Menu
2020-05-25T07:48:48-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
balanços da semana

Magazine Luiza, Iguatemi e Cosan divulgam resultados; saiba o que esperar

Resultados divulgados até agora pelas empresas têm servido para dimensionar os primeiros impactos da crise do novo coronavírus na economia

25 de maio de 2020
6:01 - atualizado às 7:48
Balanços Modelo 22-05
Imagem: Andrei Morais / Seu Dinheiro

A temporada de balanços do primeiro trimestre segue neste semana, com números da varejista Magazine Luiza nesta segunda-feira (25), a rede de shoppings Iguatemi na terça (26) e o grupo Cosan na sexta (29) — cujos negócios abrangem ramos como energia e infraestrutura.

Os resultados divulgados até agora pelas empresas têm servido para dimensionar os primeiros impactos da crise do novo coronavírus na economia. Desde março, o Brasil tem uma série de medidas restritivas de circulação e parte da população teve redução de renda.

A mudança abrupta resultou em perda de faturamento para alguns setores, enquanto outros aceleraram mudanças internas com objetivo de fortalecer a operação online — é do Magazine Luiza.

Logo no início da crise, a varejista foi apontada por especialistas como uma das empresas mais preparadas do setor, por conta da posição de caixa da empresa e a forte atuação online. Analistas da XP, por exemplo, disseram que a empresa poderia se beneficiar de uma quebra de resistência dos brasileiros ao consumo online.

"Dentre as vantagens competitivas do Magalu, destacamos a relevância em categorias de tickets menores após a aquisição da Netshoes, e a estrutura logística de cross-docking, suportada pela aquisição da Logbee", disseram os especialistas da corretora, em 30 dia março.

A corretora avaliou que o Magazine Luiza poderia realizar mais investimentos e, possivelmente, aquisições. A companhia, aliás, finalizou no primeiro trimestre a compra da Estante Virtual por R$ 31 milhões.

A XP também estimou um crescimento anual médio de receita ao longo dos próximos três anos de cerca de 20%. Analistas da Bloomberg já apontam que a receita da varejista deve crescer 16,3% último trimestre. O lucro, no entanto, deve cair.

Os três primeiros meses do ano foram marcados por um anúncio de corte de salários de executivos e pela adesão a suspensão de contratos de trabalho, permitida por uma Medida Provisória (MP) do governo. O Magalu ainda endossou uma campanha contra demissões durante a crise e anunciou a doação de R$ 10 milhões.

A presidente do conselho da varejista, Luiza Trajano, uma das porta-vozes do setor, criticou a articulação do Executivo com os Estados e disse que de nada adiantava acabar com o isolamento social sem que houvesse uma "previsibilidade". "Se não tiver uma segurança da área da Saúde, as pessoas podem até transitar, mas não vão sair comprando", afirmou ao Estadão.

Projeções para o Magazine Luiza

  • Lucro líquido: R$ 106 milhões (↓21,1% )
  • Receita líquida: R$ 5,07 bilhões (↑16,3%)
  • Ebitda: R$ 335,25 milhões (↓15,2%)

Sem passeio

Para os shoppings as soluções se mostraram mais restritas. Sem poder fazer uma migração total de fonte de receitas para o online, as redes seguem com serviços essenciais operando — como supermercados e farmácias — e restaurantes oferecendo delivery.

A receita, hoje de aluguéis, eventos, anúncios em mídias e estacionamentos, caiu drasticamente. Apenas parte dos valores pagos pelos inquilinos segue entrando no caixa.

É um cenário que começou a se desenhar a partir de março. O que significa que os resultados apresentados nesta semana ainda não refletirão por completo os impactos da crise. A Multiplan, por exemplo, que já divulgou o balanço trimestral, reportou perdas em todas as linhas do balanço, mas concentradas no terceiro mês do ano.

Os shoppings seguem determinações de governos locais para pausar as atividades físicas. No Estado de Santa Catarina, por exemplo, o Iguatemi já retomou parte das operações. Ainda assim, para os analistas da Bloomberg, o ritmo de hoje não impedirá a empresa de ter uma queda de ao menos 50% do lucro.

Projeções para o Iguatemi

  • Lucro líquido: R$ 25,9 milhões (↓52,4% )
  • Receita líquida: R$ 149,5 milhões (↓13,9%)
  • Ebitda: R$ 83,767 milhões (↓35,3%)

Poucas perdas

O ano de 2019 para a Cosan foi de uma alta de 46% do lucro e havia especialistas que, em fevereiro, diziam que a empresa seguiria apresentando bons resultados.

O Credit Suisse, por exemplo, avaliava bem as margens da subsidiária Raízen Combustíveis, que opera os postos Shell no país. Os analistas do banco diziam ver um potencial de alta das ações de R$ 58 para R$ 80 em 12 meses.

Pouco mais de um mês depois da avaliação, surgiu a crise do coronavírus e hoje os papéis da Cosan estão na casa dos R$ 60. Para o UBS, as perspectivas não mudaram drasticamente para empresa.

Segundo a instituição americana, as ações da Cosan ainda podem chegar a R$ 76. O banco avalia que o cenário deve ser difícil para a empresa por conta do impacto na demanda por combustível em todo o país, mas que o atual preço das ações não dimensiona adequadamente a qualidade dos ativos da companhia.

A Cosan atua em várias frentes, de modo que perdas na distribuição de combustíveis, por exemplo, podem ser compensadas pelo desempenho em outras divisões. As projeções dos analistas ouvidos pela Bloomberg também atesta a resiliência da empresa, ao menos no primeiro trimestre.

Projeções para a Cosan

  • Lucro líquido:  R$ 409 milhões (↓26,0% )
  • Receita líquida: R$ 16,9 bilhões (↓0,91%)
  • Ebitda: R$ 1,629 bilhões (↑12,3%)

Agenda da semana

Outros destaques dos próximos dias incluem:

  • Marcopolo nesta segunda-feira;
  • C&A na quarta;
  • Eletrobras e MRV na próxima quinta
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

impactos da crise

Oferta global de petróleo deve cair 7,1 milhões de barris por dia em 2020

De acordo com a AIE, o suprimento global da commodity apenas em junho caiu 2,4 milhões de bpd, para 86,9 milhões de bpd. Este é o menor patamar medido nos últimos nove anos

Bridge the Cash

O que o Fiat 147 ensina sobre a pandemia

Reaquecimento da economia se assemelha à partida de um carro a álcool: como e quando injetar a gasolina é a questão-chave.

crise no setor

Latam diz que demanda caiu 95,2% em junho, na comparação anual

No Brasil, a demanda caiu 89,5% e a oferta diminuiu em 87,6% em junho no comparativo anual

Podcast Touros e Ursos

AO VIVO: Seu Dinheiro discute os movimentos da bolsa, a economia real e muito mais a partir das 12h

O que o mercado vê de tão positivo na economia, a ponto de levar o Ibovespa de volta aos 100 mil pontos? O podcast Touros e Ursos debate o racional por trás da recuperação da bolsa

abaixo de 50 pontos

Confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3º mês seguido em julho

Após tombo histórico, indicador patinou para 34,7 pontos em maio, subiu para 41,2 pontos em junho e chegou agora aos 47,6 pontos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements