Menu
2020-11-14T20:29:27-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Fusão polêmica

Linx: voto a distância mostra aprovação da proposta da Stone por margem apertada

Proposta da Stone ganhou apoio de 51,05% dos acionistas que votaram a distância. Outros 48,11% decidiram rejeitar o negócio na assembleia marcada para o dia 17

13 de novembro de 2020
11:25 - atualizado às 20:29
Linx
Imagem: Shutterstok

Com elementos que remetem à acirrada apuração nas eleições presidenciais nos Estados Unidos, a assembleia de acionistas da Linx que decidirá sobre a proposta de venda para a Stone já tem uma primeira parcial do resultado.

A empresa de tecnologia para o varejo divulgou ontem à noite o boletim dos votos recebidos a distância na assembleia marcada para o próximo dia 17. E o resultado mostrou uma vantagem apertada para a Stone.

Leia também:

A Linx recebeu 47,6 milhões de votos a distância, equivalente a 27% da base acionária da companhia — descontando as ações em tesouraria.

Desse total, 51,05% dos acionistas se manifestaram a favor da incorporação da Linx pela Stone. Outros 48,11% decidiram rejeitar o negócio e 0,85% optaram pela abstenção. Quando se considera toda a base acionária, o placar está em 13,83% a 13,03% a favor da Stone.

A Linx recebeu uma segunda proposta de incorporação, da empresa de software Totvs, mas a oferta não foi colocada em votação na assembleia.

Ainda é cedo para fazer qualquer prognóstico do resultado. Até o momento não está definido quem poderá votar na assembleia, e nem mesmo se o encontro será de fato realizado.

No entendimento da área técnica da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) os fundadores da Linx, que possuem quase 15% do capital da empresa, devem ser impedidos de votar.

Eles recorreram ao colegiado da autarquia, que abriu um processo administrativo depois que acionistas minoritários entraram com pedido de suspensão da assembleia.

Do seu lado, a Stone entrou no Cade, órgão de defesa da concorrência, para impedir o Itaú de votar na assembleia, segundo informações publicadas na imprensa. A asset do banco possui 5% das ações da Linx.

Para a assembleia acontecer na primeira convocação, é preciso quórum de acionistas que detenham pelo menos dois terços do capital da companhia.

A Stone, que tem 5,8% das ações da Linx e obviamente vai votar a favor de sua proposta, precisa do apoio da maioria simples para sair vitoriosa da disputa. Porém, assim como aconteceu na eleição norte-americana, não será surpresa se o resultado for contestado pelo lado perdedor.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies