Menu
2020-11-20T07:50:12-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Fôlego na crise

CVC fecha acordo de renegociação da dívida com credores de debêntures

O acordo prevê o alongamento parcial de dívidas, condicionado ao pagamento imediato de parte do saldo e restrições à distribuição de dividendos

20 de novembro de 2020
7:49 - atualizado às 7:50
CVC
Imagem: Divulgação

Afetada diretamente pelas medidas de isolamento impostas pela pandemia do coronavírus, a rede de agências de viagem CVC (CVCB3) fechou a renegociação das dívidas com os investidores de debêntures da companhia, no total de R$ 1,5 bilhão.

O acordo prevê o alongamento parcial de dívidas, condicionado ao pagamento imediato de parte do saldo e restrições ao pagamento de dividendos.

Leia também:

Com a renegociação, a CVC pode ganhar algum fôlego financeiro enquanto precisar com a forte queda na demanda por viagens em meio à pandemia. No ano, as ações da companhia acumulam queda de 60%, mas registram alta de 33% neste mês.

O acordo prevê o alongamento parcial da dívida de curto prazo da 2ª emissão (CVCB12). O vencimento passou de 21 de novembro de 2020 para 21 de novembro de 2021.

A CVC se comprometeu a fazer o pagamento de 10% do total das dívidas na próxima segunda-feira, 23 de novembro, com exceção de CVCB12, cujos investidores receberão 57% do total.

O saldo da dívida das debêntures CVCB12 também terão a dívida remanescente amortizada de forma mensal a partir de março de 2021 até a nova data de vencimento.

Nas debêntures da terceira emissão (CVCB13), a empresa se comprometeu a pagar R$ 51 milhões em março de 2021 e o restante em parcelas mensais a partir de julho de 2021 até a data de vencimento (março de 2022).

Em ambos os casos, a amortização das debêntures pode ser alterada caso seja verificado aumento de capital da companhia até 28 de fevereiro de 2021.

Confira a seguir como ficaram as condições da dívida da CVC em debêntures:

Fonte: CVC

Dividendo restrito

O acordo da CVC com os credores prevê ainda a restrição ao pagamento de dividendos (com exceção do dividendo mínimo obrigatório) até 31 de dezembro de 2022 ou até que até que seja verificado o índice financeiro dívida líquida/Ebitda igual ou inferior a 3,5 vezes, o que ocorrer primeiro.

A empresa também se comprometeu com novos covenants (compromissos) financeiros e a implementar um “evento de liquidez”, ou seja, uma captação de recursos no mercado local ou internacional.

Caso esse evento não ocorra até 30 de setembro de 2021, a CVC terá de pagar integralmente o saldo das debêntures CVCB12. Já os credores das debêntures CVCB14 e CVCB24 terão o direito de subscrever com seus respectivos créditos novas ações da companhia em aumento de capital que deverá ser realizado pela companhia.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ainda falta chão...

Reforma administrativa dá mais um passo na Câmara dos Deputados

O relator leu hoje seu parecer pela constitucionalidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ); votação deve ocorrer a partir do dia 20

Novo momento

Fertilizantes Heringer registra prejuízo líquido de R$ 7,46 milhões no 1º tri

Empresa teve melhor Ebitda da história para um primeiro trimestre, mas resultado foi impactado por despesas financeiras

na b3

GetNinjas estreia em queda na bolsa, após IPO com ação abaixo do previsto

Empresa levantou R$ 550 milhões na oferta inicial de ações, com desconto de quase 20% do valor do papel em relação ao preço mínimo da faixa

Diversificando

BTG Pactual lança fundo de investimento 100% em bitcoin

O lançamento vem em linha com a diversificação de ativos oferecidos pelo banco

Exile on Wall Street

Um investidor conservador sabe que uma boa ação tem seus defeitos

“Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta.” Se o sábado é uma ilusão, a segunda-feira deve ser a mais dura e fria realidade. Começamos a semana com Nelson Rodrigues. O conservador é um cético na capacidade de grandes revoluções oferecerem um futuro não testado que seja superior ao que sobreviveu ao teste […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies