Menu
2021-01-04T19:33:25-03:00
Estadão Conteúdo
Resultado primário

Setor público tem o maior déficit primário para novembro desde 2016, diz BC

O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento da dívida pública

30 de dezembro de 2020
10:50 - atualizado às 19:33
dinheiro real
Imagem: Shutterstock

Sob os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus, o setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 18,140 bilhões em novembro, informou nesta quarta-feira, 30, o Banco Central (BC). Este é o maior déficit para o mês desde 2016. Em outubro deste ano, havia sido registrado superávit de R$ 2,953 bilhões.

O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento da dívida pública. Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

O déficit primário consolidado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, de déficit de R$ 24,80 bilhões a déficit de R$ 9,50 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 20,40 bilhões.

Composição

O resultado fiscal de novembro foi composto por um déficit de R$ 20,394 bilhões do Governo Central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS).

Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 2,340 bilhões no mês.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 1,175 bilhão, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 1,165 bilhão. As empresas estatais registraram déficit primário de R$ 87 milhões.

Acumulado do ano

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 651,113 bilhões no ano até novembro, o equivalente a 9,58% do PIB, informou o Banco Central.

A projeção do Tesouro para o rombo fiscal do setor público consolidado em 2020 é de R$ 844,2 bilhões. O montante equivale a 11,7% do Produto Interno Bruto (PIB). Para o Governo Central, o déficit estimado é de R$ 831,8 bilhões, mas, na terça-feira, 29, o órgão admitiu que o resultado anual deve ficar abaixo desse valor.

O déficit fiscal no ano até novembro ocorreu na esteira do déficit de R$ 700,604 bilhões do Governo Central (10,31% do PIB).

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 44,624 bilhões (0,66% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 41,992 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 2,632 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 4,867 bilhões no período.

12 meses

As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 664,626 bilhões em 12 meses até novembro, o equivalente a 8,93% do PIB, informou o Banco Central.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em novembro pode ser atribuído ao rombo de R$ 716,705 bilhões do Governo Central (9,63% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 37,488 bilhões (0,50% do PIB) em 12 meses até novembro.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 37,879 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 391 milhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 14,591 bilhões no período.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Mais uma recomendação

Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca

Mais cedo, área técnica havia defendido aprovação da CoronaVac

Ainda falta...

Anvisa devolve pedido de uso emergencial da Sputnik

Laboratório russo não apresentou os requisitos mínimos para que o pedido de uso emergencial pudesse ser analisado pela agência

Quase lá

Área técnica da Anvisa recomenda uso emergencial da CoronaVac

Diretores da agência analisam pedidos de uso de vacinas. No momento, a área técnica ainda faz a apresentação. Em seguida, a relatora do tema, diretora Meiruze Freitas lerá seu voto, com os outros quatro diretores da agência votando depois

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies