Menu
2020-06-10T18:24:02-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Pistas para o futuro

Fed mantém juros dos EUA inalterados, mas se diz comprometido a usar “todas as ferramentas”

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) manteve os juros do país inalterados e deu a entender que permanecerá com essa postura no curto prazo, mas também sinalizou que fará o que está ao seu alcance para ajudar a economia

10 de junho de 2020
15:12 - atualizado às 18:24
Jerome Powell, presidente do Fed
O presidente do Fed, Jerome Powell, está pronto para atuar visando manter a expansão da economia americana. - Imagem: Fed

Conforme esperado pelo mercado, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros dos EUA inalterada na faixa entre 0% e 0,25% ao ano. A decisão foi divulgada nesta tarde — mas isso não quer dizer que o evento tenha tido pouco impacto nos mercados.

O comunicado da decisão trouxe algumas sinalizações interessantes quanto ao futuro. Por um lado, o Fed disse que as taxas permanecerão nesse nível "até que haja confiança de que a economia absorveu os eventos recentes", dando a entender que a adoção de juros negativos continua fora do radar.

E, de fato, o "dot plot" — uma espécie de mapa de votos dos dirigentes do Fed — mostra que os juros devem permanecer nos níveis atuais por um longo tempo. Todos os executivos veem as taxas permanecendo entre 0% e 0,25% ao ano até 2021 — em 2022, dois integrantes vêem espaço para alta.

Dot Plot mostrando a visão dos dirigentes do Fed em relação ao futuro da taxa de juros no país

O mapa de votação ainda mostra que, no longo prazo, o Fed atualmente vê que os juros dos EUA deve ficar entre 2% e 3% ao ano — a maior parte dos dirigentes coloca as taxas em 2,5% ao ano.

Mas, por outro lado, o banco central americano disse estar comprometido com o uso "de todas as suas ferramentas" no atual cenário desafiador, de modo a atingir a empregabilidade máxima e as metas de estabilidade inflacionária — uma fala que pode indicar uma predisposição em lançar novos pacotes de estímulo econômico.

Ou seja: quem esperava que o Fed desse o braço a torcer e admitisse a possibilidade de adotar juros negativos, quebrou a cara. Mas, como prêmio de consolação, o BC americano deu a entender que pode continuar injetando recursos no sistema, de modo a dar sustentação à economia — sinais mistos que mantiveram o grau de incerteza quase inalterado.

Projeções

A decisão de hoje também era bastante aguardada pelos investidores porque traria uma atualização nas projeções econômicas do Fed — e, conforme esperado, as novas estimativas mostram um enorme pessimismo em relação à atividade no país.

Em termos de PIB, a autoridade monetária agora vê uma contração de 6,5% em 2020 — as projeções de dezembro apontavam para um crescimento de 2% da economia neste ano. Para 2021 e 2022, contudo, a visão agora é mais otimista: no ano que vem, a estimativa saltou de alta de 1,9% para avanço de 5%; em 2022, o crescimento esperado agora é de 3,5%, ante 1,8% no último boletim.

Já o desemprego deve cair no médio prazo, embora ainda siga em níveis relativamente elevados. O Fed trabalha com um cenário em que a taxa de desocupação terminará o ano em 9,3%, recuando para 6,5% em 2021 e para 5,5% em 2022 — níveis piores que os estimados em dezembro.

Novas projeções econômicas do Fed, divulgadas há pouco

Powell hesitante

Por fim, declarações do presidente do Fed, Jerome Powell, também contribuíram para dar o tom confuso à decisão: ele mostrou pessimismo em relação à economia americana no curto prazo, dizendo que o segundo trimestre tende a ser pior que o primeiro.

Mas ele também voltou a bater na tecla do "uso dos instrumentos" e da importância de garantir as condições de empregabilidade, novamente deixando subentendida a ideia de que mais estímulos estão a caminho.

E qual foi a reação dos mercados? Bem, tivemos uma montanha-russa nas bolsas: em determinados momentos, uma leitura positiva prevaleceu; em outros, um viés mais cauteloso se fez presente.

Ao fim da sessão, a prudência acabou se sobrepondo: o Ibovespa fechou em baixa de 2,13%, aos 94.685,98 pontos — muito perto da mínima do dia — e, nos EUA, o Dow Jones (-1,04%) e o S&P 500 (-0,53%) também pioraram.

No câmbio, o dólar à vista ampliou os ganhos, terminando em alta de 0,97%, a R$ 4,9355 — veja aqui nossa cobertura completa dos mercados.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

novata na bolsa

HBR Realty sobe mais de 1% em primeiro dia na B3

Empresa, que atua no segmento de desenvolvimento e administração de propriedades, optou por formato diferente de IPO

em evento

BNDES diz que seguirá firme na estratégia de vender participação acionária

Segundo Montezano, a estratégia de desinvestimentos passa por se desfazer de participações acionárias em “empresas maduras”, como “Petrobras, Vale, Suzano, Klabin e AES Tietê”

futuro da companhia

Vaga na Eletrobras abre disputa no governo e pode definir futuro da estatal

Enquanto a área econômica do governo quer encontrar um executivo à altura de Ferreira Júnior, que acredite na capitalização da companhia, o mundo político aposta no ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque

economia circular

Enjoei planeja ampliar acordos com grandes marcas, diz CEO

Empresa, que já tem parceira com a C&A, quer tornar a experiência de compra e venda de itens usados “menos pensada”; papéis já subiram 60% desde IPO

executivo dos sonhos

Otimismo toma conta de investidores da BR Distribuidora com chegada de ex-CEO da Eletrobras

Trabalho feito pelo executivo na Eletrobras anima investidor quanto às perspectivas futuras da distribuidora de combustíveis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies