Menu
2020-03-26T16:07:07-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
estratégias para crise

Via Varejo quer vender de forma remota durante a pandemia e postergar parcela de carnê

Diante da restrição da circulação de pessoas e lojas fechadas, empresa diz que mantém boa posição de caixa e que planeja intensificar atuação online

26 de março de 2020
15:44 - atualizado às 16:07
Fachada da loja Ponto Frio
Imagem: Wikipedia

Dona das Casas Bahia e do Ponto Frio, a Via Varejo prepara a venda remota de produtos nas próximas semanas, para mitigar os efeitos das lojas fechadas em consequência da crise do novo coronavírus, segundo o CEO da companhia, Roberto Fulcherberguer.

De acordo com o executivo, o plano é que o vendedor inicie a venda por WhatsApp e mande o link para o cliente. "Vendedor feliz com a comissão, cliente feliz pela relação com o vendedor - e ainda temos logística operante", disse o executivo.

Analistas já haviam destacado que a crise do novo coronavírus seria um grande desafio para a empresa, que passa por um processo de reestruturação. A Via Varejo tinha R$ 1,4 bilhão em caixa no final de 2019 e dívida de R$ 1,6 bilhão - o índice liquidez era de 0,8%.

Segundo a companhia, a operação online - que ganhou terreno nos últimos meses, com crescimento de 34,9% do e-commerce no quarto trimestre - deve seguir como grande parte da estratégia de vendas no período de restrição de abertura de lojas.

Para enfrentar a crise, a empresa informou ainda que postergou a parcela do carnê das lojas de abril para depois da última parcela. "O crediário segue operando", afirmou o CEO da companhia. O executivo disse ainda que o estoque está da companhia está "muito saudável". "Terminamos o saneamento do nosso estoque, custeado com dólar a R$ 3,80".

Fulcherberguer assumiu o comando da Via Varejo no ano passado, após a retomada do controle acionário da empresa por parte da família Michel Klein. O empresário comprou toda a participação do GPA no capital social da companhia e promoveu diversas mudanças no alto escalão da empresa, em busca de uma transformação digital, entre outras coisas.

Desde então, Fulcherberguer avalia como ponto positivo a recuperação das lojas físicas, a estabilização das plataformas online e o aumento do uso de apps das Casas Bahia e Ponto Frio - o número de usuários mensais ativos aumentou em 400% entre junho de 2019 e janeiro deste ano, para 7,4 milhões, segundo a empresa.

Para os próximos meses, o executivo contou que a empresa quer dobrar o número de pontos de entrega, os mini-hubs. A Via Varejo também promete novos apps até junho e uma melhoria na plataforma de market place- a companhia, no entanto, não deu detalhes.

Olho no caixa

Fulcherberguer disse que os créditos fiscais mencionados no fato relevante de dezembro continuam disponíveis. Segundo ele, são pouco mais de R$ 600 milhões. De acordo com o executivo, a posição de caixa continua "robusta como em 31 de dezembro". "A gente entrou o primeiro trimestre com o estoque saneado", disse.

"O que vai dar a cauda longa para gente vai ser o marketplace, que virá a partir da melhoria do relacionamento com os sellers", disse ainda o executivo, que acrescentou que a empresa busca uma experiência "no limite", em que as vendas físicas e online vão se confundir. "A gente entende que a combinação é uma vantagem nossa".

Também está no radar da empresa a questão do aluguel dos estabelecimentos. "Tem vários shoppings sinalizando como vai acontecer daqui para frente. Estaremos ativos na discussão", afirmou.

Hoje, 35% das despesas da companhia são com a operação física. Todas as outras são relacionadas ao volume de vendas. A empresa mantém expectativas sobre medidas do governo que podem ser anunciadas em relação a tributos, entre outras coisas.

Nesta quinta-feira (26), as ações da varejista subiam 9%, a R$ 6,24, mas desde o início do ano derreteram 45%. A alta de hoje das ações acontece no primeiro pregão após a empresa divulgar que teve um lucro de R$ 78 milhões no quarto trimestre.

Para a XP Investimentos e Credit Suisse, o momento é de compra da ação da Via Varejo. BTG Pactual se mantém neutro e diz que é importante monitorar o endividamento da empresa, em especial por conta da crise do coronavírus.

Analistas da Credit Suisse estimam que os papéis da Via Varejo (VVAR3) podem chegar a R$ 21 em 12 meses - o que representaria uma valorização de 267,78% em relação a cotação de ontem, de R$ 5,71. Os especialistas do BTG veem potencial de 52,54%, a R$ 8,71

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Pandemia

Brasil registra 11.130 casos de coronavírus e 486 mortes

Foram mais de 800 novos casos confirmados entre sábado e domingo; em 24 horas, outras 54 mortes por causa do coronavírus foram constatadas no país

Crise do coronavírus

Bradesco oferecerá financiamento para pequenas empresas pagarem salários

O Bradesco, primeiro grande banco a anunciar a oferta do crédito emergencial, espera que a medida beneficie até 1 milhão de trabalhadores

Crise do coronavírus

O que os líderes podem fazer em meio à pandemia? Para Bill Gates, há três passos fundamentais

O bilionário Bill Gates listou algumas medidas que julga essenciais para que governos e lideranças políticas possam combater de maneira mais eficaz o surto de coronavírus

Pesquisa Datafolha

59% são contra e 37% a favor da renúncia de Bolsonaro em meio à pandemia

Um levantamento do Datafolha, divulgado neste domingo, 5, mostra que 59% dos brasileiros são contra uma renúncia do presidente Jair Bolsonaro em meio ao combate à pandemia pela covid-19. Outros 37% são a favor, conforme vem sendo pedido por políticos da oposição. Outros 4% não sabem dizer. Para apenas 33% dos entrevistados, a gestão da […]

LIÇÕES PARA O SEU DINHEIRO

Recomendações de leitura para um investidor em quarentena

Três livros para você sobreviver ao isolamento e sair deste furacão como um investidor ainda melhor.

O BC e o coronavírus

Preferimos ter um lado fiscal um pouco pior para que as pessoas possam honrar seus contratos, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, destacou que a instituição se preocupa em dar condições às empresas cumprirem suas obrigações financeiras, evitando um movimento de quebra massiva de contratos

Crise da Covid-19

Brasil ultrapassa marca de 10 mil casos de coronavírus

Em 24 horas, o Brasil notificou mais de mil novos casos de coronavírus e outros 72 casos fatais. A taxa de mortalidade no país está em 4,2%

Em conversa com o setor de varejo

Governo faz o máximo para o dinheiro chegar à ponta final, diz Guedes

O ministro Paulo Guedes, participou de conferência com líderes do setor de varejo neste sábado, detalhando as inciativas do governo na crise do coronavírus

Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

Impactos

Crise do coronavírus reduz consumo de carne e já paralisa 11 frigoríficos no país

A indústria da carne já começa a sentir os primeiros efeitos da crise do coronavírus, com uma menor demanda por produtos — o que paralisa alguns frigoríficos no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements