Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
Os segredos da bolsa: as ações que vão dar o que falar neste pré-Carnaval - Seu Dinheiro
Menu
2020-02-17T10:47:29-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
SD Premium

Os segredos da bolsa: as ações que vão dar o que falar neste pré-Carnaval

O noticiário corporativo agitado do fim de semana, a agenda de dados econômicos no Brasil e a temporada de balanços do quarto trimestre serão os destaques da bolsa nesta semana

17 de fevereiro de 2020
5:30 - atualizado às 10:47
segredos da bolsa
Imagem: Shutterstock

A Acadêmicos do Mercado Financeiro faz os últimos ajustes antes do desfile de Carnaval: finaliza as fantasias, ajeita os carros alegóricos, trabalha a cadência da bateria e mexe no portfólio de investimentos — tudo isso para garantir aquela nota 10 dos jurados.

E se você quiser passar o Carnaval só na folia, é melhor ficar atento: algumas ações estarão sob os holofotes nesta semana, sujeitas a retornos expressivos ou perdas significativas. Então, é hora de se preocupar com os quesitos "harmonia" e "evolução" da sua carteira.

Afinal, temos diversos balanços trimestrais importantes a serem divulgados nos próximos dias, incluindo as gigantes Petrobras e Vale. Além disso, o noticiário corporativo e a agenda de dados econômicos também trazem elementos que podem mexer com as cotações de diversos papéis.

A começar pelo setor de supermercados, que começa a semana no centro das atenções. As ações ON do Carrefour Brasil (CRFB3) serão um dos destaques da sessão desta segunda-feira (17), após a empresa comprar 30 lojas do atacadista Makro, por R$ 1,95 bilhão.

O passo é estratégico para a companhia continuar se expandindo no chamado "atacarejo", modelo híbrido que funciona como uma mistura entre um atacadista típico e um supermercado tradicional. As 30 lojas do Makro serão convertidas em unidades Atacadão, a bandeira do Carrefour Brasil nesse ramo.

Esse modelo de "atacarejo" é responsável pela maior parte do faturamento do Carrefour Brasil: no terceiro trimestre de 2019, por exemplo, as vendas líquidas do Atacadão somaram R$ 9,4 bilhões — as lojas de varejo tradicionais responderam por R$ 4,4 bilhões das vendas do grupo.

Atualmente, há 187 unidades Atacadão espalhadas pelo Brasil, sendo que a compra das lojas Makro é importante por aumentar a presença da marca em mercados ainda pouco acessados, como o Rio de Janeiro (sete unidades) e o Nordeste (oito).

O avanço do Carrefour Brasil no "atacarejo" também mexe diretamente com seu principal rival na bolsa, o GPA, que possui uma estrutura operacional bastante semelhante.

No terceiro trimestre de 2019, o Assaí — bandeira do GPA no "atacarejo" — teve receita líquida de R$ 6,9 bilhões; o multivarejo, capitaneado pelas marcas Extra e Pão de Açúcar, gerou R$ 6,6 bilhões de receita.

Tanto o GPA quanto o Carrefour Brasil têm reportado, trimestre após trimestre, um ritmo elevado de expansão do atacarejo — muito maior que o das lojas de varejo típico. Assim, a compra das unidades do Makro representa um passo importante da empresa francesa na disputa pela hegemonia nesse setor.

Considerando tudo isso, também é bom ficar atento às ações PN do GPA (PCAR4), afinal, o Carrefour Brasil tende a aumentar a distância nas vendas líquidas no "atacarejo". Em termos de desempenho na bolsa, nenhum dos dois papéis têm tido sucesso em 2019 — uma situação que pode mudar a partir desta segunda-feira.

Desempenho das ações ON do Carrefour Brasil (CRFB3) e PN do GPA (PCAR4) em 2020

As ações das duas empresas ainda têm um segundo fator de influência nesta semana: a divulgação dos balanços trimestrais. O GPA reporta seus números na quarta-feira (19), enquanto o Carrefour Brasil publica seus dados na quinta (20), ambas depois do fechamento dos mercados.

O bloco do balanço

Se o seu negócio é um bom bloco de Carnaval, a folia dos mercados financeiros tem a opção certa para você: o desfile dos balanços do quarto trimestre toma as ruas nos próximos dias, com 25 empresas do Ibovespa reportando seus números.

E olha que toda essa farra vai ocorrer só entre segunda (17) e quinta (20). Nenhuma companhia do índice vai divulgar seus dados na sexta-feira de Carnaval (21) — afinal, ninguém é de ferro...

Veja abaixo o resumo da semana:

  • Segunda-feira (17): Itaúsa, Magazine Luiza e Multiplan
  • Terça-feira (18): Ecorodovias, Energias do Brasil, Engie, Iguatemi, IRB, Smiles
  • Quarta-feira (19): Fleury, Gerdau, GPA, Marfrig, Metalúrgica Gerdau, Petrobras, Raia Drogasil, Telefônica Brasil, Ultrapar, Weg
  • Quinta-feira (20): Carrefour Brasil, Gol, Lojas Americanas, NotreDame Intermédica, SulAmérica, Vale

Dentro dessa lista, Petrobras e Vale, naturalmente, são os destaques. Magazine Luiza e IRB também são importantes — a primeira pela trajetória de expansão de suas operações de e-commerce, e a segunda pelo recente imbróglio envolvendo a gestora Squadra.

Você pode ler mais sobre as expectativas para esses quatro balanços na matéria especial feita pelo meu colega Felipe Saturnino — todas as dicas para quem quer ter um Carnaval bem-sucedido estão lá.

Marchinha da agenda econômica

Ei, você aí
Me dá um dinheiro aí
Me dá um dinheiro aí!

A marchinha que mais faz sucesso no Carnaval do mercado financeiro será cantada a plenos pulmões na quinta-feira (20), com a divulgação da inflação medida pelo IPCA-15 de fevereiro — um número que pode mexer com alguns setores da bolsa.

No momento, os investidores mostram-se divididos quanto ao futuro da Selic: há quem aposte na manutenção da taxa nos 4,25% ao ano, conforme sinalizado pelo Copom na ata da última reunião. Mas também há quem defenda mais um corte, de modo a continuar estimulando a economia.

Os adeptos da segunda corrente usam os mais recentes dados econômicos para embasar a tese: os números das vendas no varejo e do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) em dezembro ficaram abaixo das expectativas, indicando que a economia local segue patinando.

Assim, o IPCA-15 será mais um dado para embasar um dos lados da discussão. Caso a inflação fique comportada, o bloco dos defensores do corte ganhará adeptos; caso os preços fiquem pressionados, o grupo pró-manutenção irá cantar mais alto.

Nesse cenário, fique atento às ações de setores mais dependentes da taxa de juros e do estímulo ao consumo, como as varejistas Magazine Luiza, Lojas Renner, Via Varejo e Lojas Americanas, entre outras.

O segmento de construção civil é outro que reage de modo mais sensível à Selic — Cyrela, MRV, Gafisa, Tenda, Direcional, Helbor e Eztec são alguns nomes a serem monitorados. Por fim, as operadoras de shoppings, como Multiplan, Iguatemi e BR Malls também costumam surfar a onda dos juros.

Agora é com você: coloque sua fantasia, ajuste sua carteira de ações e faça a festa! Aproveite a semana para deixar tudo em ordem com os seus investimentos nos próximos dias, já que a bolsa funciona até a sexta-feira (22) e, depois, só reabre na quarta-feira de cinzas (26), a partir das 13h.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

efeito coronavírus

Febre dos apps de entrega causa falta de moto no país

Ocorreu um desequilíbrio entre oferta e demanda também por causa do corte radical da produção

cenário de crise

Crise faz número de falências saltar 71,3% em junho; especialistas veem piora

Segundo especialistas, essa primeira onda de processos judiciais envolve empresas que já vinham tendo problemas financeiros antes da pandemia

divulgada hoje

Carta de ex-ministros e ex-presidentes do BC cobra do governo desmatamento zero

Documento propõe diretrizes para o alcance da chamada economia de baixo carbono, como o investimento em novas tecnologias e o aumento da cooperação internacional

Financial Journey

Bolsa em 100 mil pontos: você está com fome?

Você vai entender como as emoções influenciam suas decisões e, no final, saber como investir como um gestor

'Mais que um banco'

BTG vê com bons olhos transformação do Banco Inter em ‘super app’ e eleva preço-alvo das Units

o relatório assinado por Eduardo Rosman e Thomas Peredo, o BTG reafirma a sua sugestão de compra e se diz impressionado com os números e desempenho do banco, principalmente no que diz respeito ao marketplace oferecido aos clientes do Inter.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements