Menu
2020-04-19T23:16:13-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Oferta hostil?

Conselho da AES Tietê rejeita proposta da Eneva, mas fusão ainda pode acontecer

Para o conselho da AES Tietê, que encara o negócio como uma oferta hostil, empresas têm negócios incompatíveis e valor proposto pela Eneva subavalia companhia

19 de abril de 2020
23:16
AES Tietê
Imagem: Divulgação

Se depender do conselho de administração da AES Tietê, a proposta de combinação dos negócios lançada pela Eneva no começo de março não vai para frente. Em reunião neste domingo, o conselho decidiu por unanimidade rejeitar a proposta.

De certo modo, era um movimento esperado. A proposta é tratada desde o início pela companhia como uma oferta hostil (não negociada com a administração). A Eneva propôs a incorporação usando como moeda suas próprias ações mais R$ 2,7 bilhões em dinheiro.

Na época do anúncio, o valor total representava um prêmio de 13,3% sobre as cotações das units da empresa (TIET11), que é controlada pelo grupo norte-americano AES e pela BNDESPar.

Em tese, não faria sentido para qualquer empresa lançar uma oferta hostil por uma companhia com controlador definido. Mas o caso da AES Tietê tem uma peculiaridade. Os norte-americanos possuem a maioria das ações com direito a voto (ordinárias), mas apenas 24,35% do capital total.

Como a empresa brasileira está listada no nível 2 de governança corporativa da B3, os detentores de ações preferenciais têm direito a voto em temas como a proposta de incorporação feita pela Eneva.

Ou seja, o BNDES e os minoritários em tese teriam poder para levar o negócio adiante mesmo sem o aval da AES americana. Então, a rejeição do conselho não significa o fim de jogo.

Embora tenha recusado a oferta, a administração da AES Tietê deixou em aberto a possibilidade discutir um aprimoramento da proposta com representantes da Eneva e depois colocá-la em votação em assembleia.

Por que negou?

O conselho negou a proposta da Eneva por considerar, entre outros fatores, que há uma a incompatibilidade existente entre os negócios das duas companhias, em particular nas diferentes matrizes de geração energia usadas por elas.

A AES Tietê possui nove usinas e três pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) no Estado de São Paulo. Já a Eneva, que tem como principais acionistas a Cambuhy Investimentos e o BTG Pactual, opera com usinas termelétricas a gás natural e carvão mineral.

O conselho da AES Tietê também considerou que a proposta subavaliou a Companhia. “A administração entende que o valor atribuído à AES Tietê no âmbito da combinação de negócios proposta deveria ser significativamente superior.”

A combinação das empresas também vai impactar significativamente a capacidade de remuneração dos acionistas conforme a política e histórico de pagamento de dividendos, segundo o conselho.

Esse foi um dos pontos manifestados Luiz Barsi Filho, um dos maiores investidores individuais da bolsa brasileira e acionista minoritário da AES Tietê, ao se posicionar contra a proposta.

Ao abrir a possibilidade de negociar com a Eneva, o conselho informou que uma eventual nova proposta deverá contemplar a possibilidade de pagamento integral para os acionistas que não desejem migrar para a Eneva.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

entrevista

‘Acredito que ainda vale a pena investir no Brasil’, diz presidente da General Motors na AL

Em entrevista, Carlos Zarlenga afirma que o tamanho do mercado brasileiro ainda é atrativo para investimentos no setor

Prévia operacional

Vendas de incorporação da JHSF crescem 228,5% em 2020; prévias fortes impulsionam ações

Segmento de incorporação teve vendas contratadas de R$ 1,2 bilhão em 2020; ações da companhia reagem positivamente

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

Comece (e termine) pelos porquês

Não pude deixar de notar o paradoxo — possível e brilhantemente proposital — que há nas escolhas da Pixar.

Prévia operacional

Com avanço em vendas e lançamentos em 2020, Mitre divulga prévias operacionais fortes

Houve crescimento nos números da construtora tanto no trimestre quanto no ano. BTG Pactual considerou resultados “excepcionais”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies