Menu
2020-05-26T22:59:54-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Esperanças para o fim da crise

Conheça três dos principais estudos que buscam uma vacina contra o coronavírus – e que mexem com o mercado

Notícias do avanço de pesquisas sobre vacinas contra o coronavírus costumam impactar o mercado, que espera ansiosamente por uma solução que permita uma retomada das economias

26 de maio de 2020
15:42 - atualizado às 22:59
vacina covid-19
Imagem: Shutterstock

Uma das notícias que impulsiona o otimismo no mercado acionário global nesta terça-feira (26), envolve novidades sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus.

A Novavax, empresa americana de biotecnologia, anunciou que sua vacina experimental para combate ao coronavírus irá entrar uma nova fase e será testada por humanos. O anúncio levou as ações da companhia a dispararem mais de 16% no pré-mercado americano.

Notícias positivas sobre o desenvolvimento de vacinas têm dado um gás extra para o mercado acionário no último mês e a especulação em torno de ações de empresas de biotecnologia tem sido frequente. Só o S&P 500, índice que reúne as 500 principais empresas da bolsa americana, já subiu 35% desde a queda acentuada vista no mês de março.

Movimento semelhante ao visto agora aconteceu na semana passada, quando outra empresa de biotecnologia americana, a Moderna, anunciou avanços na sua vacina contra a covid-19. As ações da companhia chegaram a ser negociadas em alta de 30% com o anúncio feito no dia 18 de maio.

Mas, alguns dias depois, os papéis da empresa sofreram um tombo igualmente homérico, aos surgirem dúvidas e questionamentos sobre os dados apresentados pela empresa em um primeiro momento.

Em um momento de tanta dúvida e incerteza, por que os mercados reagem tão fortemente ao avanço de pesquisas científicas?

A resposta é simples. Uma vacina pode ser a solução para os problemas causados pelo coronavírus.

Com uma vacina no mercado, é certo que os países poderão seguir com os seus planos de reabertura econômica com mais segurança, com riscos reduzidos de novas ondas de contágio pela covid-19.

A perspectiva do fim do isolamento social e a recuperação mais rápida da atividade econômica mundial são o suficiente para animar os investidores e melhorar o cenário para a pandemia que já vitimou mais de 5,4 milhões de pessoas e matou cerca de 347 mil pessoas.

Então, é natural que os mercados monitorem de perto o andamento das pesquisas feitas por laboratórios farmacêuticos, empresas de biotecnologia e universidades do mundo todo. Nos próximos meses, os investidores devem seguir reagindo aos avanços e tropeços das pesquisas que buscam encontrar uma solução para o problema do coronavírus.

As alternativas

No site da Organização Mundial da Saúde (OMS), é possível conhecer e monitorar o andamento dos projetos e candidatos a desenvolvedores de uma vacina para a doença. Você pode conferir as informações clicando aqui.

No momento, as vacinas desenvolvidas pela Moderna e Novavax não são as únicas no radar. Mais de cem projetos estão em andamento no mundo todo, com pelo menos uma dezena de outras iniciativas que já obtiveram o sinal verde para seguir para etapas mais avançadas de pesquisa e que, com sorte, poderão chegar às prateleiras nos próximos meses.

Muitos especialistas acreditam ser impossível a criação de uma vacina efetiva contra o vírus em menos de 12-18 meses. Mesmo assim, as companhias seguem correndo contra o relógio.

Mesmo após aprovadas, as empresas ainda terão o desafio de produzir as vacinas em larga escala para uso emergencial - voltado para trabalhadores da área da saúde, idosos e pessoas mais suscetíveis a desenvolverem complicações originárias do vírus -, essencial para conter a pandemia. A perspectiva é que somente em 2021 uma vacina esteja disponível para a imunização em massa.

Confira três dos principais projetos de vacinas contra a covid-19 em desenvolvimento:

Moderna

A Moderna virou destaque nos últimos dias, quando divulgou que 45 voluntários desenvolveram uma resposta imunológica ao vírus da covid-19 com a vacina testada pela empresa.

A companhia foi a primeira do mundo a começar os testes em humanos em março, com a participação de jovens adultos entre 18 e 55 anos. A expectativa agora é expandir a participação para 105 voluntários, dessa vez incluindo idosos. A previsão é que a nova fase de testes comece em breve e que a companhia atinja os estágios finais de desenvolvimento já no começo de julho.

Nos resultados apresentados, a vacina desenvolvida pela Moderna estimulou a criação de anticorpos e proteínas que estimulam o sistema imunológico.

A empresa é relativamente pequena para a área de atuação, com um valor de mercado de US$ 27 bilhões e menos de mil funcionários.

AstraZeneca + Universidade de Oxford

A Universidade de Oxford, uma das mais prestigiadas instituições de ensino do mundo, também tem o seu projeto de vacina contra a covid-19 - que é desenvolvido com apoio de diversas organizações e do governo do Reino Unido.

Em uma projeção feita pela Universidade, no cenário mais otimista, a vacina estará pronta para uso já entre setembro e outubro deste ano.

Dando suporte à pesquisa desenvolvida pela Universidade, a gigante farmacêutica britânica, AstraZeneca entrou com apoio na produção e distribuição da vacina.

No Reino Unido, os testes da primeira fase já começaram. A expectativa é vacinar 510 voluntários com idades entre 18 e 55 anos. Os primeiros resultados são esperados para o fim de maio e começo de junho.

O estudo espera testar pelo menos 5 mil pessoas ainda em 2020.

A entidade governamental BARDA (Biomedical Advanced Research and Development Authority), responsável por chefiar parcerias público-privadas no campo biomédico, criou um fundo de US$ 1,2 bilhão para acelerar o desenvolvimento da pesquisa e espera poder produzir até 300 milhões de doses com o dinheiro. A entidade também irá financiar os testes nos Estados Unidos nos próximos meses.

O Serum Institute of India, maior fabricante mundial de vacinas, também está apostando no projeto e espera produzir até 40 milhões de doses da vacina desenvolvida em Oxford até outubro.

Pfizer

A gigante do mundo farmacêutico Pfizer se uniu a uma pequena empresa de biotecnologia alemã para os testes de uma vacina para o coronavírus.

O time composto pelas duas empresas está testando quatro possíveis vacinas nos Estados Unidos.

São esperados os resultados preliminares para que a companhia priorize o projeto com mais chances de dar certo. A expectativa da Pfizer é expandir o grupo de testados para 7,6 mil participantes.

No momento, a companhia também tem testado primatas para verificar a eficácia dos projetos.

A produção tem sido realizada tanto em uma unidade nos Estados Unidos quanto nas duas unidades da empresa alemã BioNTech na Alemanha. A expectativa das companhia é ter milhões de doses disponíveis já em outubro.

*Com informações do Business Insider

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

vice da república

Com atual sistema, qualquer governo terá de se aliar ao Centrão, diz Mourão

Em live do Banco Credit Suisse Brasil, Mourão justificou a aproximação do governo com o grupo de cerca de 200 deputados que compõem os partidos do centro.

parada desde maio de 2019

Com dívidas de R$ 2,7 bi, Avianca Brasil entra com pedido de falência

Com dívidas que somam R$ 2,7 bilhões, a companhia aérea estava sem operar desde maio do ano passado

os dados da caderneta

Com pandemia, poupança tem captação líquida de R$ 20,5 bilhões em junho

A poupança captou R$ 84,434 bilhões no acumulado do ano. Foi o 4º mês seguido de depósitos na caderneta

Sem empolgação

Aura Minerals estreia na B3 em queda firme e com baixo volume de negociação

Os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) da canadense Aura Minerals começaram a ser negociados hoje na B3 — mas os investidores não se mostram muito entusiasmados com o papel

efeito coronavírus?

China confirma suspensão de exportação de carne suína de unidades da BRF e da JBS

Órgão não especifica o motivo do veto, mas as plantas suspensas têm em comum o fato de já terem registrado casos do novo coronavírus entre seus funcionários

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements