Menu
2020-01-08T16:52:01-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Dia agitado

Trump “moderado” anima os mercados: Ibovespa reduz perdas e bolsas dos EUA sobem

O Ibovespa se afastou das mínimas e os índices acionários de Nova York ganharam força após Donald Trump assumir um tom mais ameno em seu primeiro discurso após os ataques do Irã, evitando entrar numa escalada militar no Oriente Médio

8 de janeiro de 2020
10:38 - atualizado às 16:52
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Os mercados financeiros globais aguardavam ansiosamente pelo pronunciamento do presidente americano, Donald Trump, após o ataque do Irã às bases do país no Iraque. E o tom moderado assumido pelo chefe da Casa Branca agradou os investidores.

O republicano não se comprometeu com qualquer ação militar para revidar a ofensiva iraniana, resumindo-se a anunciar novas sanções econômicas ao governo de Teerã. E, em meio à postura "moderada" de Trump, as bolsas ganharam força no mundo.

O Ibovespa, que chegou a cair 0,83% mais cedo, zerou as perdas logo após o discurso do presidente americano — por volta de 16h45, exibia uma baixa moderada de 0,31%, aos 116.295,60 pontos.

Em Nova York, o Dow Jones (+0,72%), o S&P 500 (+0,68%) e o Nasdaq (+0,85%) ganharam força após a fala do presidente americano, firmando-se no campo positivo.

O alívio dos investidores também foi sentido no mercado de câmbio: no momento, o dólar à vista recuava 0,36%, a R$ 4,0503— a moeda operava em ligeira alta no início da tarde. Lá fora, a divisa americana perdeu força em escala global.

Em sua fala, Trump condenou o "comportamento hostil" do Irã e classificou o general Qassim Sulemani, morto numa ação militar americana, como "terrorista". O republicano, contudo, não se mostrou disposto a entrar numa escalada militar no Oriente Médio.

A postura do chefe da Casa Branca aumenta a percepção de que as tensões na região tendem a diminuir daqui para frente. Lideranças iranianas também sinalizaram, após os ataques de ontem, que não tinham interesse num conflito bélico, e que não agiriam novamente caso os EUA também não fizessem novas ofensivas.

Alívio no petróleo

O mercado de commodities também refletiu o tom mais ameno assumido por Trump. Logo após a fala do presidente americano, o petróleo passou a cair forte e o ouro perdeu força.

O WTI fechou a sessão em baixa de 4,93%, enquanto o Brent desvalorizou 4,15%, em meio à percepção de alívio nas tensões no Oriente Médio. O ouro, ativo usado como reserva de segurança pelos mercados, recua 1,25%.

As baixas do petróleo pressionam as ações da Petrobras: os papéis PN (PETR4) caem 1,11% e os ONs (PETR3) têm perda de 2,18%, contribuindo para frear a recuperação do Ibovespa.

Dólar e juros

O mercado de câmbio também respirou aliviado, com o dólar perdendo terreno em escala global após a fala de Trump.

Agora, a moeda americana se desvaloriza em relação às divisas de países emergentes, como o peso mexicano, o rublo russo, o peso colombiano, o rand sul-africano e o peso chileno — e o real acompanha os pares.

O tom de calmaria no câmbio abriu espaço para ajustes negativos na curva de juros, devolvendo parte dos ganhos recentes. Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta quarta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,48% para 4,45%;
  • Janeiro/2023: de 5,78% para 5,72%;
  • Janeiro/2025: de 6,44% para 6,40%;
  • Janeiro/2027: de 6,79% para 6,76%.

Top 5

Confira as cinco maiores altas do Ibovespa nesta quarta-feira:

  • Braskem PNA (BKRM5): +5,13%
  • Gol PN (GOLL4): +4,85%
  • Suzano ON (SUZB3): +3,77%
  • BRF ON (BRFS3): +3,61%
  • Cemig PN (CMIG4): +3,12%

Veja também as cinco maiores baixas do índice:

  • Weg ON (WEGE3): -2,87%
  • BR Malls ON (BRML3): -2,77%
  • Cyrela ON (CYRE3): -2,33%
  • Hapvida ON (HAPV3): -2,29%
  • Cielo ON (CIEL3): -2,12%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

MERCADOS HOJE

De olho na MP da Eletrobras, Ibovespa começa a semana instável; dólar recua

Enquanto o exterior busca uma recuperação, por aqui os investidores estão de olho na Eletrobras e no recuo das commodities metálicas

Boletim focus semanal

Mercado eleva projeção para Selic em 2021

A taxa de juros que estava projetada em 6,25% agora vai para 6,50% até o final do ano. Para 2022, 2023 e 2024 a Selic permaneceu em 6,50%

O melhor do seu dinheiro

A B3 terá uma rival? Oportunidades no segmento de tecnologia, energia solar ganhando força e outras notícias do dia

Todo grande herói precisa de um antagonista à altura, nem que seja apenas para realçar seus feitos. Podemos até admitir que Gotham City seria uma cidade muito mais segura sem o Coringa, mas o que o Batman faria se não tivesse o grande inimigo? O mesmo acontece nos esportes. Michael Schumacher venceu sete campeonatos da […]

Fechando o cerco

Bitcoin cai 6% após Banco da China ameaçar encerrar contas envolvidas com criptomoeda

Além disso, a retirada de mineradores do país está afetando a taxa de mineração, que valida e dá segurança para a rede do bitcoin

Interesse estrangeiro

IPOs de grandes empresas devem trazer mais investidor estrangeiro para a Bolsa

Desde janeiro, o saldo de dinheiro estrangeiro na B3, a bolsa de valores de São Paulo, já chega a R$ 44 bilhões – número que contrasta fortemente com o primeiro semestre do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies