Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Segredos da bolsa: Powell e Campos Neto testam a fé dos investidores nos banqueiros centrais - Seu Dinheiro
Menu
2020-09-20T07:05:43-03:00
Ricardo Gozzi
Teste de fé

Segredos da bolsa: Powell e Campos Neto testam a fé dos investidores nos banqueiros centrais

Testemunhos do presidente do Fed perante a Câmara e o Senado dos EUA e coletiva de Campos Neto tendem a inspirar cautela entre os investidores

20 de setembro de 2020
20:01 - atualizado às 7:05
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real - Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

A convivência entre dinheiro e crença no nosso cotidiano vai muito além de qualquer discussão sobre a atuação dos mercadores da fé e a isenção de impostos para igrejas. A gente só não para muito pra pensar nisso.

O que determina o valor de uma cédula de R$ 2, R$ 20 ou R$ 200? A Casa da Moeda certamente não gasta além de alguns poucos centavos para imprimir cada uma delas.

Além das cores, dos tamanhos, da presença ou não de zeros e dos animais nelas retratados, há pelo menos um quinto fator – e é certamente o mais importante de todos eles: nossa fé coletiva no valor de troca de cada uma dessas cédulas.

Seja no Brasil, nos Estados Unidos, na Europa, na China ou no pequenino Butão, o valor do dinheiro e o valor das coisas são ilusões coletivas sustentadas por pactos sociais.

A mesma fé aplica-se a ativos financeiros mais complexos. Eles valem o quanto os agentes do mercado acreditam que valem – ou imaginam que virão a valer.

Tais crenças entram em pauta agora porque a fé dos investidores nos banqueiros centrais passará por uma semana de intensa provação nos Estados Unidos e no Brasil.

Presidente do Fed depõe perante diferentes comissões do Congresso

Apenas alguns dias depois de o Federal Reserve Bank (Fed, o banco central dos EUA) ter desencadeado uma ressaca nos mercados financeiros do mundo todo ao lançar luz sobre os limites da política monetária para a superação da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, o presidente da autoridade monetária norte-americana, Jerome Powell, testemunhará perante diferentes comissões do Congresso do Tio Sam na terça, na quarta e na quinta-feiras.

E os testemunhos regulares do dirigente máximo do Fed à Câmara e ao Senado dos EUA costumam ser tensos e demorados, até por transcorrerem com os mercados abertos em Wall Street.

Em todo o mundo, os agentes do mercado apegam-se a cada vírgula, analisam minúcias semânticas, auscultam cada respiração de Powell para verificar o dito e o não dito, na expectativa de sinais sobre os passos seguintes da política monetária norte-americana.

No momento, enquanto buscam uma melhor compreensão sobre a pausa na ampliação de medidas de estímulo, tudo o que os investidores mais querem é uma sinalização por parte de Powell de que o recente vício dos mercados financeiros na liquidez abundante despejada pelos bancos centrais para fazer frente à pandemia não será apenas sustentado, mas ampliado.

E foi justamente a diferença entre o que o Fed sinaliza e o que os investidores gostariam que ele sinalizasse que provocou a ressaca da semana passada nos mercados financeiros internacionais – e que castigou o Ibovespa e o real por tabela.

A bolsa brasileira acumulou perda de 0,07%, voltando a fechar abaixo dos 100 mil pontos, e o dólar avançou 0,83% sobre o real no acumulado de uma semana extremamente volátil, com altas e baixas igualmente vertiginosas.

Os depoimentos de Powell perante o Congresso marcam uma semana relativa fraca de indicadores econômicos no exterior. Quase só dá Fed lá fora no decorrer dos próximos dias.

Também seguem no radar as negociações entre democratas e republicanos para a aprovação de um novo pacote de ajuda econômica à população norte-americana e as tratativas para a consumação do divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, mais conhecido como Brexit.

Veja a seguir os principais indicadores e eventos previstos para esta semana no exterior

Segunda-feira: a semana começa com o Fed divulgando os dados do índice de atividade econômica nacional referentes a agosto às 9h30. Ainda pela manhã, o Conselho do Fed realiza reunião aberta.

Terça-feira: Powell depõe perante a Comissão de Assuntos Financeiros da Câmara dos Representantes dos EUA a partir das 11h30. Também serão dados a conhecer os números da sondagem industrial do Fed de Richmond e os dados sobre a confiança dos consumidores na zona do euro.

Quarta-feira: o dia começa com os dados da confiança do consumidor alemão. Nas horas seguintes, a Markit divulga os índices de gerentes de compra composto, da indústria e do setor de serviços para Alemanha, zona do euro e EUA. A partir das 11h, Powell toma os holofotes no testemunho perante a subcomissão da Câmara para o combate à pandemia.

Quinta-feira: o presidente do Fed depõe perante a Comissão de Assuntos Bancários, Habitacionais e Urbanos do Senado a partir das 11h sobre a resposta ao coronavírus.

Sexta-feira: a semana internacional termina com a divulgação das encomendas de bens duráveis em agosto nos EUA.

Ata do Copom e RTI são destaques por aqui

Não é apenas lá fora que a fé dos investidores nos banqueiros centrais será testada.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) divulgará na manhã de terça-feira a ata da reunião da semana passada. Dois dias depois, a autoridade monetária colocará na roda o Relatório Trimestral de Inflação (RTI). A divulgação deste documento será seguida por uma entrevista coletiva com o presidente do BCB, Roberto Campos Neto.

Na última quarta-feira, o Copom decidiu pela manutenção da taxa básica de juros a 2% ano. Trata-se de um recorde histórico de baixa. Ao manter os juros, porém, o Copom interrompeu uma sequência de nove cortes da taxa Selic.

A interrupção ocorre em um momento no qual os agentes do mercado avaliam a recente alta nos preços de alimentos e de alguns insumos e tentam determinar se o movimento foi pontual ou veio para ficar.

Pelo momento, a maioria dos analistas afirma tratar-se apenas de um repique e acredita – mais uma vez a fé – que em breve a inflação estará sob controle. Ganha corpo, entretanto, a percepção de que o Banco Central estaria prestes a reverter a estratégia de juro baixo e iniciar um ciclo de alta da Selic - em breve, mas não já – em meio aos crescentes riscos inflacionários e fiscais.

Para melhor avaliar a situação, os investidores ganharão na manhã de quarta-feira a ajuda dos dados do IPCA-15, o índice preliminar oficial da inflação ao consumidor no Brasil. A expectativa é de que o indicador aponte para uma aceleração devido ao aumento no preço de alguns alimentos, à queda na produção de insumos e à recuperação do setor de serviços.

Coletiva de Campos sob escrutínio

Na quinta-feira, o RTI será seguido de uma entrevista coletiva com Roberto Campos Neto. Caso mantenha o tom ‘dovish’ observado no comunicado que acompanhou a decisão do Copom na semana passada, a capacidade da autoridade monetária de manter o cenário de juro baixo por muito mais tempo pode começar a ser desafiada pelos investidores.

No radar político, o julgamento do plenário do Supremo Tribunal Federal sobre a forma como o presidente Jair Bolsonaro deve prestar depoimento no inquérito sobre a denúncia de interferência pessoal na Polícia Federal pode ser pautado a qualquer momento.

O ministro Celso de Mello, relator do caso, determinou que Bolsonaro deponha pessoalmente, mas o ministro Marco Aurélio de Mello suspendeu o processo para que o plenário decida se o presidente deve depor pessoalmente ou se pode responder às perguntas por escrito.

A semana reserva ainda outros indicadores sobre o andamento da atividade econômica nacional em tempos de uma pandemia que já deixou mais de 135 mil mortos entre 4,5 milhões de infectados apenas no Brasil.

Veja a seguir quais indicadores e eventos devem agitar a semana no Brasil

Segunda-feira: para não perder o hábito, a semana começa com o boletim Focus e a atualização semanal dos dados da balança comercial; ao longo do dia, a FGV e a CNI divulgam suas respectivas sondagens sobre o setor industrial.

Terça-feira: o dia começa com a ata da mais recente reunião do Copom; mais tarde, o Tesouro Nacional publica relatório bimestral sobre receitas e despesas referente a julho e agosto.

Quarta-feira: o IBGE divulga o IPCA-15, com os dados oficiais preliminares da inflação de setembro; pela tarde, o BCB divulga os números semanais de fluxo cambial.

Quinta-feira: logo cedo, o Banco Central publica o Relatório Trimestral de Inflação; em seguida, Campos Neto concede entrevista coletiva; às 11h30, o Tesouro promove leilão tradicional de LTN, LTF e NTN-F.

Sexta-feira: a semana de indicadores se encerra com levantamento da FGV sobre a confiança do setor de construção civil.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies