Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Os segredos da bolsa: Brasília e Copom decidem se o rali continua ou se a cautela volta com tudo - Seu Dinheiro
Menu
2020-06-15T08:01:51-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
SD Premium

Os segredos da bolsa: Brasília e Copom decidem se o rali continua ou se a cautela volta com tudo

O noticiário referente a uma importante baixa no ministério da Economia, somado à expectativa quanto à postura do Copom na decisão de juros, vai direcionar o comportamento da bolsa e dos demais ativos domésticos

15 de junho de 2020
5:30 - atualizado às 8:01
segredos da bolsa
Imagem: Shutterstock

A bolsa brasileira começou o mês com tudo: nos primeiros seis pregões de junho, o Ibovespa teve seis altas. Mas, desde então, tivemos uma certa... mudança de ares. Nas últimas três sessões, foram três baixas — nada que apague os ganhos acumulados, mas que, ainda assim, deixa uma pulga atrás da orelha dos investidores.

Afinal, o movimento do começo de junho foi só um rali incomum dentro de um mercado pessimista, ou essa correção recente é uma realização de lucros saudável numa bolsa com potencial de ganhos no futuro? A cotação de equilíbrio do dólar à vista é acima ou abaixo dos R$ 5,00?

Pois teremos alguns eventos que ajudarão a responder essas dúvidas nos próximos dias: no Brasil, o Copom irá decidir o rumo da taxa Selic e dará novas pistas em relação ao futuro da política monetária; lá fora, importantes dados econômicos dos EUA e da Europa darão um panorama mais preciso a respeito do estado da economia global.

Só que, é claro, o rumo da bolsa não depende apenas da agenda de dados econômicos ou das diretrizes da política econômica. O noticiário político, que andava calminho de uns tempos para cá, pode mexer diretamente com o comportamento das ações — e a tendência é a de que tenhamos alguma volatilidade no curto prazo.

Desta vez, não estamos falando de alguma turbulência entre governo, Congresso e STF. A tensão, agora, concentra-se no ministério da Economia, que pode ter uma importante baixa num futuro próximo.

A preocupação com uma segunda onda de infecções do coronavírus pelo mundo faz os mercados internacionais começarem a semana com a cautela elevada. As bolsas asiáticas fecharam em baixa durante a madrugada. Os índices futuros em Nova York operam em queda, com o Dow Jones e S&P 500 caindo mais de 2%. Na Europa, os negócios estão no vermelho desde a abertura.

O principal ETF brasileiro negociado em Nova York, o EWZ, tem queda de mais de 3% no pré-mercado americano.

De saída

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, estaria preparando a saída do cargo, conforme noticiado por diversos veículos de imprensa ao longo do domingo. Grande defensor das medidas de ajuste fiscal e das reformas, ele ocupa o posto desde abril de 2018, ainda no governo Temer.

Mansueto é bastante respeitado pelo mercado e tido como um dos pilares dos ajustes econômicos que vêm sendo conduzidos nos últimos anos no país. Ao saber da notícia, eu entrei em contato com um agente financeiro de bastante experiência — e ele se mostrou bastante preocupado:

"Era a âncora fiscal da economia! Vamos ver se suprem à altura, mas acho um tanto complicado, até pelo histórico dele…", disse a fonte. "Difícil encontrar alguém tão comprometido e habituado ao governo".

Considerando que, no fim das contas, todo a preocupação do mercado em relação ao noticiário político tem relação com a continuidade ou não das reformas fiscais e do ajuste fiscal, a perda de uma figura como Mansueto tende a aumentar a preocupação dos investidores e embutir um maior prêmio de risco nos ativos.

Mas, por outro lado, há quem defenda que mais importante que Mansueto é o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes — e, atualmente, ele parece mais firme que nunca no comando da pasta, após um período de instabilidade entre março e abril.

Dito isso, os desdobramentos em relação ao caso certamente vão mexer com as negociações na bolsa nos próximos dias — eventuais confirmações de um cronograma para a saída de Mansueto, bem como possíveis nomes a substituí-lo na função, serão aguardados ansiosamente pelo mercado.

E agora, Copom?

No Brasil, teremos uma semana agitada em termos de agenda econômica, com a decisão de política monetária do Copom, na quarta-feira (17), no centro das atenções dos investidores. Veja abaixo os destaques dos próximos dias:

  • Terça-feira (16): vendas no varejo em abril
  • Quarta-feira (17): volume de serviços em abril e decisão do Copom
  • Quinta-feira (18): segunda prévia do IGP-M em junho e IBC-Br em abril

Na última reunião, no início de maio, o Copom cortou a Selic em 0,75 ponto, levando à a 3% ao ano, e fez uma sinalização que parecia definitiva: afirmava, categoricamente, que poderia fazer mais uma redução de igual magnitude em junho, e que, se concretizada, seria a última baixa do ciclo.

Ou seja: no cenário mais agressivo, teremos mais um corte de 0,75 ponto na taxa básica de juros, a 2,25% ao ano. E, de fato, boa parte do mercado aposta neste movimento — uma pequena parcela dos agentes financeiros coloca suas fichas numa redução de 0,50 ponto.

Então, isso quer dizer que não há grandes expectativas em relação à decisão de quarta-feira? Não, não é bem assim: só porque o Copom mandou um recado na última reunião, isso não quer dizer que ele será cumprido à risca.

Em fevereiro, o BC cortou a Selic em 0,25 ponto e mostrou-se contrariado, dando a entender que não reduziria mais a taxa básica de juros; apesar disso, baixou em mais 0,50 ponto em março, sinalizando que aquele era o fim do ciclo; em maio, nova queda de 0,75 ponto, com mais uma indicação de término no alívio monetário.

É claro que essas mudanças de trajeto do Copom se devem às deteriorações da economia brasileira e mundial: o surto de coronavírus colocou a atividade global num estado de letargia do dia para a noite — e, por aqui, a crise política aumenta ainda mais às dúvidas quanto à normalização das coisas.

Assim, há diversos fatores a ficar atento. Em primeiro lugar, há o destino da Selic em si: teremos um corte de 0,75 ponto, no teto das estimativas do próprio BC, um uma redução menos intensa, de 0,50 ponto?

Em segundo lugar, há as sinalizações para o futuro: o Copom vai mudar de ideia novamente, deixando a porta aberta para mais baixas, se necessário — e, caso sim, até onde vai o ciclo de alívio monetário?

A expectativa em relação ao que será feito pelo BC tende a direcionar os mercados brasileiros no começo da semana — e a decisão em si irá influenciar o ajuste nos ativos nos dias seguintes. O dólar, por exemplo, tende a ser diretamente afetado, já que juros mais baixos costumam implicar em pressão cambial.

Agitação externa

Lá fora, também teremos dias particularmente cheios em termos de agenda econômica. Decisões de política monetária e novos dados de atividade estão entre os destaques da semana:

  • Segunda-feira (15)
    • EUA:
      • Índice Empire State de atividade industrial em junho
  • Terça-feira (16)
    • EUA:
      • Vendas no varejo em maio
      • Produção industrial em maio
      • Presidente do Fed, Jerome Powell, apresenta relatório ao Senado
      • Índice NAHB de confiança das construtoras em junho
    • Alemanha:
      • Inflação em maio
      • Índice ZEW de expectativa econômica em junho
    • Japão:
      • Decisão de juros do Bank of Japan
  • Quarta-feira (17)
    • EUA:
      • Presidente do Fed, Jerome Powell, apresenta relatório à Câmara
    • Zona do Euro:
      • Inflação em maio
    • Reino Unido:
      • Inflação em maio
      • Vendas no varejo em maio
  • Quinta-feira (18)
    • EUA:
      • Novos pedidos de auxílio-desemprego na semana até 13/6
    • Reino Unido:
      • Decisão de juros do Bank of England
  • Sexta-feira (19)
    • Reino Unido:
      • Vendas no varejo em maio

Os dados de vendas no varejo e produção industrial nos EUA em maio são particularmente importantes por darem uma figura atualizada do estado da economia americana, especialmente após a surpresa positiva com o comportamento do mercado de trabalho em meio à pandemia.

Qualquer indicação de que a atividade americana ainda sente impactos profundos da crise do coronavírus, sem sinais animadores no curto e no médio prazo, podem colocar as bolsas globais novamente no "modo cautela"; no cenário oposto, o rali das ações poderá ser retomado.

Igualmente importantes são as declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, à Câmara e ao Senado do país. Na semana passada, a decisão de juros da autoridade monetária pouco fez para reduzir as incertezas dos investidores.

Por um lado, o BC americano descartou a adoção de juros negativos, mas, por outro, mostrou-se disposto à usar "todas as ferramentas" para ajudar no combate à pandemia. Assim, maiores esclarecimentos quanto a esses possíveis instrumentos tendem a ser bem recebidos pelo mercado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Risco elevado

Preços de ativos têm motivos para subir, mas é hora de pensar em comprar guarda-chuva em dia de sol, diz SPX

Gestora considera que riscos ainda estão elevados e manifestou dúvidas em relação à sustentabilidade do atual nível de estímulo e endividamento global

Bolsa em alta

Petrobras e Vale têm ganhos firmes e puxam a recuperação do Ibovespa; dólar cai

Dados mais fortes na China deram forças ao setor de commodities, impulsionando as ações da Vale e da Petrobras e ajudando o Ibovespa como um todo

Presidente da Câmara

Câmara deve retomar debate sobre reforma tributária na 4ª, diz Maia

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aguardava a retomada da comissão mista, que reúne deputados e senadores, mas não foi possível, por isso, dará continuidade apenas na Câmara

Lael Brainard

Para diretora do Fed, é excepcionalmente importante admitir que ventos contrários vão durar

Nesse contexto, a diretora Lael Brainard defendeu os apoios fiscal e monetário como cruciais para sustentar o quadro econômico, no contexto atual da pandemia

Projeções para a bolsa

“Não é trivial romper a barreira dos 100 mil pontos do Ibovespa”, diz Beker, do Bank of America

David Beker, chefe de economia e estratégia do Bank of America no Brasil, falou sobre sua visão para a economia global e o comportamento do Ibovespa nos próximos meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements