Menu
2020-09-20T14:39:51-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
o app dos jovens

TikTok banido dos EUA? Entenda a polêmica em torno do aplicativo

Trump prometeu tirar o aplicativo chinês do país neste domingo, mas medida não deve ser colocada em prática; entenda as razões por trás da ofensiva americana

20 de setembro de 2020
14:39
O presidente dos EUA Donald Trump
O presidente americano Donald Trump - Imagem: Shutterstock

O aplicativo chinês TikTok virou alvo do presidente dos Estados Unidos Unidos, Donald Trump. Ao longo da semana que passou, o mandatário prometeu até banir o app do país - mas isso não vai acontecer, ao menos por ora.

A data final para o app sair das lojas de aplicativo dos EUA seria este domingo (20) - mas a ferramenta ganhou um prazo extra. Trump disse neste sábado que estava satisfeito com um acordo entre Oracle, o Walmart e o TikTok.

Como a decisão do presidente dos EUA não está oficializada, o Departamento do Comércio optou por adiar por uma semana a ordem de retirada do TikTok do país.

Adeus TikTok?

O acordo entre Oracle, o Walmart e o TikTok diz respeito a venda das operações do aplicativo nos EUA. A dona do aplicativo, ByteDance, e as duas empresas criarão uma nova companhia, com sede nos EUA.

A empresa terá 20% de participação da Oracle e Walmart. A ByteDance terá 80%. Como a dona do TikTok tem entre seus investidores fundos americanos, a conta é de que, no final, a nova companhia criada nos EUA tenha cerca de 50% do capital social controlado por empresas norte-americanas.

A Oracle prevê ser responsável por armazenar os dados dos 100 milhões de usuários do TikTok nos EUA - medida que satisfaria o governo Trump.

TikTok é um aplicativo da startup ByteDance - Shutterstock

Uma conhecida disputa

A investida americana para banir a operação do aplicativo TikTok é o novo capítulo de uma já conhecida disputa do país com a China - especialmente com as empresas de tecnologia.

Durante o governo Trump, a relação de Washington com Pequim piorou quando o assunto é comércio, segurança nacional ou tecnologia. Nos últimos meses o ambiente para empresas que tentam furar a linha de separação entre as duas potências se tornou especialmente hostil.

Os americanos argumentam que a China está engajada em uma campanha de espionagem internacional para adquirir tecnologia que dê vantagem às empresas chinesas, e que aplicativos e redes de tecnologia ameaçam a segurança nacional.

A ofensiva sobre o TikTok (e também sobre o WeChat) seriam parte de uma tendência mais ampla que começou com a Huawei e a ZTE.

Washington adotou a campanha de força total contra a gigante de telecomunicações Huawei, principal nome na corrida pelo oferecimento de tecnologia 5G.

A empresa está banida nos EUA, assim como a ZTE, e os americanos fazem pressão para que países aliados, como o Brasil, não admitam a entrada da chinesa na rede de operação 5G.

Frustração americana

Em parte, especialistas apontam que a motivação das restrições dos EUA decorre da frustração americana com práticas comerciais chinesas, especialmente com a barreira para entrada de empresas de redes sociais e tecnologia.

Desde 2009, o Facebook, por exemplo, está bloqueado na China, um país em que quase 1 bilhão de pessoas têm acesso a internet. Empresas como Google e Twitter também estão impedidas de operar no ambiente controlado pelo país.

Trump explora a rivalidade de Washington com Pequim como plataforma eleitoral. Em 2016, ele prometeu em campanha repactuar a relação comercial com os chineses para dar vantagens e empregos aos americanos. Xi Jingping também usa a briga com os americanos para inflar o nacionalismo chinês.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

embalou

Ibovespa fica perto dos 102 mil pontos com disparada dos bancos e alta em NY; dólar cai abaixo do R$ 5,60

Papéis de Itaú, Banco do Brasil e Bradesco terminam sessão entre as cinco maiores altas do índice, que fechou perto da máxima; moeda americana recua 0,36% e juros sobem em dia de leilão do Tesouro e à espera de novidades fiscais. Lá fora, expectativa para estímulos alivia bolsas americanas

A novela continua

Casa Branca ainda vê ‘divergências significativas’ com democratas sobre estímulos

Kudlow disse que entre as divergências estão verba para Estados democratas em dificuldades e garantias contra processos para empresas na reabertura.

de olho no 3º tri

BofA vê espaço para que Notre Dame Intermédica siga crescendo e eleva preço-alvo

Bank of America vê espaço para que o GNDI continue ganhando mercado e aumente a sua presença em novas regiões

Ajuste nas contas

Cenário fiscal robusto é condição necessária para social sólido, diz secretário

“A melhor forma de termos uma boa gestão desse endividamento elevado é aprovar as reformas. Temos essa janela de oportunidade”, afirmou Waldery Rodrigues.

Teto de gastos

Auxílio emergencial está contido em 2020 e não passará para 2021, diz secretário

“Mais que uma âncora fiscal, o teto de gastos é super âncora fiscal, temos que seguir”, afirmou Waldery Rodrigues.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies