Menu
2020-11-20T07:50:12-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Fôlego na crise

CVC fecha acordo de renegociação da dívida com credores de debêntures

O acordo prevê o alongamento parcial de dívidas, condicionado ao pagamento imediato de parte do saldo e restrições à distribuição de dividendos

20 de novembro de 2020
7:49 - atualizado às 7:50
CVC
Imagem: Divulgação

Afetada diretamente pelas medidas de isolamento impostas pela pandemia do coronavírus, a rede de agências de viagem CVC (CVCB3) fechou a renegociação das dívidas com os investidores de debêntures da companhia, no total de R$ 1,5 bilhão.

O acordo prevê o alongamento parcial de dívidas, condicionado ao pagamento imediato de parte do saldo e restrições ao pagamento de dividendos.

Leia também:

Com a renegociação, a CVC pode ganhar algum fôlego financeiro enquanto precisar com a forte queda na demanda por viagens em meio à pandemia. No ano, as ações da companhia acumulam queda de 60%, mas registram alta de 33% neste mês.

O acordo prevê o alongamento parcial da dívida de curto prazo da 2ª emissão (CVCB12). O vencimento passou de 21 de novembro de 2020 para 21 de novembro de 2021.

A CVC se comprometeu a fazer o pagamento de 10% do total das dívidas na próxima segunda-feira, 23 de novembro, com exceção de CVCB12, cujos investidores receberão 57% do total.

O saldo da dívida das debêntures CVCB12 também terão a dívida remanescente amortizada de forma mensal a partir de março de 2021 até a nova data de vencimento.

Nas debêntures da terceira emissão (CVCB13), a empresa se comprometeu a pagar R$ 51 milhões em março de 2021 e o restante em parcelas mensais a partir de julho de 2021 até a data de vencimento (março de 2022).

Em ambos os casos, a amortização das debêntures pode ser alterada caso seja verificado aumento de capital da companhia até 28 de fevereiro de 2021.

Confira a seguir como ficaram as condições da dívida da CVC em debêntures:

Fonte: CVC

Dividendo restrito

O acordo da CVC com os credores prevê ainda a restrição ao pagamento de dividendos (com exceção do dividendo mínimo obrigatório) até 31 de dezembro de 2022 ou até que até que seja verificado o índice financeiro dívida líquida/Ebitda igual ou inferior a 3,5 vezes, o que ocorrer primeiro.

A empresa também se comprometeu com novos covenants (compromissos) financeiros e a implementar um “evento de liquidez”, ou seja, uma captação de recursos no mercado local ou internacional.

Caso esse evento não ocorra até 30 de setembro de 2021, a CVC terá de pagar integralmente o saldo das debêntures CVCB12. Já os credores das debêntures CVCB14 e CVCB24 terão o direito de subscrever com seus respectivos créditos novas ações da companhia em aumento de capital que deverá ser realizado pela companhia.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies