Menu
2020-11-14T12:31:11-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
REVIRAVOLTA

CVM muda entendimento e libera fundadores da Linx para votarem oferta da Stone

Colegiado reverte entendimento de área técnica e não vê conflito de interesse

14 de novembro de 2020
11:49 - atualizado às 12:31
Linx Nyse
Executivos da Linx durante cerimônia que marcou estreia das ações da companhia na Nyse - Imagem: Reprodução Instagram

A Stone (STNE) encontra-se cada vez mais próxima de sacramentar a compra da Linx (LINX3), processo marcado por uma série de controvérsias desde que a oferta foi apresentada, em agosto.

O colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu na sexta-feira (13) que os fundadores da empresa de tecnologia para o varejo – Alberto Menache, Nércio Fernandes e Alon Dayan – poderão votar na assembleia de acionistas que analisará a proposta de compra apresentada pela companhia de maquininhas de cartão. A reunião está marcada para terça-feira (17).

A decisão reverteu o entendimento da área técnica da autarquia, que recomendou que os fundadores da Linx, que possuem quase 15% do capital da empresa, fossem impedidos de votar.

Para o colegiado, instância máxima da CVM, não ficou “demonstrado, neste momento, conflito de interesses apto a gerar impedimento de voto por parte dos acionistas fundadores”. O suposto conflito estaria no fato de que os três acionistas receberão um valor adicional relacionado a uma cláusula de não-competição, se a proposta da Stone for aprovada.

Também foi negado o pedido de adiamento da assembleia de acionistas.

Cálculos

A Stone precisa que o equivalente a 50% do capital social da Linx mais uma ação seja favorável à incorporação – ou seja, ela precisa de 87,8 milhões de votos. Com a decisão da CVM, ela já pode contar com a fatia dos três fundadores, cerca de 27 milhões de votos.

Na quinta-feira (12) à noite, a Linx divulgou o número de boletim dos votos recebidos a distância. Ela recebeu 47,6 milhões destes documentos, equivalente a 27% da base acionária da companhia — descontando as ações em tesouraria.

Desse total, 51,05% dos acionistas se manifestaram a favor da incorporação da Linx pela Stone. Outros 48,11% decidiram rejeitar o negócio e 0,85% optaram pela abstenção. Quando se considera toda a base acionária, o placar está em 13,83% a 13,03% a favor da Stone.

De acordo com a Coluna do Broadcast, a Stone já tem cerca de 61,4 milhões de votos favoráveis, faltando algo próximo a 25,6 milhões para concretizar a aquisição. Ela ainda enfrenta algumas resistências, caso do Itaú, que possui 8 milhões de votos e indicou que não aceita a proposta.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies