Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Segredos da bolsa: Powell e Campos Neto testam a fé dos investidores nos banqueiros centrais | Seu Dinheiro
Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-09-20T07:05:43-03:00
Ricardo Gozzi
Teste de fé

Segredos da bolsa: Powell e Campos Neto testam a fé dos investidores nos banqueiros centrais

Testemunhos do presidente do Fed perante a Câmara e o Senado dos EUA e coletiva de Campos Neto tendem a inspirar cautela entre os investidores

20 de setembro de 2020
20:01 - atualizado às 7:05
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real
Imagem ilustrativa - Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

A convivência entre dinheiro e crença no nosso cotidiano vai muito além de qualquer discussão sobre a atuação dos mercadores da fé e a isenção de impostos para igrejas. A gente só não para muito pra pensar nisso.

O que determina o valor de uma cédula de R$ 2, R$ 20 ou R$ 200? A Casa da Moeda certamente não gasta além de alguns poucos centavos para imprimir cada uma delas.

Além das cores, dos tamanhos, da presença ou não de zeros e dos animais nelas retratados, há pelo menos um quinto fator – e é certamente o mais importante de todos eles: nossa fé coletiva no valor de troca de cada uma dessas cédulas.

Seja no Brasil, nos Estados Unidos, na Europa, na China ou no pequenino Butão, o valor do dinheiro e o valor das coisas são ilusões coletivas sustentadas por pactos sociais.

A mesma fé aplica-se a ativos financeiros mais complexos. Eles valem o quanto os agentes do mercado acreditam que valem – ou imaginam que virão a valer.

Tais crenças entram em pauta agora porque a fé dos investidores nos banqueiros centrais passará por uma semana de intensa provação nos Estados Unidos e no Brasil.

Presidente do Fed depõe perante diferentes comissões do Congresso

Apenas alguns dias depois de o Federal Reserve Bank (Fed, o banco central dos EUA) ter desencadeado uma ressaca nos mercados financeiros do mundo todo ao lançar luz sobre os limites da política monetária para a superação da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, o presidente da autoridade monetária norte-americana, Jerome Powell, testemunhará perante diferentes comissões do Congresso do Tio Sam na terça, na quarta e na quinta-feiras.

E os testemunhos regulares do dirigente máximo do Fed à Câmara e ao Senado dos EUA costumam ser tensos e demorados, até por transcorrerem com os mercados abertos em Wall Street.

Em todo o mundo, os agentes do mercado apegam-se a cada vírgula, analisam minúcias semânticas, auscultam cada respiração de Powell para verificar o dito e o não dito, na expectativa de sinais sobre os passos seguintes da política monetária norte-americana.

No momento, enquanto buscam uma melhor compreensão sobre a pausa na ampliação de medidas de estímulo, tudo o que os investidores mais querem é uma sinalização por parte de Powell de que o recente vício dos mercados financeiros na liquidez abundante despejada pelos bancos centrais para fazer frente à pandemia não será apenas sustentado, mas ampliado.

E foi justamente a diferença entre o que o Fed sinaliza e o que os investidores gostariam que ele sinalizasse que provocou a ressaca da semana passada nos mercados financeiros internacionais – e que castigou o Ibovespa e o real por tabela.

A bolsa brasileira acumulou perda de 0,07%, voltando a fechar abaixo dos 100 mil pontos, e o dólar avançou 0,83% sobre o real no acumulado de uma semana extremamente volátil, com altas e baixas igualmente vertiginosas.

Os depoimentos de Powell perante o Congresso marcam uma semana relativa fraca de indicadores econômicos no exterior. Quase só dá Fed lá fora no decorrer dos próximos dias.

Também seguem no radar as negociações entre democratas e republicanos para a aprovação de um novo pacote de ajuda econômica à população norte-americana e as tratativas para a consumação do divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, mais conhecido como Brexit.

Veja a seguir os principais indicadores e eventos previstos para esta semana no exterior

Segunda-feira: a semana começa com o Fed divulgando os dados do índice de atividade econômica nacional referentes a agosto às 9h30. Ainda pela manhã, o Conselho do Fed realiza reunião aberta.

Terça-feira: Powell depõe perante a Comissão de Assuntos Financeiros da Câmara dos Representantes dos EUA a partir das 11h30. Também serão dados a conhecer os números da sondagem industrial do Fed de Richmond e os dados sobre a confiança dos consumidores na zona do euro.

Quarta-feira: o dia começa com os dados da confiança do consumidor alemão. Nas horas seguintes, a Markit divulga os índices de gerentes de compra composto, da indústria e do setor de serviços para Alemanha, zona do euro e EUA. A partir das 11h, Powell toma os holofotes no testemunho perante a subcomissão da Câmara para o combate à pandemia.

Quinta-feira: o presidente do Fed depõe perante a Comissão de Assuntos Bancários, Habitacionais e Urbanos do Senado a partir das 11h sobre a resposta ao coronavírus.

Sexta-feira: a semana internacional termina com a divulgação das encomendas de bens duráveis em agosto nos EUA.

Ata do Copom e RTI são destaques por aqui

Não é apenas lá fora que a fé dos investidores nos banqueiros centrais será testada.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB) divulgará na manhã de terça-feira a ata da reunião da semana passada. Dois dias depois, a autoridade monetária colocará na roda o Relatório Trimestral de Inflação (RTI). A divulgação deste documento será seguida por uma entrevista coletiva com o presidente do BCB, Roberto Campos Neto.

Na última quarta-feira, o Copom decidiu pela manutenção da taxa básica de juros a 2% ano. Trata-se de um recorde histórico de baixa. Ao manter os juros, porém, o Copom interrompeu uma sequência de nove cortes da taxa Selic.

A interrupção ocorre em um momento no qual os agentes do mercado avaliam a recente alta nos preços de alimentos e de alguns insumos e tentam determinar se o movimento foi pontual ou veio para ficar.

Pelo momento, a maioria dos analistas afirma tratar-se apenas de um repique e acredita – mais uma vez a fé – que em breve a inflação estará sob controle. Ganha corpo, entretanto, a percepção de que o Banco Central estaria prestes a reverter a estratégia de juro baixo e iniciar um ciclo de alta da Selic - em breve, mas não já – em meio aos crescentes riscos inflacionários e fiscais.

Para melhor avaliar a situação, os investidores ganharão na manhã de quarta-feira a ajuda dos dados do IPCA-15, o índice preliminar oficial da inflação ao consumidor no Brasil. A expectativa é de que o indicador aponte para uma aceleração devido ao aumento no preço de alguns alimentos, à queda na produção de insumos e à recuperação do setor de serviços.

Coletiva de Campos sob escrutínio

Na quinta-feira, o RTI será seguido de uma entrevista coletiva com Roberto Campos Neto. Caso mantenha o tom ‘dovish’ observado no comunicado que acompanhou a decisão do Copom na semana passada, a capacidade da autoridade monetária de manter o cenário de juro baixo por muito mais tempo pode começar a ser desafiada pelos investidores.

No radar político, o julgamento do plenário do Supremo Tribunal Federal sobre a forma como o presidente Jair Bolsonaro deve prestar depoimento no inquérito sobre a denúncia de interferência pessoal na Polícia Federal pode ser pautado a qualquer momento.

O ministro Celso de Mello, relator do caso, determinou que Bolsonaro deponha pessoalmente, mas o ministro Marco Aurélio de Mello suspendeu o processo para que o plenário decida se o presidente deve depor pessoalmente ou se pode responder às perguntas por escrito.

A semana reserva ainda outros indicadores sobre o andamento da atividade econômica nacional em tempos de uma pandemia que já deixou mais de 135 mil mortos entre 4,5 milhões de infectados apenas no Brasil.

Veja a seguir quais indicadores e eventos devem agitar a semana no Brasil

Segunda-feira: para não perder o hábito, a semana começa com o boletim Focus e a atualização semanal dos dados da balança comercial; ao longo do dia, a FGV e a CNI divulgam suas respectivas sondagens sobre o setor industrial.

Terça-feira: o dia começa com a ata da mais recente reunião do Copom; mais tarde, o Tesouro Nacional publica relatório bimestral sobre receitas e despesas referente a julho e agosto.

Quarta-feira: o IBGE divulga o IPCA-15, com os dados oficiais preliminares da inflação de setembro; pela tarde, o BCB divulga os números semanais de fluxo cambial.

Quinta-feira: logo cedo, o Banco Central publica o Relatório Trimestral de Inflação; em seguida, Campos Neto concede entrevista coletiva; às 11h30, o Tesouro promove leilão tradicional de LTN, LTF e NTN-F.

Sexta-feira: a semana de indicadores se encerra com levantamento da FGV sobre a confiança do setor de construção civil.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

RH do governo

Reforma administrativa deslanchou? Confira destaques do texto-base aprovado em comissão da Câmara

A proposta traz alguns pontos polêmicos, como a possibilidade de parcerias entre governo e iniciativa privada para a execução de serviços públicos

fique de olho

Dividendos: Equatorial Pará (EQPA3) define data e Marfrig (MRFG3) altera valor

Além disso, Equatorial Maranhão definiu data do pagamento dos proventos e Banco Modal definiu valores para juros sobre capital próprio; confira

Eletrobras, Correios e mais

Ativos na mesa: nova proposta para precatórios pode incluir ações de estatais em acordos de pagamento

Além das estatais, na lista de ativos que poderiam entrar na negociação estão imóveis, barris de petróleo do pré-sal e concessões de rodovias e ferrovias, por exemplo

fala, vale

Vale (VALE3): a receita para a queda das ações, segundo a própria empresa

Empresa teve de emitir um comunicado em resposta a um ofício da B3 que solicitava justificativas para a oscilação das ações da mineradora entre os dias 6 e 20 de setembro

MERCADOS HOJE

Bom humor global ajuda e Ibovespa recupera os 114 mil pontos após nova Selic; dólar sobe a R$ 5,30

Na ressaca da Super quarta, os investidores seguiram atentos aos desdobramentos dos problemas financeiros da Evergrande; Ibovespa acompanhou NY

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies