Menu
2020-04-22T17:24:02-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Oferta barulhenta

Oferta frustrada da Eneva pela AES Tietê entra na mira da CVM

A xerife do mercado de capitais abriu um processo administrativo para investigar as “notícias, fatos relevantes e comunicados” da AES Tietê

22 de abril de 2020
11:41 - atualizado às 17:24
aes tietê

A tentativa frustrada de combinação de negócios entre as empresas de geração de energia Eneva e a AES Tietê entrou na mira da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A xerife do mercado de capitais abriu um processo administrativo para investigar as “notícias, fatos relevantes e comunicados” da AES Tietê. Não há mais detalhes sobre o procedimento. Como de praxe, a CVM não comenta casos específicos.

Além do processo desta segunda-feira, existem outros dois procedimentos na autarquia, um deles aberto a pedido da gestora HIX Investimentos, acionista da Eneva.

Leia também:

A Eneva decidiu retirar a proposta depois de a americana AES Corp anunciar que não reconheceria a operação caso fosse aprovada em uma assembleia de acionistas.

Em tese, nenhuma oferta pala Tietê iria adiante sem o aval dos americanos, que possuem 61% das ações com direito a voto. A grande questão é que o controlador possui apenas 24% do capital total da AES Tietê, composto também por ações preferenciais.

Como a companhia é listada no nível 2 de governança corporativa da B3, os titulares de ações preferenciais possuem direito a voto em determinadas circunstâncias. Uma delas seria justamente uma proposta de incorporação como a lançada pela Eneva.

A AES Corp, no entanto, entende que a transação não pode ir à frente sem o aval da maioria dos acionistas com ações ordinárias – no caso, ela própria.

No último domingo, o conselho de administração da empresa – controlado pelos americanos – se posicionou contra a proposta da Eneva. A operação foi tratada como uma oferta hostil (sem negociação prévia com a companhia).

A Eneva propôs a incorporação usando como moeda suas próprias ações mais R$ 2,7 bilhões em dinheiro. Na época do anúncio, o valor total representava um prêmio de 13,3% sobre as cotações das units da empresa (TIET11).

O conselho da AES Tietê deixou em aberto a possibilidade de negociar uma proposta alternativa, que permitisse aos acionistas receberem todo o valor em dinheiro. Mas depois da manifestação dos americanos, a Eneva optou por tirar o time de campo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies