acompanhe o que movimenta bolsa, dólar e Ibovespa esta semana.Imagem: Shutterstock

As atenções do mundo se voltam para a recessão global que assola as economias após a pior fase da pandemia de covid-19. As bolsas acompanham a reação dos Bancos Centrais e as falas de ministros de Economia e Finanças por todos os países, motivo suficiente para manter a aversão ao risco desta semana que se inicia. 

E isso se refletiu no sentimento dos investidores ao longo da última semana — e que deve perdurar nos próximos dias. As bolsas de Nova York fecharam com quedas de 5% na média após o Federal Reserve acelerar o ritmo do aperto monetário na sua última reunião.

O Banco Central Europeu (BCE) também convocou uma reunião extraordinária na semana passada para decidir sobre os rumos da política de compra de ativos e juros por lá. E as conclusões convergiram para uma mesma direção: o aperto monetário precisa vir. 

Por aqui, o nosso Banco Central saiu na frente e a perspectiva é de que a Selic seja elevada na próxima reunião, mas dentro das estimativas do mercado. Mas o foco dos investidores é outro: uma possível CPI para investigar os “abusos na cobrança sobre os combustíveis” da Petrobras (PETR3;PETR4) deve agitar os negócios nesta segunda-feira (20).

Por falar na estatal brasileira, a Petrobras foi a estrela do pregão da última sexta-feira (17). Devido a crise envolvendo a empresa, o Ibovespa fechou a semana abaixo dos 100 mil pontos e a queda do principal índice da bolsa foi de 5,36%. Já o dólar à vista avançou 2,35%, a R$ 5,1443. 

Confira o que movimenta a bolsa, o dólar e o Ibovespa esta semana: 

CPI da Petrobras é o foco da bolsa local

Enquanto alguns aproveitavam a ponte do feriado de quinta-feira (16) e sexta-feira, o noticiário político não deu trégua. 

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), afirmou no último sábado (18), que havia conversado com líderes do governo na Câmara para abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a política de preços da Petrobras. 

Segundo Bolsonaro, o governo iria “resolver o problema” da empresa. Entre os deputados, estão o presidente da Casa, Arthur Lira(Progressistas-AL), e Ricardo Barros (Progressistas-PR). 

Um novo aumento da gasolina

As falas contra a política de preços com paridade internacional voltam a aparecer após a Petrobras anunciar um novo reajuste de preços dos combustíveis

Desde o último dia 18 de junho, o preço médio de venda de gasolina para as distribuidoras passou a ser de R$ 4,06 por litro, um aumento de 5,2%. Já o diesel terá um preço médio de R$ 5,61 – alta de 14,2%. 

O reajuste foi motivo de manifestações contrárias do presidente da República e de Arthur Lira, que usou sua conta no Twitter para questionar a queda das ações da empresa mesmo após a atualização de preços.

O que movimenta o Ibovespa nos próximos dias

Os investidores agora seguem de olho em uma possível CPI sobre os preços da Petrobras. As ações da empresa, que tem grande peso no índice do Ibovespa, devem sentir a cautela do mercado e cair mais um dia. 

Na agenda da semana, o Banco Central divulga a ata da mais recente reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) na terça-feira (21), o que deve fazer com que analistas e mercado calibrem as perspectivas para o próximo encontro.

Na quinta-feira (23), é a vez de Roberto Campos Neto participar de evento sobre a decisão de política monetária. Por último, sexta-feira (24) é dia da prévia da inflação, medida pelo IPCA-15 de junho. 

Ainda hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de evento do BNDES — e a expectativa é de que o chefe da pasta comente sobre a questão recente da Petrobras.

Bolsas reagem aos juros estáveis na China

Na contramão do que grandes Bancos Centrais têm feito, o Banco do Povo da China (PBoC, em inglês) manteve as taxas de empréstimos de 1 a 5 anos estáveis no último encontro sobre política monetária. 

Assim, a autoridade chinesa visa estimular a economia, que vem sofrendo devido aos sucessivos lockdowns em virtude da política de “covid zero” no país

Entretanto, o comunicado não ajudou os investidores da Ásia e do Pacífico, que penalizaram os índices por lá durante a madrugada no Brasil. Já a abertura na Europa tenta recuperar as perdas da semana passada e as bolsas por lá abriram em alta. 

Em Nova York, os investidores ganharam um dia de folga e as bolsas por lá não abrem em virtude do feriado local. 

Recessão virando a esquina

Os analistas internacionais consultados pelo portal Yahoo Finance entendem que o risco de uma recessão global é altamente provável — mas ainda não é 100% certo. 

Na última reunião, o Fed elevou os juros estadunidenses para a faixa entre 1,50% a 1,75% ao ano — a maior alta desde 1994. A autoridade monetária busca conter a maior inflação em mais de 40 anos por lá, mas corre o risco de colocar o mundo todo em momentos difíceis. 

Correndo contra o tempo — e isso acaba com as bolsas

Os analistas entendem que o Fed demorou demais para iniciar o ciclo de alta nos juros — no caso do Brasil, o nosso BC começou a subir a Selic muito antes —, o que gera um efeito mais demorado no combate à inflação.

E juros elevados por um longo período acendem o sinal amarelo para o avanço da economia. Em outras palavras, a recessão começa a ganhar contornos mais bem definidos. 

De acordo com o Bank of America, o risco de recessão nos EUA é de 40%, destacando que o Fed “ficou atrás da curva” e demorou para agir no combate à escalada da inflação. 

Nesse cenário, a instituição prevê que o pico de juros por lá deve chegar a 4% e a inflação se estabilizar em 3% — acima da meta de 2% do Fed.

E como isso afeta bolsas e ativos de risco?

Vale relembrar que os ativos de risco se beneficiaram com o caminhão de dinheiro despejado pelo próprio Fed na economia nacional entre 2020 e 2021.

Agora o período de dinheiro fácil e barato terminou e os ajustes — sem perspectiva de melhora — seguem pressionando essas classes de ativos. 

No caso das criptomoedas, o bitcoin (BTC) passou os últimos dias abaixo da faixa de US$ 20 mil, mas tenta se sustentar nesse patamar nesta segunda-feira. 

Bolsas no exterior: o que esperar

A ausência de Nova York deve afetar a liquidez dos mercados nesta segunda-feira. O exterior acompanha as falas de representantes do BCE e do Federal Reserve ao longo da semana.

Assim como no Brasil, analistas e investidores devem recalibrar suas expectativas para os juros dos EUA e na Zona do Euro.

Agenda da semana

Segunda-feira (20)

  • FGV: IPC, IPC-S, IGP-M de junho (8h)
  • Bélgica: Presidente do BCE, Christine Lagarde, participa de audiência do Comitê de Questões Econômicas e Monetárias do Parlamento Europeu (10h)
  • Bélgica: Christine Lagarde discursa no Parlamento Europeu como presidente do Conselho Europeu de Risco Sistêmico (12h)
  • Ministério da Economia: Ministro da pasta, Paulo Guedes, participa de evento do BNDES (15h)
  • Reino Unido: Economista-chefe do BCE, Philip Pane, discursa em jantar anual da Sociedade de Economistas Profissionais (16h30)
  • Estados Unidos: Feriado mantém os mercados fechados hoje. 

Terça-feira (21)

  • Banco Central: Ata do Copom (8h)
  • FGV: IPC-S Capitais (8h)
  • Estados Unidos: Federal Reserve de Chicago divulga índice de atividade nacional de maio (9h30)
  • FGV: Monitor do PIB de abril (10h15)

Quarta-feira (22)

  • Estados Unidos: Presidente do Fed, Jerome Powell, testemunha perante o Comitê Bancário do Senado dos EUA (10h30)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (17h30)

Quinta-feira (23)

  • Alemanha: PMI industrial, composto (preliminar) e de serviços em junho (4h30)
  • Zona do Euro: PMI industrial, composto (preliminar) e de serviços em junho (5h)
  • Reino Unido: PMI industrial, composto (preliminar) e de serviços em junho (5h30)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (9h30)
  • Bélgica: Presidente do BCE, Christine Lagarde, participa de cúpula do Conselho Europeu (10h15)
  • Estados Unidos: : PMI industrial, composto (preliminar) e de serviços em junho (10h15)
  • Banco Central: Presidente do BC, Roberto Campos Neto, e Diogo Guillén, participam de entrevista sobre condução de política monetária (11h)
  • Estados Unidos: Jerome Powell testemunha perante Comitê sobre Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes dos EUA (11h)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (12h)
  • Estados Unidos: Fed divulga teste de estresse anual de bancos (17h30)

Sexta-feira (24)

  • IBGE: IPCA-15 de junho (9h)
  • Estados Unidos: Poços de petróleo em operação (14h)
  • Bélgica: Cúpula de líderes da união Europeia (sem horário definido)

Compartilhe

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar