Menu
2020-01-02T12:43:46-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
quem entra

Carrefour, Hapvida, SulAmérica, Cia Hering e Totvs: conheça as novas integrantes do Ibovespa

B3 divulga regularmente três prévias das novas composições do índice; nas duas primeiras prévias, apareceram Carrefour, Hapvida, SulAmérica e Hering.

2 de janeiro de 2020
10:23 - atualizado às 12:43
Montagem de fotos de Hapvida. Carrefour, Totvs e Cia Hering
Hapvida. Carrefour, Totvs e Cia Hering entram no Ibovespa em 6 de janeiro de 2020 - Imagem: Seu Dinheiro

O clube do Ibovespa, que concentra a elite das ações negociadas em bolsa, tem cinco novos integrantes: Carrefour Brasil ON (CRFB3), Hapvida ON (HAPV3), SulAmérica units (SULA11), Cia Hering ON (HGTX3) e Totvs (TOTS3).

A partir de segunda-feira (6), a carteira do Ibovespa passará a ter 73 ativos — nenhum papel deixou o portfólio. A nova versão do índice valerá pelos próximos quatro meses, com uma nova revisão sendo feita ao fim de abril.

A nova carteira do Ibovespa vigora entre 6 de janeiro e 30 de abril de 2020. As ações PN do Itaú Unibanco (ITUB4) se mantêm com o maior peso na composição do índice, com 8,610%. Em seguida aparecem Vale ON (8,248%), Bradesco PN (6,865%), Petrobras PN (6,684%), e B3 ON (4,278%).

A B3 divulga regularmente três prévias das novas composições do índice: a 1ª prévia, no primeiro pregão do último mês de vigência da carteira em vigor; a 2ª prévia, no pregão seguinte ao dia 15 do último mês de vigência da carteira em vigor e a 3ª prévia, no penúltimo pregão de vigência da carteira em vigor.

Nas duas primeiras prévias, apareceram Carrefour, Hapvida, SulAmérica e Hering. Nesta quinta, na terceira e última prévia, a Totvs aparece como novidade.

Quem são as novatas?

O Ibovespa como um todo teve um 2019 bastante positivo, acumulando ganhos superiores a 30%. Mas três das quatro novas integrantes superaram em muito o rendimento da carteira.

Foi o caso de Hapvida ON, Totvs e Sulamerica, que teve um ganho superior a 100% Já Carrefour Brasil ON ficou quase empatada com o Ibovespa, saltando cerca de 30% em 2019 — Cia Hering ON, por sua vez, subiu "apenas" 20%.

Surfando a onda doméstica

O Carrefour Brasil aposta suas fichas na retomada do crescimento econômico do país em 2020 — fator que, naturalmente, irá impulsionar suas atividades, já que o ramo de supermercados possui estreita relação com o ritmo da atividade doméstica.

E, considerando que a companhia já vem apresentando resultados interessantes em 2019, as perspectivas são animadoras daqui para frente. No terceiro trimestre, o Carrefour Brasil reportou lucro líquido de R$ 448 milhões, cifra 14,7% maior na base anual — as vendas líquidas avançaram 8,1% na mesma base, para R$ 13,7 bilhões.

Assim como seu principal rival, o GPA, o Carrefour Brasil possui bandeiras voltadas ao varejo e outras para o chamado "atacarejo" — no caso, a marca Atacadão, que é responsável pela maior parte da geração das vedas líquidas.

E o otimismo é reforçado pelos planos de expansão do Carrefour em 2020. Em novembro, o presidente do grupo, Noël Prioux, disse que a companhia planeja abrir 20 lojas Atacadão no ano, além de acelerar o ritmo de inauguração de lojas de vizinhança, do e-commerce e dos serviços financeiros.

Não temos bola de cristal, mas há alguns parâmetros que indicam que 2020 será um pouco melhor", disse Prioux. desde 2016, o Carrefour mantém o ritmo de investimentos, aplicando cerca de R$ 2 bilhões ao ano para a expansão das operações.

Hapvida: Expansão agressiva

A Hapvida, uma empresa do setor de saúde suplementar, tinha como nicho geográfico as regiões Nordeste e Norte do país. Pois em 2019 a empresa resolver ir além, buscando entrar em outros mercados — e fez isso via aquisições.

A primeira grande operação da Hapvida ocorreu em maio, quando fechou a compra do Grupo São Francisco, dono de hospitais e operador de planos de saúde no interior de São Paulo, por R$ 5 bilhões. Esse foi só o começo do processo de expansão.

Somente em 2019, a empresa adquiriu o Grupo América, com atuação no centro-oeste; o Hospital das Clinicas do Cariri, no Ceará; a RN Metropolitan, focada na região do Triângulo Mineiro; o Hospital das Clínicas de Parauapebas, no Pará; e a carteira de clientes de planos médicos da Agemed Saúde, que atua em Santa Catarina.

É claro que, para ter munição para tantas aquisições, a Hapvida precisou acessar o mercado: a empresa concluiu uma oferta subsequente de ações (follow on) em 2019, levantando R$ 2,37 bilhões.

Do ponto de vista financeiro, os analistas ponderam que a Hapvida está bem posicionada, mostrando também crescimento orgânico de suas operações: no terceiro trimestre de 2019, a empresa reportou lucro líquido de R$ 215,9 milhões, alta de 13,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

SulAmérica: operações enxutas, resultados firmes

A SulAmérica fez o caminho contrário da Hapvida: sua grande movimentação corporativa em 2019 foi a venda de ativos importantes — suas operações de automóveis e de ramos elementares, como proteção ao patrimônio — à Allianz Seguros, por R$ 3 bilhões.

Tudo faz parte da estratégia de longo prazo da SulAmérica, que, a partir de agora, quer ficar focada nos segmentos de saúde e pessoas — e os recursos levantados com a operação abrem a porta para eventuais aquisições nesse setor ao longo de 2020.

Nos últimos anos, o portfólio da SulAmérica vem passando por um processo de enxugamento. Em 2018, a empresa vendeu sua carteira de capitalização à brasileira Icatu; em 2015, os ativos de seguros de grandes riscos e habitacionais já haviam sido negociados com outras empresas.

E, depois de todo esse processo de redefinição de foco, a SulAmérica está bem posicionada para ganhar terreno e buscar maior participação na área de saúde e pessoas. No terceiro trimestre de 2019, a empresa teve lucro líquido de R$ 245,4 milhões, crescendo 4,6% em um ano; entre janeiro e setembro, os ganhos chegaram a R$ 729,7 milhões, um salto de 42,7%.

Cia Hering: Ganhando tração

A Cia Hering é a mais discreta entre as estreantes do Ibovespa: a empresa não fez nenhuma aquisição relevante, não vendeu ativos e não anunciou seus planos para 2020. Então, o que pode direcionar as ações da varejista de moda daqui para frente.

Bem, assim como o Carrefour, a Cia Hering também se beneficia com o aquecimento da economia doméstica — o setor de vestuário é outro que também ganha um impulso com a retomada do nível de atividade do país.

Mas, além disso, analistas notam que, após longos períodos de instabilidade e transição, a Cia Hering começa a dar sinais mais animadores, com um ritmo de crescimento interessante e uma gestão mais sofisticada de estoques.

No terceiro trimestre de 2019, a companhia reportou um salto de 22,3% no lucro líquido na base anual, para R$ 64,1 milhões. O resultado chama ainda mais a atenção porque a receita líquida subiu apenas 0,8% no mesmo intervalo, indicando um ganho de eficiência nas operações.

E, de fato, os índices operacionais da Cia Hering foram elogiados pelo mercado: as vendas no critério mesmas lojas (SSS), um importante indicador para o segmento de varejo, ficaram em 6,6% no terceiro trimestre de 2019 — no mesmo intervalo de 2018, foram de 4,4%.

"A Hering reportou um SSS sólido e uma margem bruta sólida", escreveu a equipe de análise do Itaú BBA, ao comentar os dados da varejista no terceiro trimestre. "Apesar da deterioração na margem Ebitda ajustada, vemos os investimentos em marketing e a distribuição de lucro como um fator positivo para o desempenho futuro [das ações]".

Totvs: fôlego para crescer

A Totvs é a maior empresa de software de gestão do Brasil. Está presente em 41 países e tem quase 8 mil funcionários. A empresa tem um histórico agressivo de aquisições - mais de 30 compras entre 2005 e 2016.

No ano passado, a companhia levantou R$ 1 bilhão em uma oferta subsequente de ações, feita para financiar sua expansão.

E logo foi às compras. Recentemente, comprou uma empresa focada em crédito entre clientes e fornecedores: a Supplier.

Mesmo assim, a empresa entra em 2020 com o bolso cheio e fôlego para crescer. No ano passado, suas ações se valorizaram cerca de 130%.

Entenda

Para as ações de uma empresa estarem no Ibovespa é preciso que elas estejam entre os ativos mais negociados da bolsa nos últimos 12 meses, tanto em volume quanto em presença nos pregões.

Cada ação tem um peso diferente, que leva em conta o seu valor de mercado em negociação na bolsa, o chamado free float. Ou seja, quanto maior o valor de mercado das ações negociadas de uma determinada empresa, maior a sua participação no índice.

A carteira em vigor até 5 de janeiro tem 68 ações ou units (certificados de ações) de 65 empresas. As ações preferenciais do Itaú Unibanco (ITUB4) possuem hoje a maior participação no Ibovespa, com 9,4%.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

relações com os eua

Não acho que sucessão nos EUA mude disputa com China por 5G, diz Mourão

Mais uma vez questionado sobre a possibilidade de o governo brasileiro reconhecer a vitória do democrata Joe Biden na eleição americana, Mourão repetiu o discurso de que, “no momento certo, será feito o que tiver de ser feito”

em expansão

Notre Dame Intermédica compra Grupo Hospitalar de Londrina por R$ 170 milhões

Plano de integração com a empresa comprada prevê sinergias operacionais e administrativas com as operações da Clinipam no Estado do Paraná

seu dinheiro na sua noite

ESG no Brasil é conversa pra boi dormir?

Na última quinta-feira, véspera do Dia da Consciência Negra, o País ficou horrorizado com a morte de João Alberto de Freitas, homem negro que foi espancado por seguranças de uma loja da rede Carrefour em Porto Alegre. Não foi o primeiro incidente em uma loja da companhia a ganhar o noticiário policial. Desta vez, o […]

diante da crise

Anac aprova reequilíbrio de R$ 1,27 bilhão para quatro aeroportos

Terminais que foram beneficiados foram os aeroportos internacionais de Guarulhos (R$ 854,9 milhões), Brasília (R$ 184,8 milhões), Salvador (R$ 114,9 milhões) e Confins (R$ 111,1 milhões)

últimos capítulos

Centro de treinamento de pilotos da Varig vai a leilão

Funcionários, que esperam há 14 anos por uma solução para o pagamento de indenizações, querem que 80% do valor arrecadado seja rateado entre os 13 mil ex-empregados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies