Menu
2020-02-14T17:09:03-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela Universidade de Federal do Paraná (UFPR). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros veículos.
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
mercados agora

Dólar cai a R$ 4,30 após nova atuação do BC; Ibovespa cai aos 114 mil pontos

O Banco Central fez nesta manhã mais um leilão de swap cambial no valor de US$ 1 bilhão, ajudando novamente a aliviar a pressão sobre o câmbio

14 de fevereiro de 2020
10:36 - atualizado às 17:09
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Banco Central (BC) repetiu a dose nesta sexta-feira (14). Assim como ontem, a autoridade monetária atuou para injetar recursos novos no mercado de câmbio — e, assim como ontem, a movimentação trouxe um alívio imediato ao dólar à vista.

A moeda americana chegou a operar em leve alta de 0,01% mais cedo, a R$ 4,3343. Mas, com um novo leilão de swap cambial no valor de US$ 1 bilhão sendo promovido pelo BC, a divisa rapidamente virou para o campo negativo — fechando em baixa de 0,77%, a R$ 4,3004.

Com isso, o dólar encerrou a semana com uma leve queda acumulada de 0,47%. No ano, no entanto, a moeda americana ainda sobe 7,19%.

Ontem, no momento de maior tensão, o dólar à vista chegou a aparecer na casa de R$ 4,38 — um novo recorde nominal em termos intradiários. Foi neste momento que o BC resolveu entrar no jogo, trazendo alívio às negociações. E, hoje, a autoridade não quis correr o risco de ver a moeda disparar novamente.

Vale ressaltar que, no exterior, o dia é de enfraquecimento do dólar em relação às divisas de países emergentes, como o peso mexicano, o rublo russo e o peso chileno — um contexto que ajuda a despressurizar o real.

Já o Ibovespa tem um dia negativo. O principal índice da bolsa brasileira abriu em queda e permanece no vermelho desde então — por volta de 17h05, recuava 1,08%, aos 114.412,93 pontos.

Lá fora, a sessão é marcada por uma certa indecisão nas bolsas: os mercados americanos oscilam perto do zero a zero, comportamento semelhante ao dos índices europeus. Na Ásia, as praças chinesas subiram, enquanto as japonesas fecharam em queda.

O tom mais negativo visto por aqui se deve ao noticiário doméstico, com mais uma decepção no front da agenda econômica. E, desta vez, a preocupação se deve ao o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) em dezembro.

Hesitação

O indicador, considerado uma proxy do PIB, recuou 0,27% em dezembro ante novembro, marcando o segundo mês consecutivo de recuo — o que fortalece a percepção de que a economia doméstica ainda está patinando.

Nesse cenário, o mercado continua aumentando as apostas num eventual novo corte na Selic, de modo a estimular a atividade local. E declarações do presidente do BC, Roberto Campos Neto, elevaram a percepção de que esse cenário é possível, por mais que o Copom tenha sinalizado que o ciclo de reduções nos juros terminou.

Em evento, Campos Neto disse que é preciso ter cautela na condução da política monetária, sem cravar uma interrupção do processo de ajuste. E, em meio a esse cenário, as curvas de juros fecharam em baixa.

Veja abaixo como ficaram os principais DIs nesta sexta-feira:

  • Janeiro/2021: de 4,26% para 4,23%;
  • Janeiro/2022: de 4,83% para 4,73%;
  • Janeiro/2023: de 5,40% para 5,26%;
  • Janeiro/2025: de 6,08% para 5,95%.

Teoricamente, um novo corte na Selic implica em pressão no câmbio, já que o diferencial de juros entre Brasil e Estados Unidos diminuiria — o que reduziria a atratividade do mercado brasileiro para os investidores que buscam retornos fáceis.

No entanto, a nova atuação do BC ainda nos primeiros minutos da sessão contribuiu para amortecer essas preocupações, levando o dólar à vista a R$ 4,30.

Top 5

Veja abaixo as cinco maiores altas do Ibovespa no momento:

  • IRB ON (IRBR3): +5,12%
  • Eletrobras ON (ELET3): +1,96%
  • Cielo ON (CIEL3): +1,94%
  • Weg ON (WEGE3): +1,51%
  • Raia Drogasil ON (RADL3): +1,27%

Confira também as maiores baixas do índice:

  • B2W ON (BTOW3): -4,90%
  • Rumo ON (RAIL3): -4,33%
  • BTG Pactual units (BPAC11): -3,99%
  • Usiminas PNA (USIM5): -3,67%
  • Metalúrgica Gerdau PN (GOAU4): -3,60%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Crypto News

Não vai dar mais pra ficar parado no bitcoin

Mesmo que você tenha mais perguntas que respostas, alguma ação tem que ser tomada quando o assunto é criptomoedas

SD Premium - Lupa dos fundos

Rentabilidade presente: fundos da nossa lupa superam Ibovespa e CDI

Dos quatro fundos de três gestoras que nós acompanhamos desde o início da nossa série, em setembro do ano passado, três bateram os indicadores de referência em janeiro

Recuperação da estatal

Lucro da Petrobras salta 55,7% em 2019 e chega a R$ 40,1 bilhões, impulsionado pela venda de ativos

A Petrobras fechou 2019 com o maior lucro líquido anual de sua história, sustentada pelos fortes desinvestimentos e ganhos de eficiência na extração de petróleo — fatores que compensaram os menores preços da commodity no exterior

De olho no balanço

Marfrig reverte prejuízo e registra lucro líquido de R$ 27 milhões no 4º trimestre de 2019

No acumulado do ano, o lucro líquido caiu para R$ 218 milhões, ante R$ 1,4 bilhão no ano anterior

Confira os números

Petrobras, Ultrapar, Marfrig, RaiaDrogasil e GPA: os balanços que vão mexer com a bolsa nesta quinta-feira

O dia começa recheado de balanços anuais das companhias listadas no Ibovespa

Recurso da estatal

TRF-4 nega recurso da Petrobras e mantém Odebrecht fora de ação da Lava Jato

No recurso, a estatal buscava o prosseguimento dos réus na ação cível e a manutenção do bloqueio de bens dos executivos

Seu Dinheiro na sua noite

Guedes fora, alta do dólar

Você se lembra de quando o dólar a R$ 4,20 era o grande “patamar psicológico” da moeda americana? Não faz tanto tempo assim, mas esse nível de cotação ficou para trás, e agora parece até um pouco distante. Hoje, o dólar à vista bateu um novo recorde de fechamento. Eu sei que você já leu […]

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

Ainda na liderança

Vitor Hugo crê que permanece como líder do governo; Terra diz não receber convite

O deputado disse que não recebeu sinalizações do presidente Jair Bolsonaro de que poderá ser substituído pelo ex-ministro Osmar Terra

O impasse continua

Após TRT suspender demissões, Petrobras quer negociar desligamentos em fábrica

Encerramento da operação da Ansa é o principal motivo da greve dos petroleiros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements