Menu
2020-04-29T20:55:51-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Resultados do 1º tri

Com queda em vendas e aluguéis, balanço da Multiplan já mostra impacto do coronavírus nos shoppings

Apesar da alta de 93,3% no lucro e do crescimento recorde no Ebitda, fechamento das lojas em meados de março já impactou negativamente uma série de números da operadora

29 de abril de 2020
20:43 - atualizado às 20:55
Fachada do Barra Shopping, um dos shoppings da Multiplan
Fachada do Barra Shopping, no Rio de Janeiro, um dos shoppings da Multiplan. - Imagem: Divulgação

A Multiplan anunciou, na noite desta quarta-feira (29), um lucro líquido de R$ 177,7 milhões no primeiro trimestre de 2020, alta de 93,3% em relação ao mesmo período de 2019, quando o resultado foi positivo em R$ 91,9 milhões. Nos últimos 12 meses, o crescimento foi de 19,3%, atingindo R$ 556,8 milhões.

Já o Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 343,7 milhões no período, um aumento recorde de 49,1% na comparação anual. Em 12 meses, a alta foi de 10,3%, para R$ 1,045 bilhão.

A companhia é a primeira operadora de shopping centers a divulgar resultados depois que a pandemia de coronavírus obrigou o fechamento da maior parte do comércio em todo o país. As medidas de "lockdown" começaram a valer em meados de março e já exibiram impactos neste primeiro balanço do ano.

Os efeitos não ficam claros à primeira vista, mas boa parte do crescimento do lucro líquido e do Ebitda da Multiplan deveu-se a medidas de cortes de custos, reversão da remuneração baseada em ações (voltada para executivos) e a um evento não recorrente, o ganho de R$ 48,3 milhões após aquisição de participação na Manati, empresa detentora do Shopping Santa Úrsula.

Excluída a remuneração baseada em ações contabilizada em ambos os períodos, o lucro líquido apresentaria um crescimento de 51,3% ante o mesmo período do ano anterior, atingindo R$ 155,7 milhões com uma margem de 47,8%. Já o Ebitda teria crescido 33,2%.

Também contribuiu para o resultado um aumento de 5,9% na receita líquida na comparação anual, para quase R$ 326 milhões.

A receita bruta totalizou R$ 353 milhões, alta de 3,8% sobre o primeiro trimestre de 2019, "beneficiada pelas recentes aquisições e pelo desempenho durante os dois primeiros meses do trimestre, apesar dos impactos causados pela suspensão temporária de todas as operações em março", diz o comunicado divulgado pela empresa.

Outro fator que teve efeito sobre o lucro líquido da Multiplan foi a queda nas despesas financeiras após renegociações de dívidas e a queda na taxa Selic (a maior parte da dívida da empresa é indexada ao CDI). O custo da dívida da companhia atingiu o menor patamar da sua história, 4,73% ao ano no final de março.

Janeiro e fevereiro ainda seguraram a onda

O balanço do primeiro trimestre não chegou a ser amplamente impactado pelos efeitos do coronavírus, porque até a metade de março os shoppings ainda funcionaram normalmente. Mas uma análise dos dois primeiros meses e do mês de março mostra que, apesar das medidas de contenção de custos, o fechamento da maior parte das lojas - com exceção de serviços essenciais, como supermercados e farmácias - cobrou seu preço.

Isso fica bem nítido quando se analisam os indicadores de vendas. As vendas dos lojistas tiveram sua tendência de alta interrompida. O indicador cresceu 7,8% na base anual nos meses de janeiro e fevereiro, para R$ 2,5 bilhões. Se incluída a primeira metade de março, o crescimento foi de 7,3% em relação ao mesmo período de 2019.

No entanto, quando contabilizado o trimestre inteiro, as vendas dos lojistas caíram 10,2% em relação ao primeiro trimestre de 2019, para R$ 3,1 bilhões, impactadas justamente pela suspensão temporária das atividades a partir de 18 de março em razão do coronavírus.

Já indicador vendas mesmas lojas (referente às vendas de lojas em funcionamento há mais de um ano) subiu 5,5% no primeiro bimestre ante o mesmo período do ano anterior, mas caiu 11,8% no trimestre na comparação anual.

A mesma tendência é observada nas receitas com estacionamento (alta de 9,0% nos dois primeiros meses, mas queda de 11,3% no trimestre, atingindo R$ 46 milhões) e nas receitas com locação (alta de 9,0% nos dois primeiros meses, mas queda de 5,6% no trimestre, atingindo R$ 236,3 milhões).

O valor do aluguel nas mesmas lojas caiu 9,1% para R$ 108/m² por mês sobre o primeiro trimestre de 2019, primeira retração trimestral desde a abertura de capital da companhia.

No caso dos aluguéis, a Multiplan explicou que as receitas foram impactadas pelas melhores condições oferecidas aos lojistas em razão da suspensão das atividades a partir de meados de março. A companhia ofereceu um desconto de 50% no aluguel aos inquilinos que cumprissem suas obrigações contratuais.

A taxa de inadimplência no trimestre foi de 2,7%, apenas ligeiramente maior que a taxa de 2,4% do primeiro trimestre de 2019.

Empenho no corte de custos

Por outro lado, a Multiplan se empenhou no corte de custos, o que ajudou no resultado. A paralisação das atividades nos shopping centers inclusive possibilitou essa economia.

Na comparação anual, houve uma queda de 11,7% nas despesas de sede e 16,7% nas despesas de propriedades (shoppings + torres corporativas). Este último item, no entanto, foi impactado por um evento não recorrente, despesas de IPTU parcialmente compensadas pelas recentes aquisições e provisões de inadimplência de aluguel de trimestres passados.

A manutenção de um caixa robusto também esteve entre as preocupações da companhia no primeiro trimestre. A Multiplan terminou o mês de março com R$ 1,15 bilhão em caixa, 25,8% a mais que no fim de dezembro de 2019, após assinar uma nova linha de crédito bilateral de R$ 250 milhões justamente para reforçar a liquidez.

Com essa nova linha de crédito e mais três obrigações decorrentes das recentes aquisições de participações minoritárias concluídas no primeiro trimestre, a dívida bruta da companhia foi para R$ 3,82 bilhões, alta de 21,5% ante o quarto trimestre de 2019 e 33,6% na comparação anual.

Já a dívida líquida foi para R$ 2,67 bilhões, alta de 19,8% ante o quarto tri e de 44,7% na comparação anual. A relação dívida líquida/Ebitda aumentou de 2,39 vezes em dezembro para 2,55 vezes em março.

Investimentos em ritmo mais lento

A Multiplan concluiu a aquisição de participações minoritárias em empreendimentos no primeiro trimestre, totalizando R$ 577,4 milhões. O total de investimentos no período teve valor de R$ 657,1 milhões.

A companhia resolveu suspender temporariamente os investimentos em projetos que estavam em estágios preliminares, assim como renovações de propriedades em operação.

Houve também a redução do ritmo da obra do Park Jacarepaguá, cuja abertura foi postergada para 2021.

"Além de considerar que o atual cenário pode levar a uma redução do ritmo de locação, a redução do CAPEX também visa preservar o caixa da Companhia. É importante destacar que nenhum projeto citado foi cancelado e todos devem ser retomados quando a Multiplan julgar apropriado, considerando sua estratégia de longo prazo", diz o comunicado divulgado pela empresa.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Retomando a pauta

Votação do marco do saneamento deve ser retomada no Senado

O novo marco do saneamento — projeto que facilita a atuação da iniciativa privada no setor — tende a voltar à pauta no Senado em julho

Atrasou demais

Conselho diz que não há tempo hábil para privatizar Cedae

Um estudo aponta que a Cedae, a companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, deverá parar nas mãos do governo federal por falta de tempo para conclusão do processo de privatização

Pouco atraente

Participação do Brasil na carteira do investidor estrangeiro cai a 0,3%

Os diversos riscos associados à alocação de recursos no Brasil fizeram o peso do Brasil na carteira dos investidores estrangeiros — a incerteza política e a fraqueza econômica aparecem como importantes fatores

SEU DINHEIRO NO SÁBADO

MAIS LIDAS: Crise? Que crise?

O recente rali da bolsa pegou todo mundo de surpresa — e, não à toa, a matéria elencando cinco razões que explicam essa onda de otimismo foi a mais lida do Seu Dinheiro nesta semana

Crise setorial

Indústria deve deixar de vender mais de 1,3 milhão de veículos neste ano

A crise do coronavírus afetou as linhas de produção de veículos e também diminuiu as vendas em todo o país. Como resultado, o setor prevê uma queda de 40% no total vendido no ano

Seu mentor de investimentos

Um filme de terror: inflação volta a ter destaque no cenário brasileiro

Ivan Sant’Anna faz um paralelo entre a inflação galopante do fim dos anos 80 e o atual cenário de virtual estabilidade na variação dos preços — e mostra preocupação com o comportamento do mercado nesse novo panorama

Recuperação na bolsa

Até onde vai o Ibovespa? Para a XP, o índice voltará aos 112 mil pontos ao fim de 2020

A XP Investimentos revisou para cima sua projeção para o Ibovespa ao fim de 2020, passando de 94 mil pontos para 112 mil pontos — um patamar que implica num potencial de alta de mais de 18% em relação aos níveis atuais da bolsa

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Como se preparar para a nova Era do Empreendedorismo

Quando as coisas mudam tão drasticamente quanto nos últimos meses, pode ser difícil perceber, mas esses momentos criam as maiores oportunidades.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements