Menu
2020-04-29T12:08:29-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Bolsa

Credit Suisse eleva recomendação de ação da Cielo. Hora de comprar?

Não, não é hora. Mas as cotações das ações da Cielo já caíram tanto que o Credit Suisse já não vê muito espaço para perdas ainda maiores na bolsa

29 de abril de 2020
12:08
Maquininha Cielo
Imagem: Shutterstock

Vou começar este texto respondendo logo de cara a pergunta do título: não, não é hora de comprar as ações da Cielo. Mas as cotações dos papéis (CIEL3) já caíram tanto que o Credit Suisse já não vê muito espaço para perdas ainda maiores na bolsa.

Diante disso, os analistas do banco suíço decidiram elevar a recomendação para as ações da empresa de maquininhas de cartão controlada pelo Banco do Brasil de Bradesco de “underperform” (equivalente a venda) para “neutra”.

Apesar da melhora na recomendação, o Credit Suisse cortou o preço-alvo dos papéis de R$ 6,00 para R$ 4,80. Na manhã de hoje, as ações da Cielo eram negociadas em queda de 2,09%, cotadas a R$ 4,09. Leia também nossa cobertura de mercados.

Os investidores reagem ao balanço do primeiro trimestre divulgado pela companhia ontem à noite. A Cielo registrou uma queda de 69,4% no lucro líquido, em relação ao mesmo período do ano passado, para R$ 166,8 milhões.

Para o Credit Suisse, os resultados foram fracos e os dados operacionais não sustentam nenhuma visão otimista para o curto prazo.

Por outro lado, as cotações atuais atuais na bolsa da Cielo refletem basicamente o valor da posição de Caixa e da Cateno – negócio de cartões em sociedade com o Banco do Brasil.

“Embora um cenário em que a Cielo administre a unidade de adquirência [maquininhas] com prejuízo não seja impossível, não vemos esse cenário persistindo no longo prazo”, escreveram os analistas, em um relatório para clientes.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Sucessão no bancão

Milton Maluhy Filho será o novo presidente do Itaú Unibanco

Maluhy tem 44 anos e ingressou no Itaú em 2002. Após passar por diversas funções, o executivo ocupa o cargo de vice-presidente da área de riscos e finanças do maior banco privado brasileiro.

Big Techs

Resultados de Facebook, Google, Amazon, Twitter e Apple mexem com o mercado; veja números

Apesar dos resultados estarem bastante acima do esperado pelos analistas, as ações de algumas das gigantes caíram no pós-mercado em NY

Rombo

Governo Central tem déficit de R$ 76,1 bilhões em setembro

O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 96,096 bilhões de agosto.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies