Menu
2020-09-24T08:47:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
de olho na retomada

BC revisa projeção de tombo do PIB de 6,4% para 5% em 2020

Para o PIB de 2021, ainda com incerteza acima da usual, projeta-se crescimento de 3,9%. A perspectiva, diz o BC está condicionada ao cenário de continuidade das reformas e de manutenção do atual regime fiscal

24 de setembro de 2020
8:45 - atualizado às 8:47
crise coronavírus brasil
Imagem: Shutterstock

A projeção do Banco Central para a queda do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 foi revisada de 6,4% para 5,0%, mostra o Relatório de Inflação de junho publicado nesta quinta-feira (24) pela instituição.

Segundo a autoridade monetária, apesar do forte recuo da atividade no segundo trimestre, o conjunto de indicadores disponíveis mostra que a retomada da atividade econômica, "ainda que parcial, está ocorrendo mais rapidamente do que antecipado".

Mas o BC ressalta que a retomada acontece de forma diferente entre os entre os segmentos da atividade econômica. A nova projeção considera crescimento acentuado no terceiro trimestre.

Para o último trimestre do ano, espera-se arrefecimento da taxa de crescimento, associado, em parte, à diminuição esperada de transferências de recursos extraordinários às famílias, diz a instituição.

Projeção do PIB para 2021

Para o PIB de 2021, ainda com incerteza acima da usual, projeta-se crescimento de 3,9%. A perspectiva, diz o BC está condicionada ao cenário de continuidade das reformas e de manutenção do atual regime fiscal, assegurando o equilíbrio de longo prazo das contas públicas, e pressupõe arrefecimento da pandemia.

Pelo lado da oferta, as atividades da agropecuária, da indústria e de serviços devem avançar 3,4%, 4,5% e 3,7%, na ordem. "A projeção para a agropecuária repercute prognósticos favoráveis para a safra 2020/2021 e recuperação da produção de carne, em especial de bovinos", diz o BC.

Para o setor secundário, projeta-se recuperação disseminada, com a produção voltando ao longo do ano aos patamares do período pré-pandemia, em linha com a gradual recuperação do mercado de trabalho e aumento das demandas interna e externa.

Para o setor de serviços, as atividades mais severamente impactadas pela pandemia devem ter as maiores altas devido, em parte, às bases de comparação deprimidas de 2020, ainda conforme o BC.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Exile On Wall Street

Procure por lucros crescendo

Procurar por lucros que crescem, na maior parte das vezes, implica bater de frente com a ideia de comprar barganhas clássicas apuradas sob os critérios de múltiplos baixos

IGP-M em alta

Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em um ano, aponta FGV

O Índice Nacional de Custo da Construção também cresceu de 0,98% para 1,50% em 12 meses, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas

Mercados hoje

Ibovespa rompe os 100 mil pontos, com tom positivo no Brasil e no exterior

Índice dá continuidade a movimento positivo de ontem, com menos pressão de fatores de risco locais no radar

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

11 notícias para você começar a terça-feira bem informado

O coronavírus ofuscou o que deveria ser o evento do ano em 2020: a eleição presidencial nos Estados Unidos, o pleito que escolherá quem ocupará um dos cargos mais importantes do mundo nos próximos quatro anos. Os mercados começaram a corrida eleitoral com uma torcida maior por Donald Trump. Sua política de redução de impostos […]

DESEMPENHO AINDA BAIXO

Embraer: Entrega de aeronaves sobe entre segundo e terceiro trimestre

Resultado, porém, fica abaixo do registrado no terceiro trimestre de 2019, com empresa ainda sentindo a crise do setor aéreo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies