Menu
2020-10-21T16:10:29-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
BDRs mais acessíveis

Investidor considera ter até 25% do patrimônio em ações de empresas estrangeiras, diz pesquisa da XP

Negociação dos BDRs, certificados de ações de empresas listadas em bolsas estrangeiras na B3, será liberada para qualquer investidor a partir de amanhã

21 de outubro de 2020
16:03 - atualizado às 16:10
Tela de celular com aplicativos de Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Google
FAANG: as gigantes de tecnologia do mercado americano - Imagem: Shutterstock

A partir desta quinta-feira (22), qualquer investidor brasileiro poderá ter na carteira os chamados BDRs, como são conhecidos os certificados de ações de empresas listadas em bolsas estrangeiras negociados na B3. A negociação até então era restrita a investidores qualificados — que possuem patrimônio de pelo menos R$ 1 milhão.

E o apetite do pequeno investidor de ser sócio de companhias como Amazon, Microsoft e Netflix sem a necessidade de ter conta em corretoras no exterior aparentemente é grande.

Leia também:

Uma pesquisa realizada pela XP Inc. (dona da XP Investimentos, Rico e Clear) com 48 mil clientes mostra que 85% deles estariam dispostos a investir até 25% do patrimônio em papéis de companhias listadas em bolsas estrangeiras.

As empresas de tecnologia são as que mais chamam a atenção, com 86% dos investidores declarando ter interesse no setor. Entre as companhias mais citadas estão: Amazon, Apple, Alphabet (dona do Google), Microsoft, Facebook e Tesla. Todas elas já contam com BDRs.

Outros setores que tiveram destaque foram: Farmacêutico (39,8%), Financeiro/Bancos (37,4%) e Energia (36,6%), ainda segundo o levantamento da XP.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) decidiu mudar as regras dos BDRs em agosto. Mas o início das negociações ainda estava pendente de uma mudança no regulamento da B3, aprovada ontem pelo regulador. Existem hoje 670 empresas com programas de BDR, segundo a bolsa.

Além da permissão para qualquer investidor ter BDRs de empresas estrangeiras, a CVM autorizou que companhias brasileiras que fizeram ofertas iniciais de ações (IPO) nas bolsas de Nova York e Nasdaq, como a própria XP, tenham BDRs negociados na B3.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

gestão segue independente

Holding do BTG Pactual compra consultoria de energia PSR

Um dos principais objetivos da parceria é propiciar a expansão da companhia no mercado global de energia

recursos contra a doença

Câmara aprova liberação de R$ 1,9 bilhão para compra de vacinas contra Covid-19

Dinheiro vai custear contrato entre a Fiocruz, vinculada ao Ministério da Saúde, e o laboratório AstraZeneca; recursos virão da emissão de títulos públicos

permissão especial

Anvisa divulga regras para autorização emergencial de vacina contra covid-19

Modo simplificado terá menos exigências do que os registros de outros medicamentos e tratamentos, mas a agência declarou que serão garantidos requisitos de segurança

seu dinheiro na sua noite

Uma previsão (conservadora) para a bolsa em 2021

Depois de tudo que passamos em 2020 (e o ano ainda não acabou), eu admiro a coragem de quem se arrisca a fazer previsões para o desempenho dos investimentos. As estimativas podem parecer mero chute — e às vezes são mesmo — mas no geral têm fundamento. Com algum trabalho, é possível calcular o fluxo […]

emissão de dívida em dólar

Tesouro capta US$ 2,5 bilhões no exterior com títulos de 5, 10 e 30 anos

Houve forte demanda pelos títulos de dívida externa, que superou a oferta em mais de 3 vezes, diz instituição; volume emitido com bônus de 10 anos foi o maior, de US$ 1,25 bi

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies