Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-24T09:58:46-03:00
Estadão Conteúdo
olhos lá na frente

SulAmérica vende operações à Allianz por R$ 3 bi e ganha fôlego para crescer

Investimento é o maior já feito pela seguradora no Brasil e a coloca no patamar mais alto do que já teve

24 de agosto de 2019
9:56 - atualizado às 9:58
médico/hapvida
Na mira da SulAmérica estão operações nos ramos que a seguradora opera: saúde, odontologia, vida e previdência. Imagem: Shutterstock

A SulAmérica vendeu sua operação de automóveis e os chamados pelo setor de ramos elementares (que protegem o patrimônio, como casas e prédios) para a Allianz Seguros, por R$ 3 bilhões, conforme antecipou a 'Coluna do Broadcast' em junho.

O negócio injeta fôlego na estratégia de crescimento por aquisições da SulAmérica, que priorizou os segmentos de saúde e pessoas. Por outro lado, permite à alemã Allianz dobrar de tamanho no País, em seu maior investimento desde que desembarcou aqui, há 115 anos.

Depois de um "longo namoro", a Allianz concordou em desembolsar R$ 3 bilhões por uma companhia criada exclusivamente para a transação. Ela teria tido R$ 700 milhões de patrimônio e R$ 3,6 bilhões em prêmios (valor das prestações pagas pelos segurados), em 2018.

O presidente da SulAmérica, Gabriel Portella, diz que ainda é cedo para falar sobre o destino do cheque bilionário que vai receber. "Já vínhamos investindo", disse ao Estadão/Broadcast. "Vamos nos concentrar ainda mais em nossas linhas."

Sem dar detalhes sobre futuras aquisições, Portella diz que o apetite da SulAmérica dependerá de oportunidades que surjam. Adianta, porém, que a companhia não está disposta a "pagar absurdo" por participação de mercado.

Na mira da SulAmérica, de acordo com ele, estão operações nos ramos que a seguradora opera: saúde, odontologia, vida e previdência. Em meio à reforma da Previdência, vida e previdência é uma das áreas mais atraentes porque tende a impulsionar a iniciativa privada. Já em odontologia, a companhia tem feito aquisições estratégicas enquanto que em saúde, as oportunidades são ainda mais específicas, como região e perfil da carteira.

A seguradora negocia neste momento parceria para vender seguro saúde no Itaú Unibanco e também disputa acordo semelhante com a Caixa Econômica Federal. Sobre dar um passo maior sobre ativos da concorrência como, por exemplo, a operação de saúde da rival Porto Seguro, o presidente da SulAmérica prefere não comentar.

No início do ano passado, a SulAmérica resolveu priorizar o segmento de saúde e odontologia. As outras operações foram oferecidas ao mercado. Assim, a carteira de capitalização foi adquirida pela brasileira Icatu, e as áreas automóvel e patrimonial, passaram às mãos da Allianz. Antes, a companhia já tinha se desfeito de seguros de grandes riscos, arrematada pela francesa Axa, a de seguros habitacionais, que foi para a Pan Seguros (seguradora do ex-Panamericano), ambas em 2015. Segundo Portella, a SulAmérica já encerrou a fase de vendas.

O dobro

Do lado da Allianz, a aquisição das carteiras da SulAmérica dá nova cara à companhia. O total de receita em prêmios das unidades compradas é de R$ 3,6 bilhões, sendo R$ 3,4 bilhões apenas em automóveis e R$ 202 milhões em seguro patrimonial.

Com a aquisição, a Allianz somará R$ 6,9 bilhões em prêmios, dobrando de tamanho no Brasil, sendo R$ 5 bilhões apenas no ramo de automóvel. A companhia subirá algumas posições no ranking de maiores do mercado. A Allianz passa a ser a terceira companhia em ramos patrimoniais e a segunda em automóvel, segundo o presidente da seguradora no Brasil, Eduard Folch. "A decisão de adquirir as carteiras da SulAmérica está em linha com a estratégia da Allianz de fortalecer sua atuação em segmentos promissores de crescimento", diz. "É um grande passo no nosso reposicionamento estratégico no Brasil."

Os R$ 3 bilhões a serem desembolsados pela Allianz virão de um aporte da matriz, na Alemanha. O investimento é o maior já feito pela seguradora no Brasil e a coloca no patamar mais alto do que já teve.

Apesar disso, a seguradora alemã segue aberta para novas oportunidades. "A baixa penetração do seguro no mercado brasileiro no longo prazo mostra capacidade de crescimento do setor no País e justifica uma transação desse tamanho", afirma Folch.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies