Menu
2020-01-08T14:03:32-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.

Trump anuncia novas sanções econômicas ao Irã, mas não cita novas ações militares no Oriente Médio

O presidente dos EUA, Donald Trump, assumiu um tom ameno em seu primeiro discurso oficial após os ataques do Irã. O chefe da Casa Branca não anunciou qualquer tipo de revide à ofensiva iraniana, anunciando apenas sanções econômicas ao país — postura que agradou os mercados

8 de janeiro de 2020
14:03
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos - Imagem: Shutterstock

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, finalmente fez um pronunciamento oficial após os ataques do Irã a duas bases do país no Iraque. E o chefe da Casa Branca tratou de colocar panos quentes na tensão, sem anunciar ações militares no Oriente Médio para revidar a ofensiva iraniana.

Em discurso encerrado há pouco, o republicano assumiu um tom incisivo ao falar sobre o governo iraniano, dizendo que o "comportamento hostil" de Teerã não será mais tolerado. E, em resposta aos ataques da noite anterior, Trump anunciou a adoção de "sanções econômicas adicionais" ao país, mas sem entrar em maiores detalhes.

"Enquanto eu for presidente, o Irã nunca terá uma arma nuclear", disse o presidente americano, no início de seu discurso, ressaltando que a ofensiva militar iraniana não resultou em mortes entre as tropas dos EUA — os danos, de acordo com ele, foram apenas materiais.

Trump também comentou a ação do exército americano que gerou a morte de Qassim Sulaimeni, principal líder das forças armadas do Irã — episódio que desencadeou a escalada nas tensões entre os países. O chefe da Casa Branca classificou o general iraniano como "um dos maiores terroristas" e citando supostos envolvimentos do militar em atentados na região.

"O Irã ameaça o mundo civilizado com sua busca por armas nucleares"

Donald Trump

O presidente americano também convocou as demais potências do mundo para auxiliar na busca por paz no Oriente Médio. Segundo ele, o Reino Unido, a Alemanha, a Rússia e a China devem se unir aos EUA para frear as ambições nucleares do Irã.

"A paz não vai aparecer no Oriente Médio até que o Irã continue fomentando a violência", disse. "A campanha de terror [do Irã] não será mais tolerada".

O tom moderado assumido por Trump, sem se comprometer com ações militares imediatas em resposta ao ataque do Irã, agradou os mercados. O Ibovespa, que operava em baixa no início da tarde, agora fica perto do zero a zero.

Nos Estados Unidos, o Dow Jones(+0,68%), o S&P 500 (+0,66%) e o Nasdaq (+0,64%) ganharam força com a fala do republicano — confira aqui a cobertura completa dos mercados.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Perspectiva de crescimento

Pandemia reaquece setor de terrenos e total de lotes disponíveis despenca

No ano passado, o recuo nas vendas foi de 4% -, que fez o setor colocar o pé no freio dos lançamentos

segredos da bolsa

Semana deve ser marcada por fim do prazo da MP da Eletrobas e briga entre BCs e inflação

A semana deve ser marcada por cautela, envolvendo temores em relação à inflação e as movimentações dos BCs pelo mundo. No Brasil, ata do Copom e RTI ficam no radar

mercado de ações

A B3 vai ter concorrência, mas não hoje: os riscos e oportunidades dos desafiantes ao monopólio da bolsa brasileira

Autorização para a empresa Mark2Market operar como central depositária de títulos volta a esquentar debate sobre atuação da B3, mas mercado vê quebra de monopólio improvável no curto prazo

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies