Menu
2020-02-25T22:50:08-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Lugar de gente feliz?

Ações do GPA despencam 7% após balanço mostrar fraqueza no setor de multivarejo

A divisão de multivarejo do GPA — encabeçada pelas redes Pão de Açúcar, Extra e Compre Bem — reportou queda na receita e piora nas margens, gerando uma onda de pessimismo em relação às ações da empresa

20 de fevereiro de 2020
16:08 - atualizado às 22:50
Grupo Pão de Açúcar
Imagem: Jacques Lepine / Estadão Conteúdo

A vida não anda fácil para o GPA. A companhia, que vê o rival Carrefour Brasil conquistar uma participação de mercado cada vez maior, divulgou na noite passada seu balanço referente ao quarto trimestre de 2019 — e os números decepcionaram os investidores.

O tamanho da frustração pode ser medido pelo desempenho dos papéis da empresa nesta quinta-feira (20). As ações PN do GPA (PCAR4) terminaram o pregão em forte queda de 7,33%, a R$ 81,21.

Trata-se da uma das maiores baixas do Ibovespa na sessão de hoje — no pior momento do dia, chegaram a ser negociadas a R$ 80,36 (-8,30%). Com a queda, as ações do GPA agora acumulam perdas de 5,02% na semana e de 7,35% desde o início de 2020.

À primeira vista, os números do GPA não parecem tão negativos. Considerando apenas o segmento alimentar — o carro-chefe da varejista —, o lucro líquido consolidado chegou a R$ 1,09 bilhão em 2019, alta de 34,1% ante 2018. No quarto trimestre, contudo, os dados foram mais fracos: queda de 29,8%, para R$ 266 milhões.

Vale ressaltar, no entanto, que o balanço consolidado do GPA possui uma série de ajustes e efeitos não recorrentes, em função das movimentações organizacionais dentro do grupo Casino — o controlador da empresa brasileira — na América Latina. Em alguns momentos, os números apresentados podem gerar alguma confusão para os mais desavisados.

Desta maneira, é melhor olhar para o desempenho individual de cada divisão do GPA. Há o chamado "atacarejo", encabeçado pela rede Assaí — uma espécie de híbrido entre um atacadista e um supermercado comum — e o multivarejo, representado pelas bandeiras Pão de Açúcar, Extra e Compre Bem.

E, ao separar os números dos dois segmentos, analistas e investidores encontraram resultados pouco animadores, especialmente na segunda categoria.

Ponto fraco

O multivarejo reportou uma receita líquida de R$ 7,1 bilhões no quarto trimestre de 2019, cifra 2,3% menor que a registrada no mesmo intervalo do ano anterior. Segundo o GPA, essa redução se deve, em grande parte, às reformas e conversões de lojas, que reduziram a circulação de pessoas e culminaram num número maior de promoções durante a reabertura.

Além disso, a empresa cita a alta nos preços das carnes no trimestre como um segundo fator de queda no faturamento, já que, com os valores mais altos sendo cobrados, o consumo desses produtos naturalmente diminuiu.

Mas, independente disso, fato é que o desempenho mais fraco do multivarejo pegou o mercado de surpresa. O Ebitda ajustado da divisão recuou 29,3% em um ano, para R$ 445 milhões; a margem Ebitda ajustada piorou 2,4 pontos, para 6,2%.

Por outro lado, o "atacarejo" do GPA continua se expandindo. O Assaí fechou o trimestre com receita líquida de R$ 8 bilhões, alta de 19,3% na base anual, com Ebitda ajustado de R$ 624 milhões — cifra 39,8% maior na mesma base de comparação. A margem Ebitda chegou a 7,8%, aumentando 1,1 ponto ante o mesmo período de 2018.

O bom desempenho do Assaí, contudo, não serviu para aliviar o desconforto dos analistas.

Ceticismo

Em relatório, os analistas Luiz Guanais e Gabriel Savi, do BTG Pactual, mostraram-se decepcionados com os números do GPA e ressaltaram a pressão sobre as margens da divisão de multivarejo.

"Apesar de vermos uma tendência melhor para a companhia em 2020, beneficiado-se da conversão de hipermercados em lojas no formato 'pague e leve' e o fechamento de unidades deficitárias, a recuperação dos fundamentos do GPA deve ser gradual", escrevem os analistas.

Já Victor Saragiotto e Pedro Pinto, do Credit Suisse, dizem que as perspectivas para o setor de multivarejo no curto prazo são desafiadoras, por mais que o processo de reforma e conversão de lojas tenha potencial para trazer benefícios adiante.

Como um todo, o Credit Suisse diz que o balanço trimestral foi fraco, com o desempenho das redes Pão de Açúcar, Extra e Compre Bem neutralizando os avanços vistos na operação do Assaí.

Concorrência

Por mais que o Assaí continue crescendo num ritmo forte, a tendência é a de que a arena do "atacarejo" torne-se cada vez mais disputada daqui para frente.

No início da semana, o Carrefour Brasil acertou a compra de 30 unidades do Makro — as lojas serão convertidas para a marca Atacadão, a bandeira da companhia no segmento de "atacarejo".

Com a aquisição, o Carrefour Brasil amplia sua presença geográfica no setor, já que as lojas compradas ficam fora do Estado de São Paulo, onde o Atacadão já possui muitas unidades. A expansão ocorrerá principalmente no Rio de Janeiro e no Nordeste, dois mercados cruciais para o grupo.

Considerando tudo isso, o mercado mostra-se hesitante quanto ao futuro do GPA. Por um lado, o Assaí segue forte, mas tende a enfrentar concorrência cada vez mais acirrada; por outro, o multivarejo dá sinais de desgaste, sem indício de que poderá engatar uma virada no curto prazo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Mercados hoje

Bolsas sobem em Nova York após dois dias de queda, mas petróleo pressiona índice de empresas brasileiras

Otimismo com retomada da economia norte-americana impulsiona bolsas. A maior surpresa do dia é o Nasdaq, que sobe mesmo com o peso das ações da Netflix

O varejo ferve

Renner mira compra da Dafiti com recursos da oferta de ações

Varejista anunciou captação de até R$ 6,5 bilhões na bolsa e pode usar os recursos para fazer uma proposta pelo e-commerce de moda

Pouso forçado

Demanda por voos deve encerrar o ano em menos da metade do nível pré-pandemia

O prejuízo total das companhias aéreas em 2021 deve ficar entre US$ 47 bilhões e US$ 48 bilhões, de acordo com a ação Internacional de Transporte Aéreo (Iata)

Agora vai?

Governo vai reduzir valor de arrecadação por áreas “micadas” do pré-sal em novo leilão

A arrecadação que o governo pretende receber pela exploração de dois campos do pré-sal foi reduzida em R$ 25,5 bilhões; novo leilão deve acontecer em dezembro

Mercado de capitais

FGTS embolsa quase R$ 900 milhões com venda de ações da Alupar em oferta

O fundo que reúne o dinheiro dos trabalhadores com carteira assinada tinha uma participação de 12% no capital do grupo de geração e transmissão de energia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies