Menu
2020-03-26T16:07:07-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
estratégias para crise

Via Varejo quer vender de forma remota durante a pandemia e postergar parcela de carnê

Diante da restrição da circulação de pessoas e lojas fechadas, empresa diz que mantém boa posição de caixa e que planeja intensificar atuação online

26 de março de 2020
15:44 - atualizado às 16:07
Fachada da loja Ponto Frio
Imagem: Wikipedia

Dona das Casas Bahia e do Ponto Frio, a Via Varejo prepara a venda remota de produtos nas próximas semanas, para mitigar os efeitos das lojas fechadas em consequência da crise do novo coronavírus, segundo o CEO da companhia, Roberto Fulcherberguer.

De acordo com o executivo, o plano é que o vendedor inicie a venda por WhatsApp e mande o link para o cliente. "Vendedor feliz com a comissão, cliente feliz pela relação com o vendedor - e ainda temos logística operante", disse o executivo.

Analistas já haviam destacado que a crise do novo coronavírus seria um grande desafio para a empresa, que passa por um processo de reestruturação. A Via Varejo tinha R$ 1,4 bilhão em caixa no final de 2019 e dívida de R$ 1,6 bilhão - o índice liquidez era de 0,8%.

Segundo a companhia, a operação online - que ganhou terreno nos últimos meses, com crescimento de 34,9% do e-commerce no quarto trimestre - deve seguir como grande parte da estratégia de vendas no período de restrição de abertura de lojas.

Para enfrentar a crise, a empresa informou ainda que postergou a parcela do carnê das lojas de abril para depois da última parcela. "O crediário segue operando", afirmou o CEO da companhia. O executivo disse ainda que o estoque está da companhia está "muito saudável". "Terminamos o saneamento do nosso estoque, custeado com dólar a R$ 3,80".

Fulcherberguer assumiu o comando da Via Varejo no ano passado, após a retomada do controle acionário da empresa por parte da família Michel Klein. O empresário comprou toda a participação do GPA no capital social da companhia e promoveu diversas mudanças no alto escalão da empresa, em busca de uma transformação digital, entre outras coisas.

Desde então, Fulcherberguer avalia como ponto positivo a recuperação das lojas físicas, a estabilização das plataformas online e o aumento do uso de apps das Casas Bahia e Ponto Frio - o número de usuários mensais ativos aumentou em 400% entre junho de 2019 e janeiro deste ano, para 7,4 milhões, segundo a empresa.

Para os próximos meses, o executivo contou que a empresa quer dobrar o número de pontos de entrega, os mini-hubs. A Via Varejo também promete novos apps até junho e uma melhoria na plataforma de market place- a companhia, no entanto, não deu detalhes.

Olho no caixa

Fulcherberguer disse que os créditos fiscais mencionados no fato relevante de dezembro continuam disponíveis. Segundo ele, são pouco mais de R$ 600 milhões. De acordo com o executivo, a posição de caixa continua "robusta como em 31 de dezembro". "A gente entrou o primeiro trimestre com o estoque saneado", disse.

"O que vai dar a cauda longa para gente vai ser o marketplace, que virá a partir da melhoria do relacionamento com os sellers", disse ainda o executivo, que acrescentou que a empresa busca uma experiência "no limite", em que as vendas físicas e online vão se confundir. "A gente entende que a combinação é uma vantagem nossa".

Também está no radar da empresa a questão do aluguel dos estabelecimentos. "Tem vários shoppings sinalizando como vai acontecer daqui para frente. Estaremos ativos na discussão", afirmou.

Hoje, 35% das despesas da companhia são com a operação física. Todas as outras são relacionadas ao volume de vendas. A empresa mantém expectativas sobre medidas do governo que podem ser anunciadas em relação a tributos, entre outras coisas.

Nesta quinta-feira (26), as ações da varejista subiam 9%, a R$ 6,24, mas desde o início do ano derreteram 45%. A alta de hoje das ações acontece no primeiro pregão após a empresa divulgar que teve um lucro de R$ 78 milhões no quarto trimestre.

Para a XP Investimentos e Credit Suisse, o momento é de compra da ação da Via Varejo. BTG Pactual se mantém neutro e diz que é importante monitorar o endividamento da empresa, em especial por conta da crise do coronavírus.

Analistas da Credit Suisse estimam que os papéis da Via Varejo (VVAR3) podem chegar a R$ 21 em 12 meses - o que representaria uma valorização de 267,78% em relação a cotação de ontem, de R$ 5,71. Os especialistas do BTG veem potencial de 52,54%, a R$ 8,71

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Desmatamento em foco

Varejistas europeus ameaçam boicote a produtos do Brasil por risco à Amazônia

O movimento foi visto como “precipitação” por empresários brasileiros que acompanham dois projetos de lei que tramitam no Congresso sobre o tema

CÉU DE BRIGADEIRO

No pós-Copom, Ibovespa tem tudo para amanhecer com céu azul e sol brilhante

Com o Banco Central fora da cena principal, bolsa brasileira tem tudo para acompanhar o apetite por risco no exterior

Troca de presidência

Carlos Brito vai deixar o comando da AB InBev em 1º de julho

O substituto de Brito no comando da AB InBev também é brasileiro: o engenheiro catarinense Michel Dukeris, que ingressou na AmBev em 1996

primeiro trimestre

TIM anuncia alta de 57,9% do lucro e venda de controle da FiberCo

Receita líquida somou R$ 4,340 bilhões, ligeira alta de 3% sobre igual período do ano anterior

recuperação

Lucro líquido da Copel soma R$ 795 milhões no 1º trimestre, alta de 55,6%

Já a receita operacional líquida acumulada até março de 2021 somou R$ 4,985 bilhões, alta de 22,6% sobre o mesmo período do ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies